Referendo para Pontal e/ou toda a orla – engodo

Sou contra. Sou contra referendo ou plebiscito para decidir sobre utilização da Orla e também da área do Estaleiro Só.

Por quê?

Em primeiro lugar, a área do Estaleiro Só é uma área privada (sempre foi), e foi adquirida para fazer empreendimento privado, sem ônus para o poder público. Este trecho da orla tem dono. E assim deve ser respeitado. Vivemos em um país comunista ?

Segundo lugar: a população em geral não tem condições e conhecimentos necessários para decidir algo tão importante para a cidade. Deve-se sim, ser criado grupo de trabalho multidisciplinar para estudar a melhor utilização de toda a orla da cidade, que encontra-se atualmente jogada aos ratos e baratas. E aos matos, sem qualquer acesso qualificado da população a este ambiente tão bonito e descuidado. Este grupo de trabalho pode começar a estudar o destino da orla pelo já existente Relatório Orla, desenvolvido desde 1999 por técnicos da Prefeitura, coordenados pelo Arquiteto Marcelo Allet.

Entregar para referendo será destinar a orla aos cuidados de pessoas não preocupadas com a cidade, ou com sua população e somente a interesses partidários e ideológicos. Isto me preocupa. A cidade não merece tal tratamento. A cidade merece seriedade, estudo e desenvolvimento para geração de renda e empregos, além de fomento ao seu turismo, que é praticamente inexistente. A orla terá especial participação para o desenvolvimento futuro de Porto Alegre.

Prefeito, cuidado para não entrar para a história de forma negativa. Cuidado!

O plebiscito seria um grande engodo patrocinado pela Prefeitura e pela Câmara!

 

Gilberto Simon



Categorias:ORLA, Pontal do Estaleiro

Tags:, , , ,

4 respostas

  1. Concordo: urbanisticamente Porto Alegre é a capital mais parada do país.

    Curtir

  2. Por isso tudo, urbanisticamente Porto Alegre é a capital mais parada do país.

    Curtir

  3. Sexta passada fui a trabalho no Hipódromo do Cristal, num dos predios no quinto andar, e diga-se de passagem, tb se encontra entregue ao descaso. A vista de cima é bem interessante tanto de dia quanto a noite. Ao contemplar o belo Barra shopping, com belos coqueiros e outras espécies de árvores no seu entorno, ve-se ao fundo as ruinas do Pontal…, Antes porém, ao passar do lado do Pontal, deu vontade de chorar ao ver esse pedaço de terra tao abandonado, feio, nojento, deve ser a cara dos ecoxiidiotas, isso mais lembra uma catástrofe como Chernobyl, cidades em ruinas apos guerra como Bósnia etc…, garanto que nem em Cuba nao se encontram mais lugares assim tao feios. Que se pensar de um povo assim? Que se pensar de um prefeito que deixa essa situaçao como esta? Será que ele tem tão pouco conhecimento de urbanismo que nao pode imaginar uma obra linda nesse logal que hoje é uma ruina? Porque os ecoxiitas ja nao começam a fazer campanha contra os estádios do Gremio e do Inter? Isso poderá vir a ser a única soluçao para todos os problemas que eles causam, levando em conta que existem muitos torcedores fanáticos por seus times, tb querem ver suas estruturas renovadas e mais belas. como o nosso futebol merece. Se eles se sentirem ameaçados, com certeza darão um jeito nos xiitas…, porque ai serão milhares de torcedores contra esses ecopatas. Temos essas opçoes, ou vosso prefeito toma coragem e enfrenta essa gente aprovando todas essas obras sem consulta popular, olhando apenas para o bem de toda cidade, nao apenas beneficiando a menoria, ou deixe o cargo para alguem que realmente faça Porto Alegre uma cidade mais bonita., ou entao o RS tentar uma separaçao do resto do Brasil como tanto alguns desejam, ai então o Brasil nao precisa mais se envergonhar do RS, porque como está: ISSO É UMA VERGONHA!!!

    Curtir

  4. Gilberto,

    Há que se atentar para as diferenças entre “plebiscito” e “referendo”. No primeiro, o que está sendo votado ainda não está na forma de lei (e.g. plebiscito forma de governo, 92). No segundo, a lei já está escrita e sua ratificação é entregue ao povo (e.g. referendo proibição do comércio de armas, 2005).

    Isto posto, eu creio que um REFERENDO seja aceitável, se, e somente se, a campanha for limpa e todos souberem o que está sendo votado. No período que antecedeu/sucedeu a votação na câmara, não foi isso que aconteceu. Vimos o Correio do Povo arder contra os “espigões”, quando o que estava sendo votado era a mera liberação da área para o uso residencial, seguindo preceitos urbanísticos modernos (i.e. incompatíveis com o pensamento provinciano daqui).

    O CP, em nenhum momento, informou que a lei existente JÁ PERMITIA a ocupação da área para outros fins. Esses outros fins poderiam até incluir espigões comerciais ou shoppings, caso o EVU (estudo de viabilidade urbanística) permitisse. Se isso estiver bem claro durante TODA a campanha, e distorções do assunto forem controladas pela justiça eleitoral, não vejo problema.

    Claro, do meu ponto de vista, a matéria em si é muito pequena para justificar uma consulta ao povo. A câmara votou somente a permissão para que se construa residências numa área minúscula. Porque diabos querem ter todo um gasto e uma burocracia votando isso? No final das contas, seja qual for o resultado dum eventual referendo, o empreendedor vai poder tocar seu projeto (com ou sem residências), ou seja, o parque verde comunitário blabla que os esquerdopatas tentam vender como alternativa NÃO VAI SAIR.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: