Andrade Gutierrez quer fazer obra do Beira-Rio

Construtora já elabora projeto para adaptação do estádio para Copa 2014

Treiguer também prioriza investimentos em PPPs. Foto: Claudio Fachel/JC

Treiguer também prioriza investimentos em PPPs. Foto: Claudio Fachel/JC

A construtora Andrade Gutierrez, cujo grupo possui também negócios em telecomunicações e concessões de serviços públicos, é um dos fortes candidatos a executar a remodelação do estádio Beira-Rio para a Copa do Mundo de 2014. A empresa, que tem a seu favor a construção e recente reforma do Maracanã, no Rio de Janeiro, entrega nas próximas semanas o estudo de viabilidade da reforma na arena colorada, que deve envolver um investimento de cerca de R$ 150 milhões – metade será consumida apenas pela cobertura. O clube previa gastos entre R$ 100 milhões e R$ 130 milhões, mas a atualização de custos elevou o orçamento. A obra deve ser concluída até dezembro de 2012 para assegurar as instalações exigidas pela Federação Internacional de Futebol (Fifa) para a Copa das Confederações. O time gaúcho cumpriu até agora os cronogramas acertados com a Fifa. A meta é começar a reforma em janeiro de 2010. Os primeiros pilares para sustentar a futura cobertura já foram erguidos em frente ao museu do clube. A direção colorada aposta em uma linha de crédito com custo mais baixo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) para financiamento, segundo o vice-presidente de patrimônio, Emídio Marques Ferreira. A Andrade Gutierrez também se habilitou à primeira Parceria Público Privada (PPP) com o Estado na área de saneamento. Autorização para modelar expansões de tratamento de esgoto na Bacia do Rio Gravataí já foi emitida pelo governo. O contrato deverá ser firmado com a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), revelou o diretor comercial da empreiteira no Estado, Leonardo Salvaterra Treiguer. Outra promessa de PPP envolve a construção da RS-010, na Região Metropolitana, e é capitaneada pelo grupo Odebrecht. Uma vantagem para a preparação do Beira-Rio rumo ao Mundial é o cumprimento de prazos. O estudo para a reforma ficará pronto em outubro. “A arena terá padrão europeu”, antecipa o diretor. A contratação da Andrade Gutierrez ocorreu em maio deste ano pelo clube, sem custo. O trabalho é avaliado em R$ 1,5 milhão. “É um contrato de risco. Se não formos os escolhidos, a despesa será paga por quem for fazer a obra”, explicou Treiguer, que considera grandes as chances de a construtora realizar o projeto. No plano que está sendo desenhado, a empresa pretende indicar alternativa de uma instituição para assegurar recursos e fazer a gestão dos pagamentos. A medida é preventiva e eliminaria qualquer risco de atraso no ingresso de recursos da venda de camarotes e do imóvel do antigo estádio dos Eucaliptos, que serão as fontes de pagamento. O Inter ainda não efetivou nenhuma das duas captações. Treiguer ressaltou que a presença de um investidor ou um agente financiador – não está definida a melhor opção – serve para garantir fluxo de caixa. “Não podem ocorrer atrasos no cronograma por falta de dinheiro”, reforça. O vice-presidente de patrimônio do Inter garantiu que a campanha de venda de camarotes a associados sai até o final do ano. Ferreira diz que já há lista de interessados e indica que até a posição do clube no Campeonato Brasileiro pesará para o êxito da ação. Já o leilão do imóvel depende da solução de impasse judicial. O vice-presidente prometeu “limpar” o problema até dezembro. Além da possibilidade de crédito mais barato do Bndes, o dirigente cobra as isenções de impostos federais e estaduais, que derrubarão os custos da reforma.

OAS espera aporte do Bndes para iniciar Arena Tricolor

Já para a largada da construção da nova Arena do Grêmio, no bairro Humaitá, o aporte do Bndes será decisivo. O grupo OAS negociou a implantação do novo estádio em troca da área do Olímpico, no bairro Azenha, e de exploração de restante de terreno na futura sede, na zona Norte. Eduardo de Souza Pinto, que coordena o projeto no Estado pela OAS, informa que 45% dos recursos seriam captados com a instituição. A expectativa é por uma linha especial para a Copa. A nova Arena Tricolor é orçada em R$ 310 milhões a R$ 350 milhões. Todo o complexo, que prevê ainda shopping center, hotel, centro de eventos e residenciais, é calculado em R$ 1,4 bilhão. “Queremos começar a erguer o estádio em julho de 2010 para finalizar até final de 2012”, projeta Pinto. O estádio oficial do mundial é o Beira-Rio. O do Grêmio, se for concluído, servirá para preparação de seleções.

Jornal do Comércio, 13/10/2009



Categorias:COPA 2014, Grêmio e Inter

Tags:,

1 resposta

  1. “O estádio oficial do mundial é o Beira-Rio. O do Grêmio, se for concluído, servirá para preparação de seleções.” SE FOR CONCLUIDO? POR QUE SEMPRE DUVIDANDO DO LADO DO GREMIO? E O INTER QUE AINDA NAO TEM DA ONDE TIRAR O DINHEIRO PARA COMEÇAR A COBERTURA QUE TANTO FALAM. OS DOIS AINDA ESTAO NA MESMA, MEROS PROJETOS. PENA QUE NAO SAO IMPARCIAIS. DEVEM SER MUITO COLORADOS. NÃO ACHEM QUE O BEIRA RIO DO JEITO QUE ESTA PODERÁ RECEBER JOGOS, TEM QUE MUDAR MUITA COISA. MAS DA ONDE VAO TIRAR O DINHEIRO EU NAO SEI

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: