Abertura da Ramiro pode ser mantida

Rota Leste-Oeste devolvida à cidade

O cruzamento da Rua Ramiro Barcelos com a Avenida Protásio Alves foi reaberto na manhã de sábado em função de obras do Departamento de Esgotos Pluviais (DEP) na Avenida Venâncio Aires. O serviço tem conclusão prevista para 31 de julho, mas técnicos da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) estudam manter a alteração caso ela melhore a circulação na via e na região.

Cavaletes foram colocados para impedir o estacionamento no lado esquerdo da Ramiro Barcelos, entre a Protásio e a Independência, deixando a via com três faixas. A mudança dificultou a travessia de pedestres na Ramiro, após a Protásio.

– Está um pouco confuso. Talvez a faixa de pedestres tenha de ser colocada um pouco mais à frente na Ramiro – comenta Antônio Barth, 57 anos, morador da região.

Outro ponto de preocupação da EPTC é o cruzamento com a Avenida Independência. Antes da medida ser adotada, houve adaptações para permitir três faixas de trânsito junto à Praça Júlio de Castilhos.

– Talvez esteja aí um ponto para o sucesso dessa medida – explica o secretário de Mobilidade Urbana e diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari.

Novas mudanças devem ser implementadas na região em função de obras no Túnel da Conceição. Obras na Osvaldo Aranha indicam a possibilidade de inversão de mãos na Santo Antônio e na Garibaldi. Também está em estudo a abertura da Pinheiro Machado. A EPTC debateu o assunto com moradores e realiza simulações do tráfego com três alternativas: via fechada, aberta em mão única e aberta em dois sentidos. A possível mudança na rua faz parte das medidas compensatórias pela construção do Shopping Total. – Relato de Carlos Augusto Piccinini, 25 anos, estudante e morador da Ramiro Barcelos

 “A expectativa com a abertura do cruzamento é de que o trânsito desafogue. A Ramiro tem sido uma das saídas da cidade *. Não acho que vai mudar muito a movimentação, a ideia é mais que possa desafogar o trânsito. Talvez complique um pouco pelo fato de o estacionamento não ser permitido em um dos lados. Vai incomodar quem tem carro, mas esse é um problema bem menor.”

 – Relato de Eduardo Lanna, 63 anos, engenheiro e morador da André Puente

“Na esquina da 24 de Outubro com a Ramiro, afunilam carros. O que tem de ser feito é desviá-los, com outra alternativa de saída. O problema é sistêmico, não localizado. O trânsito é uma coisa de fluxo geral da cidade. Quando resolvemos um problema, criamos outro, em outro local. O que resolverá os problemas da zona central é uma visão mais global, que melhore o transporte público e dê alternativas para que as pessoas não saiam de carro de casa.”

 Zero Hora

_________________________________________________

*  Sim, essa é uma rota de saida da cidade, que conta até mesmo com a relativamente nova abertura entre Voluntários e Castelo Branco.  Essa era a proposta que motivou inclusive a construção de um viaduto num pacato bairro (face grandes avenidas que precisam desesperadamente de um, e não têm), o viaduto da Vasco da Gama, tornando possível (agora) ir direto da Bento Gonçalves até a Castelo Branco.  Lembrem-se das sextas-feitas de verão, e lembrarão que o Centro e o viaduto da Conceição param por causa de milhares de carros rumando às praias, porque eram praticamente obrigados a irem todos pelo Centro.

RicardoH



Categorias:Outros assuntos

Tags:, , , , , , ,

1 resposta

  1. Moro ao lado da Ramiro Barcelos e percebi que já melhorou e muito a circulação pelo local só pelo fato de impedirem o estacionamento de um lado da via.

    Muitos, na academia onde frequento na Ramiro, reclamaram da falta de local para estacionar. Mas cabe as pessoas mudarem seu comportamento, utilizando mais transporte público. E quem quer utilizar carro, que pague estacionamento.

    Só acho que a EPTC terá que colocar mais faixas de segurança, pois ficou difícil para o pedestre atravessar a rua.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: