Museu Iberê camargo sofre por estar isolado

 

Obstáculos até o Museu

Inaugurada em maio, a Fundação Iberê Camargo (FIC), na zona sul da Capital, já foi visitada por mais de 55 mil pessoas. O número supera a expectativa da direção, mas poderia ser maior não fossem as dificuldades no caminho até o museu.

Quem depende de ônibus depara com calçamento irregular e trechos escuros no trajeto da parada até a FIC.

Os ciclistas, atraídos pelo bicicletário instalado no local, não contam com ciclovia. O melhor mesmo é ir de carro. Mas, ainda sim, corre-se o risco de perder a entrada do estacionamento por falta de sinalização.

Ciente das dificuldades de acesso, o superintendente administrativo e financeiro da FIC, Delmar Maciel, garante que está tomando as providências para melhorar as indicações no trânsito. Dois projetos de nova sinalização já foram analisados pela fundação, e as melhorias devem ser executadas ainda neste ano.

As medidas devem facilitar a vida dos visitantes que utilizam o carro, que é a maioria do público, composto também por escolas que agendam visitas. Mas, em relação àqueles que dependem de ônibus, os problemas devem persistir até que se faça uma linha circular e se invista em iluminação, calçamento e segurança.

– É uma luta nossa conseguir um ônibus circular para a região. Para quem retorna ao Centro de ônibus, não recomendamos nenhum caminho até a parada da Pinheiro Borda. Eu mesmo já dei carona a visitantes à noite – conta Maciel.

ZH

_____________________________________

A prefeitura pode, sim, botar ônibus parando em frente ao museu, pode botar sinalização, pode deixar o local uma Suiça de de tão organizado. Mesmo assim, em muitos momentos do dia e da noite o local continuaria a ser um lugar  ermo .

Com a vida que o Pontal do Estaleiro traria ao local, o museu, o Pontal e shopping formariam uma coisa só, com calçadas, vegetação preservada nos entornos, prevista no projeto,  iluminação e, principalmente, vida o tempo todo e circulação de pessoas por toda aquela região.  Algo que um parque puro e simples não traria de jeito nenhum. Vide parque Marinha e vide o   “parque”  que há no local da ex vila Cai-Cai, citado como modelo pelos contra-tudo. Há momentos em que esses parques viram desertos.

Ricardo Haberland



Categorias:Uncategorized

1 resposta

  1. O museu Iberê merece um entorno melhor cuidado. Deveriam ter feito melhorias naquele local antes do Museu estar pronto. Um calçadão descente e uma ciclovia seria o ideal ali, além de obras como o Pontal do Estaleiro e a modernização do Beira Rio.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: