OSPA NO PARQUE – Falta pouco para a nova sede

 

ospaA Fundação Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Fospa) poderá começar em breve a construção de sua nova sede ao lado da Câmara Municipal, no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, conhecido também como Harmonia. O projeto aguarda o Estudo de Viabilidade Urbana (EVU) da prefeitura para sair do papel.

As datas para realização da obra dependem das aprovações da administração municipal, mas o presidente da Fospa, Ivo Nesralla, estima que a resposta seja dada no final de fevereiro ou no início de março.

Com o objetivo de esclarecer dúvidas e acolher sugestões que serão analisadas para o parecer final da licença prévia do projeto, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam) realizou uma consulta pública no dia 29 de dezembro. No encontro, que teve a presença de 60 pessoas, foi apresentado o Relatório de Impacto Ambiental da nova sede.

Superadas as discussões sobre a localização da nova sede – cotada primeiramente para um espaço no Shopping Total, no bairro Floresta, mas rechaçada pelos moradores do entorno, em 2003 –, e os trâmites na prefeitura, Nesralla prevê mais uma questão a contornar para a edificação.

– Estamos em uma época difícil. Com a crise, as empresas estão retraídas. O tempo de construção dependerá do apoio de companhias, mas vamos fazer de tudo para tocar o projeto – prevê o presidente da entidade.

Em uma área de 5 mil metros quadrados e com investimento estimado em R$ 36 milhões, a sala sinfônica deverá ter capacidade para 1,5 mil pessoas. Como compensação para os vegetais removidos, devem ser doadas 127 mudas ao Viveiro Municipal. Nesralla observa que moradores do entorno não serão incomodados pelas apresentações, pois a sala terá isolamento acústico, e lembra que grandes cidades, como São Paulo, contam com teatros em parques.

Segundo a arquiteta Luzia Valmorbida Rodrigues, uma das responsáveis pelo projeto, seria o primeiro prédio institucional em Porto Alegre a ser erguido dentro dos requisitos do green building – prevendo reaproveitamento de água, energia solar e telhado verde.

Mesmo com as autorizações, ambientalistas e moradores do Centro se preocupam com a instalação do prédio no parque.

– Não sou favorável. Já está tudo aprovado, são favas contadas. Mas os eventos terão impacto na área. Como ficará nossa região? – questiona João Helbio Carpes Antunes, da Associação de Moradores do Centro de Porto Alegre.

Zero Hora

__________________

Eles não se deram conta de que o prédio da OSPA não ficará no PARQUE e sim fora do Parque. Aquela área NÃO É PARQUE. Ela já foi destinada a construção de prédios ali, seja da administração pública, ou qualquer prédio ligado ao governo. O Parque copmeça ali perto, tanto que foi cercado e a cerca não atinge esta parte. Gente ignorante !



Categorias:Outros assuntos

Tags:

5 respostas

  1. Analisando os pareceres de viabilidade, feito pro proficionais da área do Meio Ambiente e Arquitetura entre outros, certamente o intuito da construção do Teatro é viavel!

    1° – Trará para Porto Alegre eventos de MÚSICA, diferentemente dos bailes Funk tradicionais e problemáticos à toda sociedade.

    2° – Serão eventos muito bem estruturados e organizados.

    3° – A área terá todo suporte necessário para eventuais transtornos no sistema de tráfego.

    4° – As árvores no entorno, tipuanas entre outras serão poupadas na medida do possível, tendo o menor impacto ambiental e segurando que será compensado com novas árvores nos locais previstos em lei.

    5° – Sem dúvida é será uma ótima oportunidade de Porto Alegre crescer ainda mais, pois a MÚSICA salva vidas, tira os moleques do asfalto, cria-se espectativas, sonhos, alegrias, então quem é contra me desculpe mas, você é um podre infeliz que entregou-se de corpo e alma na mesmice da vida, ACORDE!

    Jonas Lumertz, futuro técnico em Meio Ambiente de Porto Alegre

    Curtir

  2. Eu tenho VERGONHA de Porto Alegre nesses momentos. Que cidade com mentalidade atrasada ! Que HORROR !

    Curtir

  3. Pois é, mais uma vez os contra tudo se levantam… Parece que esta vez são minoria absoluta, mas mesmo assim, não deixam de nos envergonhar…

    Infelizmente em Porto Alegre só se tem certeza que uma obra vai realmente sair, depois que iniciam… Virou a cidade do só acredito vendo… Tudo graças a essa corja que é contra tudo e lamentavelmente tem espaço e uma grande força política… ~

    Não é atoa que eles conseguiram o impensável, fazer com que o prefeito mandase o Pontal do Estaleiro para consulta popular… Só numa cidade muito, mas muito atrasada que alguém vai dar ouvidos a um bando de desocupados que nada fazem a não ser paralizar a cidade…

    Por essas e outras, só considero como certa a obra da OSPA quando realmente começarem… Até lá fica esse terrorismo e incerteza…

    Lamentável

    Curtir

  4. Sim, o público normalmente em espetáculos da OSPA é muito diferente de carnaval. É formado por pessoas que apreciam a música classica, e tem condições de entrar em um local como ersse. Não que eu pregue a elitização da cultura, nao é isso, mas nao tem nada a ver esta preocupação deles. O carnaval traz milhares e milhares de pessoas, acima de 10 mil, ali serão no máximo 1.500! Boa opinião fmobus !
    Fora que a área merece uma revitalização, ainda masi noturna. Será mais tranquilo passar por ali. E os espetáculos realizados dificilmente passarão das 23 ou 24h. Não terá baderna. São muitos os pontos positivos, inclluindo a sensacional arquitetura do prédio, com muito vidro e bom gosto !
    Parabéns Porto Alegre, por ganhar um teatro deste nível, que será uma das 7 únicas salas sinfônicas deste gabarito NO MUNDO ! Mais um item que colocará Porto Alegre no mapa cultural do planeta.

    Curtir

  5. Na verdade, eles parecem se preocupar com a movimentação excessiva de pessoas na área em dias de evento, reminiscências da época em que o desfile do carnaval era realizado na região. Ora, eles esquecem que:

    1) o público envolvido é bem menor: 1500 pessoas não são suficientes para fazer tumulto, ainda mais numa área aberta como aquela; prova disso são os repetidos shows na área imediatamente ao lado do gazômetro
    2) o público é bem diferente
    3) em verdade, a circulação já é semelhante em finais-de-semana de tempo bom, e eu não os vejo reclamar
    4) e, por fim, movimento de pessoas a noite, causado pelos eventos, é BOM para a vizinhança, pois movimento sempre implica em segurança.

    Enfim, pra variar, é o protesto de mais um contra-tudo de Porto Alegre. Nada de novo.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: