Congresso internacional discute desenvolvimento sustentável

No próximo dia 21, às 17h, o prefeito José Fortunati participa de um painel no II Congresso Internacional de Arquitetura e Ambiente. O evento, considerado um dos principais encontros sobre desenvolvimento sustentável, é uma realização da Fundação Cepa Brasil, com apoio da Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Dias 21 e 22, estarão na capital gaúcha destacados especialistas do setor, apresentando cases de planejamento urbano na América Latina e Europa, com abordagem das problemáticas ambientais e urbanísticas desde uma visão integradora e transdisciplinar, conforme promove o conceito de Ambitetura desenvolvido pela Fundação. O Painel dos prefeitos, com a participação de Fortunati, objetiva a troca de experiências entre gestores comprometidos com ações e projetos sustentáveis, além de reunir dirigentes das cidades-sede da Copa do Mundo 2014. No eixo da sustentabilidade, três temas serão tratados com maior ênfase: Cidade, Território e Arquitetura.

“O fórum estará voltado para o grande desafio dos gestores na atualidade: a implementação de um novo modelo de desenvolvimento sócio-econômico e ambiental, sem que esqueçamos a arte de construir o ambiente em todas as suas escalas e componentes, incluindo a história, o patrimônio e o modo de viver do lugar”, afirmou o renomado arquiteto argentino Rubén Pesci, presidente há 35 anos da Fundação Cepa, que possui mais de 100 projetos em vários países,

Na programação do segundo dia, participam três arquitetas da prefeitura de Porto Alegre. Cleia Beatriz H. Oliveira e Andrea Oberrather vão falar sobre “A Experiência Integrada da Lomba do Pinheiro: o Diálogo Territorial em Porto Alegre para além do Orçamento Participativo”. Em outra mesa participa a arquiteta Sílvia Maria Carpenedo, do Departamento Municipal de Habitação (Demhab), que vai falar sobre regularização fundiária sustentável.

Entre os conferencistas internacionais confirmados estão os espanhóis José Maria Ezquiaga e Rafael Mata, Felipe Leal (México) e Edward Rojas (Chile). Outro destaque do Congresso é a participação do arquiteto e doutor em Urbanismo Sérgio Magalhães (Brasil). Sérgio foi responsável pela concepção e implementação do programa Favela-Bairro, no Rio de Janeiro, e no momento atua no Plano de Recuperação Urbanística de Bel-Air, Porto Príncipe, Haiti.

As Inscrições já podem ser realizadas no site do Congresso: www.ambitetura.com.br

2º Congresso Internacional de Arquitetura e Ambiente
21 e 22 de outubro de 2010
Local: Centro Universitário Ritter dos Reis – UniRitter
Informações: (51) 3062.0037, ou por e-mail (inscricoes@ambitetura.com.br)


Categorias:Arquitetura | Urbanismo, Eventos

Tags:, ,

4 respostas

  1. O problema não está apenas nos lobbys, mas no conformismo e em preconceitos de alguns cidadãos que ao serem apresentados a uma eventual solução para um problema não dão a devida atenção.

    Curtir

  2. Pô Ivete se tu não tivesse inventado os lobbys a gente tava muito melhor!

    Não fosse pela Ivete Sangalo o aeromóvel ao invés de ter sido desativado hoje já teria vários trajetos.

    Não fosse pela a Ivete viveríamos em um país de primeiro mundo.

    Um planeta de primeiro mundo.

    Curtir

  3. Arerê eee
    Um Hobby, um Lobby, love com você
    EEEE

    Ivete Sangalo que sabe !!!

    Curtir

  4. Seria muito mais fácil existir um consistente “desenvolvimento sustentável” se não existissem lobbys.

    Sem lobbys teríamos muitos carros leves e eficientes e muito carros elétricos.

    Tecnologia já temos a muito tempo basta vencer o egoísmo de algumas criaturas.

    Ai, mas de onde vem essa energia do teu carro elétrico?

    Viria de gigantes parques eólicos e parques de produção de energia solar não fossem os lobbys.”

    Não fossem os lobbys teríamos muitas e belas ciclovias.

    Não fossem os lobbys 1kg de carne custaria uma pequena fortuna pois ao invés de impostos e taxas pela degradação ambiental a produção de animais ganha incentivos fiscais.

    Não fossem os lobbys as pessoas teriam fácil acesso a informações cruciais para o desenvolvimento sustentável.

    Não fossem os lobbys as pessoas seriam mais inteligentes, teriam conhecimentos que as tornariam sábias.

    Não fossem os lobbys…

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: