Skip to content

ESQUELETO – Prédio inacabado no centro de Porto Alegre desafia autoridades municipais

18/05/2011

PROBLEMA CINQUENTENÁRIO – Obra sem fim no coração da Capital

Sem autorização para receber moradores, prédio inacabado de 19 andares na Marechal Floriano desafia autoridades municipais

Entre processos judiciais e projetos fracassadas, obra inacabada desde 1956 enfeia o Centro Histórico

Na contramão do processo de resgate do Centro Histórico, um prédio inacabado desponta de forma negativa na paisagem urbana de Porto Alegre. Instalado na Rua Marechal Floriano, o edifício de 19 andares se transformou em um esqueleto que acompanha pelo menos três gerações de porto-alegrenses.

A gênese da dificuldade data de 1959, quando as obras iniciadas em 1956 pararam. As décadas seguintes foram de muitos problemas e batidas policiais, ainda no imaginário popular. São resquícios de uma época em que os atuais moradores e comerciantes garantem ter ficado no passado. Com a transferência dos camelôs da Praça XV para o camelódromo, o local deixou de armazenar mercadorias, dando fim ao vaivém de desconhecidos.

Atualmente, o térreo é ocupado por pequenos comércios. É a única parte do prédio que tem Habite-se. Os três andares superiores são os únicos habitados, por cerca de 20 famílias, incluindo parte da família Figueiredo, que em 1989 adquiriu grande parte da construção inacabada. Foi quando um Habite-se parcial permitiu a instalação de serviços como água, luz e telefone. Do quarto ao oitavo andares, faltam portas, janelas e piso. A partir do nono, há apenas paredes.

– Não é um mar de rosas, mas é melhor que muitos outros lugares no Centro. Aqui, é uma família. Todo mundo cuida de todo mundo. Já deixei tudo aberto e nunca me sumiu nada – conta o vigilante Roberto Dias, 33 anos, ao mostrar o quarto que aluga há nove meses.

Zero Hora

A cronologia
- 1956 – É aprovado junto à prefeitura o projeto de construção da Galeria XV de Novembro
- 1959 – Empreendedores comunicam à prefeitura que não teriam condições financeiras de finalizar a obra. Nas décadas seguintes, várias administrações tentam regularizar o edifício, que nunca recebeu licença de operação
- 1988 – Prefeitura elabora legislação para isentar de IPTU e taxa de coleta de lixo imóveis inacabados que retomassem as obras. O incentivo não surtiu efeito
- 1989 – Irmãos Figueiredo compram grande parte do prédio, negociando a massa falida da incorporadora com um banco
- 1990 – Devido a irregularidades, o prédio sofre interdição
- 1993 – Aprovado um projeto que previa o prosseguimento da obra, mas os trabalhos não recomeçam
- 2001 – Projeto da Caixa e da prefeitura prevê incluir o prédio em programa de moradias populares. A proposta não prospera
- 2002 – Prefeitura entra com ação civil pública solicitando a interdição e desocupação total do prédio. Liminar concede interdição dos andares desocupados, mas garante aos ocupantes se manter no prédio
- 2006 – Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov) vistoria o local e aponta irregularidades na estrutura, como fiação e armaduras de aço expostas e risco de queda da fachada sobre a calçada
- 2007 – Chamado de “QG do Crime” por abrigar produtos ilegais e criminosos, prédio é alvo de batida da Smic e da polícia. É feita a promessa pela prefeitura de transformar o local em moradia para PMs. A proposta não prospera
A capa da ZH de hoje tem como um dos destaques o esqueleto:
Roberto Dias, 33 anos, é vigilante e aluga um quarto com banheiro no primeiro andar há nove meses

Braço direito dos donos, Renato Luz, 67 anos, vive em imóvel de 160 metros quadrados no terceiro andar

Margarida, 80 anos, matriarca dos Figueiredo, vive em apartamento confortável, de frente para a Marechal

Solução passa por acordo na Justiça

O visual do corredor em que vive Roberto Dias e pelo menos cinco famílias se assemelha às galerias de um presídio. Camelôs desgastaram as paredes com arranhões de mercadorias. O quadro é de destruição: paredes e o piso em ruínas, fiação exposta junto ao teto e um fosso de elevador que oferece pouca proteção contra quedas.

ZH percorreu salas e apartamentos dos seis pavimentos ocupados. Só não obteve autorização para conhecer a dependência do primeiro andar em que são produzidos algodões-doces, pois a moradora não queria “se complicar com a Vigilância (Sanitária)”.

Várias salas estavam fechadas com cadeados. Segundo Renato da Luz, 67 anos, braço direito dos Figueiredo e morador de um apartamento de 160 metros quadrados há 15 anos, seriam de moradores em horário de trabalho.

No prédio, o segundo e o terceiro pavimentos se destacam pelas salas amplas transformadas em confortáveis apartamentos. Em um deles mora a mãe dos donos, Margarida, de 80 anos. A ideia dos proprietários é formalizar uma parceria ou vender o prédio, permitindo a conclusão da obra:

– Estou negociando com três empresas a retomada. Tenho convicção de que antes da Copa (de 2014) a obra estará concluída. Só não usa o termo “esqueleto de concreto” porque é pejorativo, me atrapalha – afirmou Sergio Figueiredo, um dos donos, por telefone, desde Torres, onde mora.

Depois de décadas de iniciativas fracassadas (ver quadro), prefeitura e Ministério Público negociam com proprietários e moradores um termo de ajustamento de conduta, mediado pelo Ministério Público. À frente de um processo que corre desde 2002, a procuradora-geral-adjunta do Município, Simone Somensi, quer eliminar riscos de incêndios e de estabilidade estrutural. Depois, seria exigido um paliativo visual: instalar janelas, rebocar e pintar paredes externas e recuperar áreas comuns degradadas.

O prazo estipulado para o atendimento das exigências mínimas (cadastrar todos os ocupantes e elaborar um laudo técnico de estabilidade), no entanto, encerrou-se em 17 de abril.

_________________________________

ISSO É SIMPLESMENTE UM ABSURDO, A GRANDE CICATRIZ ETERNA DE PORTO ALEGRE. Será a grande atração para os turistas da Copa 2014.

About these ads
22 Comentários leave one →
  1. Felipe X permalink
    18/05/2011 10:08

    Eu nunca imaginei que havia apartamentos decentes naquele prédio, como mostrado nas fotos. Mas bem, aquele prédio devia ser é posto abaixo.

  2. Augusto permalink
    18/05/2011 10:15

    Essa é a minha Everland….a terra do sempre.

  3. JULIÃO permalink
    18/05/2011 10:30

    Esse prédio deveria ser desapropriado pela Prefeitura e sua indenização deveria ser usada para pagar as multas por causar poluição visual aos moradores da cidade durante meio século.

    Depois deveria ser repassado a interessados da iniciativa privada, que queiram terminá-lo ou colocá-lo a baixo, para substituir por algo mais bonito.

  4. Ricardo permalink
    18/05/2011 10:39

    Faltou o restante da reportagem, que aborda a solução para o caso (que parece distante, segundo se depreende da leitura).

    • 18/05/2011 10:46

      “Faltou o restante da reportagem, que aborda a solução para o caso (que parece distante, segundo se depreende da leitura).”

      Valeu Ricardo, não tinha visto !

  5. Augusto permalink
    18/05/2011 10:46

    Esse caso será solucionado depois que palestinos e israelenses fizerem as pazes.

  6. Felipe X permalink
    18/05/2011 10:56

    Interessante o trecho da “solução”. O mais bizarro é que ficam discutindo cerejas de bolo e não chegam a conclusão alguma, e o resultado é isso que temos: a pior opção possível para todas partes envolvidas. Ah, meu “braziu”…

  7. Rafael Bortolon permalink
    18/05/2011 10:57

    Se depender da justiça para que alguma coisa concreta seja feita no local, vai demorar anos e mais anos.
    Ou até acontecer uma tragédia e o prédio desabar uma das paredes. Pois um prédio bem cuidado já dá problemas de infiltração e rachaduras, imaginem esse prédio abandonado. É um perigo. Ainda mais no centro da cidade onde milhares de pessoas circulam todos os dias.

  8. Ricardo permalink
    18/05/2011 11:25

    Depois de tantos anos, esse prédio é ainda habitável? Parece que está prestes a ruir. Sou absolutamente ignorante nessa questão, por isso a minha dúvida.

  9. Felipe X permalink
    18/05/2011 11:32

    Rogério, onde estás quando precisamos da opinião de um engenheiro? :P

  10. Terezinha Pereira da Silva permalink
    18/05/2011 11:59

    QUEREM PRIVATIZAR O ESQUELETO, DIGA NÃO À PRIVATIZAÇÃO DO ESQUELETO, O ESQUELETO É DO POVO. SOCORRO SOS POVO. NÃO DEIXEM QUE A ESPECULAÇÃO ATAQUE NOVAMENTE O NOSSO CENTRO. SOCORRO.

  11. portofan permalink
    18/05/2011 13:46

    Esse esqueleto é o verdadeiro símbolo de POA e, não, o Laçador.

    É uma homenagem de POA aos nossos pseudo-ambientalistas e aos nossos políticos com preguiça mental em pensar em iniciativa stransformadoras para a cidade, inclusive para esse esqueleto aí.

  12. 18/05/2011 14:30

    Eu enviei um email a ZH sobre a matéria do arquiteto Marcerlo Gotuzz, sobre culturesquat, com o exemplo da Bronx Academy of Arts and Dance – Bronx, NY

    http://www.portoimagem.com/colunistas/marcelo_gotuzzo.html

    Minha propria sugestao era a seguinte: Em Poa existe muito cultura jovem urbana, hip-hop, grafiteiros e mesmo os pichadores. Porque nao criar nesse prédio um grande centro de artes visando música, dança, artes-plásticas, arte digital, novas mídias, um culturesquat? O próprio carater inacabado do prédio e seu ar decadente poderiam ser atrativos para os membros dessas tribos.

    Se pintassem o prédio todo de branco e deixassem grafiteiros e mesmo pixadores pintarem apenas com preto viraria um ícone da cidade e chamaria a atençao dos visitantes. Por outro lado atrairia a juventude para o Centro, que como como muitos ressaltam, é fundamental para a revitalização da area central. Além disso seria uma maneira de canalizar a criatividade dos pixadores e começar a resolver esse problema de Poa.

    abraço

  13. portofan permalink
    18/05/2011 15:33

    Jorge, não sei se entendi bem a tua idéia.

    Se pintassem todo de branco ou de preto eu acho válido.

    Agora, se virar um “arranha-céu de grafitado”, um “muro da mauá vertical”, daí eu discordo, pois seria só mais poluição visual para a cidade. Até mesmo porque quem visita POA pela 1ª vez não sabe que o prédio está ali parado assim à tanto tempo, pode parecer que apenas ainda está em construção.

  14. JULIÃO permalink
    18/05/2011 16:39

    Ao invés de um prédio todo grafitado, eu encheria de telões com anúncios publicitários a lá “Times Square”, transformando em dia a noite daquele largo.

  15. portofan permalink
    18/05/2011 17:15

    Verdade, Julião!

    Bem mais moderno e bonito!

    Temos que mandar essa mania de grafitar para os quintos dos infernos.

    Só os grafiteiros acham aquilo bonito e chamam de arte. Para mim é uma tremenda poluição visual, usada como desculpa para evitar um mal anterior que eles mesmo fizeram, a pichação pura e simples.

  16. 19/05/2011 1:22

    Pichador não é artista, então ao invés de querer promover essa palhaçada e aumentar a poluição visual deveria haver repressão efetiva contra esses marginais. E o grafite, apesar de não ser a pior coisa do mundo, não revitaliza nada e acabaria só reforçando o aspecto de algo “velho” e negligenciado por tanto tempo.

  17. Joao permalink
    19/05/2011 13:32

    São Paulo demoliu dois prédios no seu Centro para dar lugar a um parque. Não podemos fazer o mesmo?

    Acho q até os eco-chatos iriam gostar. Ou não.

  18. Portofan permalink
    19/05/2011 19:56

    Esse esquelo aí está digno de uma cidade como essa aí:

  19. 19/05/2011 22:02

    Nao passei direito a imagem de um esqueleto branco e grafitado. Tentei encontrar algo parecido já feito, mas nao achei. Sem dúvida teria ser algo de muito bom gosto, para nao ser confundido com a pixaçao normal. Quando procurei predios que foram grafitados encontrei muitos com desenhos coloridos enormes, mas nao gostei e nem acho que ficariam bem ali.

    A idéia é algo simples, pintar o exterior de branco, o que aumenta a luminosidade da área e cobrir por exemplo com letras de vários alfabetos, ícones de informática, etc. em preto e vermelho talvez, para adicionar um pouco de cor. Cobrir nao quer dizer encher, tem que ser algo visualmente bonito, claro.
    Nesse caso chamaria a atenção e ficaria claro que nao é uma simples pixacao, mas algo com cara moderna. Poa é uma cidade que mistura diferentes estilos arquitetônicos. Aliás, um deles, se chama eclético, que num mesmo prédio combina características de diferentes estilos e épocas.
    Isso parece um problema, esses casaroes do sec. XIX do lado de predios feios dos anos 70. Acho que nao adianta mais querer um centro histórico arqueológico, som com coisas antigas. A cidade cresceu dessa maneira, esse é o dna dela. Acho que temos que pegar tudo o que é antigo e bom e preservar, mas combinar com coisas modernas também. Fazer do nosso defeito, a nossa caraterística, melhorando o que temos. Por isso a idéia de uma fachada bem contemporânea, identificada com os joves, no meio do Centro Histórico seria boa. Além disso é simples de fazer, é quase minimalista, se quem fizer tiver bom gosto (claro, estamos imaginando coisas aqui, mas é um bom exercício).

    Por outro lado essa fachada é coerente com a nova funcao do prédio, como centro de artes contemporâneas: hip-hop (que eu detesto…), grafitti, dança, games, arte eletrônica, gibis, moda urbana, etc, tudo que atrai a criatividade da garotada atual …. e com perspectivas de se criar negocios, a partir dessas criacoes.

    É uma proposta barata. A proposta dos anuncios tipo Times Square tem seus problemas (eu discordo, mas nao mando para o quinto dos inferno ….): Primeiro é bem mais caro instalar e manter, talvez até se conseguisse patrocinio, mas o mais importante, isso funcionaria com um centro onde de noite muitas pessoas transitassem. Ninguem vai ao centro para ver anuncios. Se ja tivesse bastante gente no centro por outros motivos, até seria interessante. A proposta de fazer um centro cultural de arte contemporânea (=da gurizada) levaria mais gente ao centro, principalmente a noite, e aos poucos se acustumaria esse publico a frequentar os demais ambientes que se criariam no centro. Claro, nao pode so ter gurizada no Centro, mas eles tem um papel importante nos centros urbanos, dao mais vida aos lugares. Eles estariam mais dispostos a ocupar um centro a noite, principalmente um centro sem muitas opcoes e com os lugares fechando cedo.

  20. RICARDO MENDA permalink
    13/12/2012 0:08

    ACHO BEM INTERESANTE ESTE PREDIO………..INCLUSIVE SUGIRO O TOMBAMENTO

Trackbacks

  1. Rumores sobre o esqueleto do centro de Porto Alegre « Blog Porto Imagem

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 5.695 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: