Não tentem justificar nossa vergonhosa cultura de vandalismo

.

Acontece o terceiro ataque às obras do Cow parede de Porto Alegre

A vaca “Mecanicow”, do artista Marcos Torres, foi o mais novo alvo de vandalismo em Porto Alegre. Depois de  uma das estátuas deseparecer  e outra   sofrer uma tentativa de incêncio, foi a vez da Mecanicow ser pichada, na Avenida Edvaldo Pereira Paiva, perto do Anfiteatro Pôr-do-Sol. A obra foi limpa pela organização do evento ainda na manhã de hoje.

Zero Hora

_____________________________________________

Blog do Davi

Domingão de sol e, por toda a cidade, as pessoas estacionavam seus carros e desciam para tirar fotos com as vacas da cow parade. As crianças montavam nas vacas, os pais riam, foi bonito de ver as pessoas se relacionando tão amistosamente com o lugar em que vivem. Porto Alegre ficou mais alegre com a exposição.

Mesmo assim, em poucos dias, uma vaca foi roubada (e depois devolvida danificada), outra tentaram queimar, outras duas foram pichadas.

Porto Alegre, a cidade da Feira do Livro e do Em Cena, é também a  capital da falta de educação.

O resto do Brasil, preconceituosamente, acha que os gaúchos são grossos.

Alguns preconceitos têm razão de ser.

 

________________________________________________

 Tradições da terra

 Avacalhação com a cidade faz parte da cultura porto-alegrense

A capital com um dos melhores índices sociais do país, e a que se auto intitula como a mais politizada, mostra ao mundo uma educação muito pior do que cidades com muito mais mazelas e pobreza que ela.

Nada justifica o vandalismo em grau inédito que a Cow Parade está sofrendo em Porto Alegre. Já vi Cow Paredes em outras cidades. Em todas as cidades do Brasil também haviam estátuas em lugares vazios e ermos, e nem essas sofreram ataques de falta de educação como na capital gaúcha.  Não tentem encontrar explicações para justificar os hábitos de avacalhação que assistimos  por toda a cidade, já que cidades com pobreza muito maiores não têm esses hábitos na magnitude que temos aqui.

Cai como uma luva um comentário que fiz tempos atrás:

“Não gosto de ser injusto com a cidade, de criticar por prazer, sem fundamento. O que é bom eu reconheço.  Já andei por algumas capitais, e observo muitas coisas. Já constatei, por exemplo, que o atendimento em serviços em Porto Alegre é dos melhores. Aqui somos bem atendidos nos ônibus, nas lojas, nos táxis, etc. Mais: de longe, aqui temos os melhores supermercados do país, em todos os sentidos. São os mais bonitos, os com menos filas, e o atendimento é bom.  Fora daqui, sinto falta dos nossos ótimos – e únicos –  supermercados. Estou falando tudo isso pra mostrar que o que é bom, eu reconheço. Mas agora vou falar do que, espantosamente (por causa da boa renda média dos porto alegrenses) , é muito pior que as grandes capitais brasileiras.: o mobiliário urbano e as paradas de ônibus.

parada1

parada2

parada3

parada4

 

As paradas de ônibus são MUITO melhores, conservadas e limpas em Curitiba, Rio de Janeiro (mesmo nos bairros pobres)  Salvador (mesmo nos bairros pobres), que são cidades em que já andei muito de ônibus, inclusive por bairros pobres e periféricos.  Lá encontramos paradas de ônibus de vidro, sem absolutamente nada colado; limpas e imaculadas; e muitas com bancos. 

Tenho fotos dessas paradas. Quem quiser, mande seu e-mail que eu lhe mando as fotos.

Também é notada uma preocupação em oferecer uma boa estética do mobiliário urbano em geral.

Rio e Salvador têm problemas sociais maiores, e mesmo assim AS PESSOAS não sujam e não avacalham com suas paradas de ônibus.

Curitiba tem dados sociais similares com Porto Alegre, e faz jus a isso apresentando uma cidade bonita.

Porto Alegre, portanto, não tem desculpa pra ter um mobiliário urbano tão vexaminoso.

A feiúra da “cidade construída” de Porto Alegre, admitida até por Mario Quintana numa célebre edição da revista Exame, é de responsabilidade de todos, dos moradores, do governo e de nossa cultura.

Tristemente, os moradores da cidade – e sua cultura –  são um dos maiores responsáveis pelo aspecto da cidade. Não se pode dizer que os responsáveis são pessoas pobres, sem perspectivas, sem educação e desassistidas pelo estado. As paradas de ônibus são achincalhadas por todas as classes, até mesmo por gente bem de vida como uma senhora muito bem vestida que um dia flagrei colando dez cartazes numa parada de ônibus para noticias seu cachorro perdido, ou então de gente anunciando trabalhos de digitação.  E essas pessoas bem vestidas colaram toda a  parada sem vergonha nenhuma.

 O visual medíocre da cidade envolve responsabilidade do governo, também, que poderia construir mobiliários urbanos e paradas de ônibus bonitas de verdade Olhem só as mais recentes  paradas da Osvaldo Aranha e Protásio, que tem cerca de 8 anos – são mais recentes que as paradas “modernas” da Assis Brasil, Bento Gonçalves – mas são horríveis e ridículas: uma simplória lata dobrada sobre nossas cabeças. Horrível, horrível, horrível, digno de Serra Leoa, Somália ou Haiti. Porque o governo nunca se interessou em fazer algo bonito, como as de Curitiba? Isso contribui para as principais avenidas da cidade, como a Protásio, serem avenidas feias.

Também poderia falar da nossa orla, tosca até pro mais pobre pais do mundo, mas não vou entrar nesse mérito, que envolve também legislações e polêmicas. Mas vou falar de um trecho dela é consolidado e é  ponto turístico: a orla do Gasômetro. Vocês já viram várias fotos dela aqui no blog, mostrando o quão tosca e feia ela é, parecendo pertencer ao lugar mais miserável do mundo. Barro. Muita feiúra. E frequentadores, com seu chimarrão,  satisfeitos e orgulhosos.

 Isso tudo mostra que não é por pobreza do povo nem do governo que a cidade oferece um visual por vezes tão constrangedor.  É por cultura, por costume.  Que espero que mudem completamente, nem que seja só por causa da Copa que vem aí.  

É constangedor que uma das capitais de melhor nível econômico e cultural do país ofereça um visual feio, pobre e vergonhoso de sua urbe.

Ricardo Haberland

 

Fontes:

http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Geral&newsID=a3070844.xml

 http://wp.clicrbs.com.br/davidcoimbra/2010/10/11/quem-sao-as-verdadeiras-vacas/?topo=13,1,1,,,13

Notícia nacional:  http://www.band.com.br/entretenimento/cultura/conteudo.asp?ID=100000356470

 



Categorias:Outros assuntos

Tags:, , , , , , , , , , , , ,

4 respostas

  1. ^^ Infelizmente a cultura “destrutiva” de alguns moradores nao permitem que possamos sonhar com um mobiliario urbano mais sofisticado. Lembram das paradas da 3a Perimetral?? Pixadas, quebradas, mesmo antes de sua inauguracao?
    Porto Alegre é TRI.ste!

    Curtir

  2. sensacional o post do ricardo, sensacional.
    sobre as vacas, nao vou mais comentar depois que descobri que mesmo em cidades de primeiro mundo acontece vandalismo e coisas do tipo.

    sobre as paradas de onibus, quando eu morava em los angeles, havia lugares onde as paradas eram simplesmente bancos de concreto.. e com certeza muito mais bonito estéticamente do que essas latas feias que contaminam o visual da cidade.. se deixassem sem nada ficaria muito melhor. sobre as de curitiba, sao lindas, exemplo. as do rio e sao paulo só vi em foto, mas qualquer parada de onibus em qualquer lugar é melhor que as de porto alegre..

    tem um projeto de modernizaçao do mobiliário urbano de porto alegre.. eu espero que eles tenham bom senso dessa vez.. com poucas mudanças, mas efetivas, o visual da cidade muda da noite para o dia. mesmo assim, acredito que as paradas só terao um upgrade qdo implementarem o BRT.

    peace.

    Curtir

  3. É Ricardo, teu tem razão. Infelizmente.

    Curtir

  4. O Ricardo tá absolutamente certo. E digo mais: gaúchos são orgulhosos e conservadores. Têm orgulho de sua condição de gaúchos, independente da realidade que os cerca, e têm a tendência a conservar tudo como está, por isso ficamos presos em ideias tacanhas, ultrapassadas e tímidas. Conservar sempre, conservar tudo como está: orla feia, mobiliário urbano feio. Na cabeça pequena dos gaúchos, todas as nossas coisas são belas meramente porque são nossas. Taí a receita do atraso.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: