Praça da Alfândega será fechada para restauração nos próximos dias

Reforma dará clima nostálgico à Alfândega


Foto: Correio do Povo

A Praça da Alfândega vai ser fechada, a partir dos próximos dias, por um motivo bastante especial: é que o Programa Monumenta começou a executar o serviço de restauração no espaço histórico do Centro, o qual foi caminho para o desenvolvimento de Porto Alegre, perto do final do século XVIII. Naquele tempo, a Alfândega registrava a chegada das pessoas e mercadorias, que aportavam no cais do Guaíba e faziam prosperar a recém nomeada Capital do Estado. A obra, que vai custar R$ 2,9 milhões, deverá ficar pronta até novembro para acolher a Feira do Livro, numa atmosfera ainda mais nostálgica e romântica que a habitual.

Conforme a arquiteta Briane Bicca, coordenadora do Monumenta em Porto Alegre, a ideia do projeto é resgatar uma aparência mais próxima da original, preservando as mudanças ocorridas ao longo da história. Ela se refere a patrimônios da cultura gaúcha e peças de arte como a fonte sob o monumento equestre do General Osorio – instalada em 1935 para celebrar o centenário da Revolução Farroupilha – e também a menos antiga escultura do bate-papo entre os poetas Mario Quintana e Carlos Drummond de Andrade, de Chico Stockinger, artista plástico nascido na Áustria, que trilhou em Porto Alegre sua vida criativa até o ano passado, quando morreu, aos 89 anos.

Na última semana, quem circulou pelo local já assistiu ao avanço do trabalho. “Estão sendo colocadas as estacas que vão sustentar os tapumes da obra”, explica a arquiteta Doris de Oliveira. Segundo ela, a cobertura vai ocultar provisoriamente o embelezamento dos espaços centrais da praça, entre as avenidas Siqueira Campos e a Sete de Setembro, e depois até Rua dos Andradas. “Os canteiros vão recuar e o passeio será ampliado”, conta Doris. A arquiteta revela ainda que o mobiliário será restaurado e que banheiros, engraxates, bancas de artesanato e de revistas serão realocados.

Uma outra modificação, que já pode ser vista, é a recuperação do pavimento de paralelepípedos da avenida Sepúlveda, entre a Praça da Alfândega e a avenida Siqueira Campos, que estava coberto por asfalto. A calçada histórica, construída com pedras portuguesas, foi realinhada, entre os prédios do Margs e do Memorial do Rio Grande do Sul, onde funcionava a antiga sede dos Correios & Telégrafos. O nivelamento dos ladrilhos segue até a Rua dos Andradas, onde vai ser restaurado o desenho de “ondas”, semelhante ao do calçadão da praia de Copacabana, no Rio de Janeiro.

Na continuação do projeto, o Monumenta vai remodelar o trajeto da rua General Câmara, a velha Rua da Ladeira, até a Praça da Matriz, concluindo a ligação entre dois dos principais ambientes históricos da Capital. Essa etapa vai custar cerca de R$ 2,3 milhões. Ambos são investimentos públicos, provenientes do caixa municipal e de empréstimo internacional ao Ministério da Cultura.

Fonte: Luiz Dibe/Correio do Povo

_________________________

Gostaria de questionar este tipo de reforma. Por que será que em Porto Alegre sempre há essa super valorização do passado ? Por que não criar no local uma praça moderna, com um GRANDE chafariz, aproveitando os monumentos que já existem e fazer uma nova urbanização, moderna, com um calçamento moderno? Por que sempre tem que ser resgatando o passado? Estive conversando com o renomado arquiteto Osório Queiroz Jr. e ele me falou também desta situação que existe em Porto Alegre. Ele pensa que seria muito mais proveitoso reformar, melhorar a praça em todos os sentidos, modernizando-a. Outra coisa que ele fala é o fato de, se a praça continuar sem algo que a mantenha viva, ela vai continuar sendo a mesma praça dos marginais com prostituição e sem segurança alguma. Será que esta reforma alardeada como excelente, vai resolver este tipo de problema ? Ou teremos uma praça bonita, bem cuidada, por algum tempo, algumas semanas, ou até alguns dias. e depois ficará como todas as outras praças da cidade, abandonada ? Estas perguntas deixo para reflexão.

Gilberto Simon



Categorias:Revitalização do centro

Tags:,

2 respostas

  1. Gilberto, permita-me discordar.
    O passado é o melhor de Porto Alegre. E de qualquer cidade.
    Basta dar uma viajada, nem precisa ir tão longe, pra Montevidéo ou Buenos Aires. Em Caracas mesmo onde estive recentemente, as áreas históricas são lindas e remetem a um fascínio que deixa turistas embasbascados.
    Eu sou a favor de sempre manter a história de uma cidade e de um povo.
    Estava revendo as fotos de NY que estavam engavetadas e percebi que a maioria, a grande maioria foi batida em frente de monumentos, prédios e lugares históricos. Também tenho em frnete a edifício envidraçados, partes modernas, mas o melhor de NY é sua história construída.
    Eu sou a favor de novas obras e essas sim, modernas. Mas as que já existem e que remetem a história da cidade,e ssas devem ser preservadas e restauradas.
    Praças e Parques nunca são demais. Acho que sim, os próximos e mesmo os que suirgirão com o Cais e projeto da Orla pra Copa, esses sim precisam ser conteporâneos ou a frente do nosso tempo.
    Senão seriam FAKES.
    Mas concordo que, de nada vai adiantar qualquer tipo de reforma se aquilo continuar moradia de mendigos e pontos de drogas e prostituição.
    Agora que moro perto, sempre que posso, caminho pela região e vejo o tamanho do potencial se fosse valorizado como é em Buenos Aires.
    Só falta boa vontade política.

    Curtir

  2. E vai ter segurança? Uma vez um delinquente me deu uma calçada no meu pé que eu fiquei uma semana mancando. Pra variar, não tinha nenhum policial à paisana!

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: