Uma capital que deseja evoluir e ficar melhor

Embora esse blog seja de Porto Alegre, essa matéria é pertinente, pois trata de mais uma capital brasileira que deseja sofrer um verdadeiro upgrade: se reinventar, melhorar, ousar, agir, mudar.

A cidade em questão é Brasília, que deixou o orgulhosismo de lado e chamou Jaime Lerner, o autor de outra grande reinvenção brasileira, em Curitiba.

Cinqüentona, Brasília terá reforma geral

Às vésperas de completar 50 anos, Brasília está prestes a passar por uma revolução urbana. Será a maior intervenção na capital da República desde que as linhas de Lucio Costa e Oscar Niemeyer saíram da prancheta e ganharam forma no planalto central do país. Mas sem alterar a proposta original do Plano Piloto, considerado patrimônio cultural da humanidade.

 Um projeto saído da prancheta do arquiteto Jaime Lerner, também ele transformado numa referência mundial em planejamento urbano, depois de converter a cidade de Curitiba  em sinônimo de qualidade de vida, em meados dos anos noventa.

A intervenção urbana é profunda porque não vai se limitar ao Plano Piloto de Brasília, assim conhecidas as duas asas (Norte e Sul) e os bairros residenciais chiques Lago Sul e Lago Norte. A idéia é integrar Brasília e suas cidades-satélites a partir de uma via urbana chamada de Interbairros – não por acaso, o mesmo nome e modelo adotado em Curitiba. Em torno dela e nas bordas das áreas verdes e dos lagos é que devem surgir novos aglomerados urbanos. Na estimativa de Jaime Lerner e do governo de Brasília, a cidade deverá somar mais 300 mil habitantes à sua população.

“Hoje, nas grandes cidades, o problema principal é reduzir ao máximo o número de veículos”, disse Niemeyer ao Valor, por e-mail. Segundo ele, é isso o que Lerner pretende alcançar ao criar “um sistema de transporte coletivo tão eficiente e econômico que em pouco tempo será aceito pela grande maioria dos seus habitantes”. Para Niemeyer, “quem examinar o seu projeto verificará como o traçado adotado para o novo sistema de circulação é simples e lógico, servindo a todos em qualquer ponto da cidade”.

A avaliação básica de Lerner é que ocorre um esvaziamento paulatino do Plano Piloto e a ocupação espontânea cresce “afastando as funções de vida e trabalho, essenciais a uma boa tessitura urbana”. O eixo de articulação será a avenida Interbairros, às margens da qual devem surgir aglomerados (bairros) verticais – Brasília, especialmente o Plano Piloto, é uma cidade virtualmente horizontal – com 12, 15 e até 18 pavimentos.

“Originalmente, a Interbairros seria uma rodovia”, diz o secretário de Obras Cássio Taniguchi, também ele, a exemplo de Lerner, um ex-pefelista que governou Curitiba. “Mas ela tinha que ser uma via urbana, até porque faz a ligação entre o Plano Piloto e as cidades-satélites, sua característica é urbana – mesmo que ela seja paralela ao metrô, junto às estações dá para fazer grandes complexos habitacionais, de serviços, geração de emprego e renda. Esse é o conceito dessa via Interbairros: ela tem que ter adensamento e ocupação.”

Na apresentação que escreveu do projeto, Jaime Lerner explica:

A maior intervenção de Lerner no projeto original de Lúcio Costa será na W3 Sul. Na realidade, as obras se estenderão até o início da W3 Norte e se constituirão fundamentalmente na construção do VLT, ou “bonde moderno”, como diz Taniguchi. Em frente ao shopping Pátio Brasil, talvez a área onde é maior o conflito entre o trânsito e o pedestre, a idéia é criar um grande calçadão (Curitiba também tem o seu) – só o VLT circularia por cima, pois o projeto prevê a construção de um túnel para o trânsito de veículos, nessa área. Algo parecido será construído no início da W3 Norte, em frente a outro shopping center.

Até 2014, o projeto prevê a extensão do VLT para o restante da Asa Norte e para um dos cartões postais de Brasília – o Eixo Monumental, para os brasilienses, a Esplanada dos Ministérios, como é mais conhecida do restante do país, tendo num dos extremos a sede do governo do Distrito Federal (que há um ano já se mudou para uma cidade-satélite) e no outro o Palácio do Planalto, as cúpulas invertidas do Congresso e seus anexos na forma da letra “H” e o prédio do Supremo Tribunal Federal. No lado local fica o estádio Mané Garrincha, que o governador quer reformar para oferecer como palco para jogos da Copa do Mundo de 2014.

A idéia por trás da revitalização da W3 Sul é recuperar antigas atividades de animação que caracterizavam a avenida, quando a cidade foi inaugurada. Para uma cidade que vive sobre rodas, a falta de locais para estacionamento fez minguar a avenida W3. O comércio migrou para as entrequadras, que deveria ser vicinal, que passaram a enfrentar os mesmos problemas. O governo pensa em oferecer incentivos de natureza tributária para restaurantes, por exemplo, mudarem-se para a nova W3, com seus boulevards, bonde (VLT), estacionamentos subterrâneos e tubos como pontos de ônibus no melhor estilo curitibano.

Fonte: ABIN –  Agência Brasileira de Inteligência

Veja o texto completo em http://www.abin.gov.br/modules/artic…le.php?id=2137



Categorias:Outros assuntos

Tags:, , , , , , , ,

1 resposta

  1. São Paulo será 6ª cidade mais rica do mundo até 2025, diz ranking. Porto Alegre entre as 150 com maiores PIBs: http://bit.ly/2uhoWQ @vitordiel

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: