Skip to content

Obras na Cristóvão Colombo serão concluídas em outubro de 2015

21/10/2014

Prefeitura aguarda decisão judicial sobre a desapropriação de parte de condomínio

Cláudio Isaías

Prefeitura aguarda decisão judicial sobre a desapropriação de parte de condomínio | Foto: André Ávila

Prefeitura aguarda decisão judicial sobre a desapropriação de parte de condomínio | Foto: André Ávila

As obras da trincheira da avenida Cristóvão Colombo com a rua Dom Pedro II, na Terceira Perimetral, na zona Norte de Porto Alegre, deverão ser concluídas em outubro de 2015. A informação é do engenheiro Rogério Baú, da Secretaria de Gestão. Segundo ele, as três empresas responsáveis pelos trabalhos já iniciaram a colocação de estacas, que servirão de parede de contenção da trincheira. Após essa etapa, serão realizadas as escavações.

A prefeitura de Porto Alegre aguarda decisão judicial sobre a desapropriação de parte do condomínio Calle Florida. O proprietário questiona que o recuo da calçada previsto para a realização da obra poderá afetar a estrutura atual do imóvel.

Conforme Baú, a obra tem um custo estimado de R$ 13,2 milhões. A construção da trincheira é realizada pelo consórcio das empresas EPT, Serenge e Serki. A passagem de nível terá extensão de aproximadamente 200 metros e a trincheira terá dois sentidos de tráfego com duas faixas em cada pista. Ainda existirão duas alças para acesso local e conversões na Terceira Perimetral. O fluxo da Cristóvão Colombo passará por baixo da rua Dom Pedro II.

Atualmente, circulam no cruzamento da avenida Cristóvão Colombo com a rua Dom Pedro II cerca de 90 mil veículos por dia. A intervenção já estava prevista no projeto original da Terceira Perimetral.

Correio do Povo

Cidades e espaços coloridos irradiam vida e bem-estar social, por Adeli Sell

21/10/2014

porto-alegre-vista-do-alto-91É bem comum andar pelas cidades em busca de cores, quando tudo é tão cinza e opaco. Alguns locais prezam pelo encanto das paredes coloridas de suas casas e comércios, tornando-se ainda mais atraentes para turistas e moradores. Porto Alegre, a Capital dos gaúchos, é uma cidade cinza, gris, uma urbe onde definitivamente falta cor. Perde a municipalidade, pois locais coloridos agregam vida, influenciam o dia a dia e o humor das pessoas. Vive-se melhor, respira-se melhor.

Deveríamos radicalizar nossa estética urbana. Fazer com que as cores predominem e desapareça a homogeneidade cinza das nossas edificações. Para isso, é preciso que o Poder Público tome a iniciativa de alavancar um grande projeto de pintar a cidade de ponta a ponta, do centro a periferia, de norte a sul, de leste a oeste. O processo é gradativo, inicia em uma determinada região e estimula novas iniciativas. Aqui em Porto Alegre a remodelação da escadaria da rua 24 de Maio, feita pelo Poder Público, é um bom exemplo a ser seguido. Assim como a recente pintura no Viaduto Otávio Rocha, que desde setembro, encanta quem passa pelo local. Mas, quando isolados, mesmo bons projetos tendem a degradar-se e voltar ao cinzento do abandono.

Nossas administrações devem ter a ousadia e a capacidade de articular um projeto que convença os moradores da cidade a embelezar a sua casa. A parceria de entidades da sociedade civil é fundamental para trabalhar nessa perspectiva. Foi o que fizemos no Parque Estadual de Exposições Assis Brasil, em Esteio. Prestes a realizar a 37ª Expointer, nos deparamos com o nosso maior símbolo, as três esferas coloridas (amarela, verde e vermelha), degradas e desbotadas. Instigamos parceiros da região e através de parceria com as Tintas Killing, garantimos a revitalização deste belo presente doado pelo governo da então Alemanha Ocidental em 1974.

Outro contraponto deste cinza pode ser encontrado na nossa vizinha Argentina, onde está o famoso Caminito, às margens do antigo porto de Buenos Aires. Suas casas multicoloridas têm origem no início do século passado, quando os marinheiros que ali residiam passaram a aproveitar restos de tintas dos navios para pintar suas residências. O que era símbolo de pobreza, hoje é ponto turístico e espaço valorizado. As edificações foram preservadas e a alegria das cores multifacetadas atrai multidões.

Em 2011, quando ainda vereador desta cidade, apresentei o projeto Pinta Porto Alegre. A medida visa conceder incentivos, por meio de desconto no IPTU, para manutenção de fachadas, pintura e ajardinamento.  Imaginemos uma efetiva campanha de conscientização e mobilização da sociedade civil para que Porto Alegre se transforme nesta cidade multicolorida, que valoriza nosso patrimônio arquitetônico e integra e estimula o verde nas nossas ruas.

Agregado ao processo de pintar as edificações e dar colorido às ruas da capital, propomos a renovação do mobiliário urbano. Pintura e cuidado dos seus viadutos, passagens de nível, pintura de cordões de meio fio, arte integrada à paisagem e, evidentemente, a pintura das faixas de segurança.

Para compor esta cidade é necessária a preservação, antes de mais nada, do nosso patrimônio público, como as paradas de ônibus, e do patrimônio histórico, restaurando nossas edificações que hoje, além de cinzas, muitas vezes se degradam a olhos vistos.

Defendemos que Porto Alegre continue sendo a capital do verde, sendo incentivado o plantio de flores, folhagens, arbusto ao longo das avenidas, praças, parques, jardins, verdes e flores em edificações, como pode-se ver em Valparaíso, Barcelona. Para completar a cidade que sonhamos, sugerimos que Porto Alegre seja a cidade das flores. Se cada um cuidar de seu jardim, de sua sacada, se as flores se integrarem às praças, o milagre da renovação se dará ao longo de todo o ano.

Precisamos que nossa cidade seja, cada vez mais, uma cidade arborizada. Não qualquer árvore, mas sempre buscando as espécies compatíveis com nosso clima e adequadas à circulação de veículos e pessoas. Sempre que possível, dando preferências às árvores nativas, mas respeitando a história de tantas ruas que têm sua personalidade formada à sombra de plátanos e de outras espécies que fornecem sombra e encantamento.

Este conjunto de ações de embelezamento, com seu grande atrativo estético, tornará Porto Alegre a cidade da alegria, multicolorida. Verdes nas praças, nos morros, para compor uma paisagem cada vez mais bonita, espelhada pelas águas do lago Guaíba.

Por Adeli Sell

Subsecretário do Parque Estadual de Exposições Assis Brasil 

Novas composições do Trensurb passam a atender nos horários de pico

20/10/2014

Companhia já recebeu nove dos 15 trens, com três deles já operando

Companhia já recebeu nove dos 15 trens, com três deles já operando | Foto: Divulgação / Trensurb / CP

Companhia já recebeu nove dos 15 trens, com três deles já operando | Foto: Divulgação / Trensurb / CP

A partir desta terça-feira, dois dos três trens em fase de testes com passageiros já vão circular das 5h às 20h, atendendo também ao horário de pico da tarde. Uma terceira nova composição vai permanecer sempre no pátio da empresa, à disposição da equipe técnica da Trensurb para que possa passar por ajustes – de forma que haja um revezamento entre elas na operação.

As 15 composições de quatro carros cada uma, fornecidas pelo consórcio FrotaPoa, terão gasto energético cerca de 30% inferior às usadas atualmente. Elas dispõem de sistema de ar condicionado automatizado, sistema de comunicação multimídia, iluminação interna com LED, sistemas de autodiagnóstico e monitoramento de falhas, além de possibilidade de acoplamento – tornando possível a operação de dois trens acoplados nos horários de pico, totalizando oito carros e dobrando a capacidade de transporte de cada viagem. Nove dos novos veículos já foram recebidos pela Trensurb e a expectativa é de que todos estejam circulando até o fim do verão.

Correio do Povo

Entorno da Arena poderá ser conhecido como o ‘bairro do Grêmio’

16/10/2014
Arena do Grêmio. Foto: Magerson Bilibio

Arena do Grêmio. Foto: Magerson Bilibio

Com a presença do candidato à presidência do Grêmio, Romildo Bolzan, o Movimento Grêmio Multicampeão esteve reunido nesta quarta-feira, dia 15, com representantes comunitários dos bairros Farrapos e Humaitá.

Na ocasião, foi apresentado o projeto do Multicampeão de criação de um departamento de Responsabilidade Social no clube, com o objetivo de integrar e potencializar todas as ações sociais do Grêmio, juntamente com o Instituto Geração Tricolor e o Desejo Azul, buscando aproximar mais a instituição da comunidade local.

Evandro Krebs, um dos idealizadores do projeto e integrante do Multicampeão, defende que o Grêmio, a partir da compra da gestão do estádio, anunciada nesta semana pelo presidente Fábio Koff, e da mudança definitiva de toda a sua estrutura para a Arena, estabeleça um canal permanente de comunicação com a comunidade, criando uma pauta comum de interesses convergentes que representem avanços e conquistas para o bairro e para o clube.

- Nesse processo de interação, poderemos, entre outras iniciativas, transformar o entorno da Arena numa espécie de La Boca, um bairro inteiro azul, preto e branco, revitalizado e pulsando Grêmio 24 horas por dia -, projeta Krebs com entusiasmo.

O presidente do Multicampeão, Maichel Mattiello, não disfarça sua emoção diante da receptividade do projeto junto aos moradores do entorno da Arena: “Neste encontro, sentimos brilhar os olhos deste povo, que até então, pudemos perceber, sentia-se um pouco abandonado, apesar de orgulhoso com a chegada do Grêmio. Impressionante a satisfação e o sonho dessas pessoas em consolidar uma relação de parceria com o Grêmio que venha a revitalizar a região e trazer uma nova perspectiva às famílias que ali residem”.

Alexandre Mayer, um dos coordenadores do Multicampeão, avalia que essa comunidade é extremamente organizada e politizada: “Eles estão percebendo que esta relação de unidade terá uma força gigantesca para se buscar, inclusive, soluções para a infra-estrutura dos bairros e que signifique também melhor qualidade de vida para a população”.

Giovanni Forneck, engenheiro e tesoureiro do Multicampeão, já vislumbra várias ações possíveis em curto prazo: “Podemos criar e apoiar escolinhas de futebol na região. Quem sabe até mesmo buscar uma cota social para ingresso na Arena e até estimular que as pessoas dessa área sejam colaboradores temporários nos dias de jogos”.

Depois de manter um diálogo franco e aberto com as lideranças comunitárias, Romildo Bolzan teve reforçado seu propósito de “criar um conceito de integração do Grêmio com os bairros próximos à Arena, com ações sociais em escolas, creches e praças, de forma a firmar um vínculo maior do clube com a comunidade”.

Bolzan acredita que com um trabalho permanente e sólido aos poucos toda a região poderá ser conhecida como o ‘bairro do Grêmio’, com todas as moradias pintadas com as cores do clube. O candidato da Situação adiantou que esse projeto faz parte do seu plano de governo.
‘Um anseio da comunidade’, diz liderança local.

A presidente da Associação de Defesa da Comunidade da Vila Farrapos, Ivone Beatriz Gomes, afirma com absoluta convicção: “Essa aproximação do Grêmio é um anseio da comunidade como um todo. Com a OAS, não havia uma expectativa maior porque se trata de uma empresa que nem é daqui. Já o Grêmio é diferente, e isso já está ficando comprovado. Com o Grêmio nosso poder de reivindicação junto aos órgãos públicos aumenta, o que trará melhorias à região”.

Entre suas metas imediatas, está a realização de ações que envolvam as crianças e o Grêmio. “Imagine um grupo de crianças daqui entrando em campo com os jogadores”, comenta, acrescentando que um de seus sonhos é levar outras práticas de esporte para a associação que dirige, e espera contar com a parceria do clube. “As pessoas acham que nos lugares pobres basta levar futebol, capoeira e percussão. Nós queremos mais”, insiste.

Hiltor Mombach – Correio do Povo

BM usa helicóptero para reforçar segurança em bairro de Porto Alegre

16/10/2014

Suposto toque de recolher no Mário Quintana mobilizou Batalhão de Aviação

BM usa helicóptero para reforçar segurança em bairro de Porto Alegre | Foto: Álvaro Grohmann / Especial / CP

BM usa helicóptero para reforçar segurança em bairro de Porto Alegre | Foto: Álvaro Grohmann / Especial / CP

O Batalhão de Aviação da Brigada Militar (BAv) e o 20º BPM patrulharam nesta quinta-feira o bairro Mário Quintana, incluindo as vilas Safira e Chico Mendes, em Porto Alegre. O objetivo foi assegurar a tranquilidade e reforçar a segurança da comunidade após os boatos de um toque de recolher terem se espalhado e provocado o medo nos moradores e comerciantes.

Um helicóptero da BAv sobrevoou diversas vezes a área, sendo montada uma base aeropolicial, com apoio de uma viatura terrestre, em um campo de futebol localizado na avenida Martim Félix Berta. Já o efetivo do 20º BPM ocupou pontos estratégicos da região. Policiais militares circulavam com as viaturas pelas ruas. Não há prazo para a presença ostensiva da BM ser encerrada.

O comandante do 20º BPM, tenente-coronel Marcelo Tadeu Pita Domingues, afirmou que ainda não foi confirmada a existência efetiva de um toque de recolher emitido por traficantes. Segundo o oficial, a disseminação dos boatos pelas redes sociais, ligações telefônicas e através do boca a boca surgiu após o triplo assassinato na noite de segunda-feira passada. “Ainda não identificamos a origem desses boatos”, observou, confirmando que a comunidade ficou insegura.

Toque de recolher prejudicial para traficantes

Para muitos policiais militares do 20º BPM, que realizavam o patrulhamento na manhã de hoje na área, um toque de recolher seria prejudicial aos próprios traficantes devido à presença ostensiva da BM na região, o que prejudicaria a venda de drogas. A sensação de insegurança fez com que estabelecimentos comerciais e escolas fechassem as portas mais cedo, com medo de novos confrontos. A Polícia Civil também desenvolve ações na área conflagrada.

Correio do Povo

Porto Alegre é líder nacional de roubo e furto de veículos, revela sindicato

15/10/2014

Seguradoras advertem que a cada 100 carros, 1,5% é alvo de ataques na Capital

Lucas Rivas / Rádio Guaíba

Seguradoras advertem que a cada 100 carros, 1,5% é alvo de ataques na Capital | Foto: Vinicius Roratto / CP Memória

Seguradoras advertem que a cada 100 carros, 1,5% é alvo de ataques na Capital | Foto: Vinicius Roratto / CP Memória

Porto Alegre passou a liderar o ranking das capitais com maior número de carros com seguro roubados ou furtados em 2014. No ano passado, a capital era a terceira, atrás de Rio de Janeiro e São Paulo. Um levantamento atualizado, divulgado pelo Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (Sindseg-RS), apontou que a cada 100 veículos, 1,55% vira alvo de criminosos em Porto Alegre. Em 2013, a média era de um carro atacado a cada cem, lamentou o presidente do Sindseg-RS, Julio Cesar Rosa. “Hoje, na frota segurada, que representa 35% da frota circulante, nós estamos com o maior índice de furto e roubo de automóvel do Brasil”, frisou.

Conforme os dados estatísticos do Sindseg-RS, 80% das ocorrências se referem a crimes de roubo e 20% de furto. Desse total, 70% dos ataques ocorrem na zona Norte da cidade. Segundo Rosa, além de a região ser considerada rota de fuga, a maioria dos desmanches de carros também fica nessa área da cidade.

Responsável por parte do policiamento da zona Norte, o comandante do 11º BPM, tenente-coronel Eduardo Biacchi, admite que a incidência de crimes ainda é elevada na região, mas destacou que ações estratégicas já diminuíram, de 13 para quatro, o número diário de ocorrências do tipo. “Estimo que vamos fechar o ano com redução de 20% em relação ao ano passado. Matematicamente, são índices que a gente comemora, mas naturalmente sabemos que muitos roubos seguem acontecendo”, frisou.

Biacchi ressaltou, ainda, que a metodologia utilizada pelo sindicato para contabilizar os crimes é diferente da empregada pela BM. Além disso, ressaltou que os ataques vem diminuindo e que, em 2013, pelo menos 400 crimes – entre roubos e furtos – foram evitados na zona Norte.

Julio Cesar Rosa também salientou que apesar da lei dos desmanches, regulamentada em 2009, só 30% das oficinas clandestinas foram, até agora, cadastradas pelo Detran gaúcho. Para o sindicalista, a adequação da legislação em São Paulo surtiu efeito positivo, diminuindo as negociações de veículos em desmanches.

Correio do Povo

Proibido colar cartazes … #sqn

15/10/2014

Por diversas vezes já falamos aqui no Blog do estado das paradas de ônibus em geral, principalmente dos corredores de ônibus das grandes avenidas, como Protásio Alves, Bento Gonçalves e até da Terceira Perimetral.

Uma das grandes causas da porcalhada em que se encontram é graças aos cartazes que dezenas, centenas de empresas, assim como associações, turmas de escola, etc colam nas estruturas internas das paradas, com o objetivo de atingir milhares de pessoas diariamente que utilizam o transporte coletivo.

Existe uma lei municipal, a Lei Complementar 446, de 2 de maio de 2000, que proíbe a colagem dos tais cartazes.

Pois eis que estou no corredor da Osvaldo Aranha no início da noite de ontem quando vejo que a própria prefeitura, através do Departamento Municial de Água e Esgotos – DMAE comunica a população através de muitos cartazes colados em diversas paradas ao longo da via.

Exemplo é isso !

Não conheço a regulamentação da lei, mas creio que não tenha nenhum tipo de exceção aos órgãos públicos.

Pois vejam as imagens captadas ontem, 14/10/2014:

cartaz-dmae-01

cartaz-dmae-02

Aí depois as paradas estão assim e ninguém sabe por que …

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 5.764 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: