Governo do Estado abre o 2º envelope de licitação do Projeto de Revitalização do Cais Mauá

A governadora Yeda Crusius participou, nesta sexta-feira (22), da apresentação detalhada do projeto de Revitalização do Cais Mauá, que tem como principal conceito o resgate da memória da cidade, aliada a criação de um novo conteúdo ao espaço. A Comissão Especial de Licitação, criada pelo Governo do Estado para acompanhar o processo de definição da empresa que fará as obras, abriu o segundo envelope entregue pelo consórcio Porto Cais Mauá, no auditório do Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff).

A chefe do Executivo destacou a condução do processo de licitação, que considerou os aspectos de transparência e modernidade. “Estou muito feliz com o acerto do método do Governo do Estado, iniciado em 2007, que está se concretizando de tal maneira a iniciar em Porto Alegre e na região do Mercosul uma fase nova de respeito à arquitetura, ao meio ambiente e à oportunidade de trabalho”, frisou Yeda.

Ao abrir o envelope, o presidente da Comissão Edemar Tutikian, ressaltou que a comissão terá até uma semana para avaliar se os requisitos do edital foram cumpridos pela empresa, e se as propostas apresentadas estão de acordo com as regras do edital de licitação. O envelope continha os Cadernos de Metodologia de Execução e Plano de Negócios, com o descritivo técnico e de execução da proposta de Metodologia de Gestão do Cai.

Na próxima semana sairá o resultado sobre a aprovação do projeto, que tem investimento inicial de R$ 350 milhões, podendo chegar a R$ 500 milhões. De acordo com Tutikian, o próximo envelope será do consentimento do valor anual que o consórcio pagará ao Estado, e conterá o valor mínimo do edital. “Em poucos dias vamos saber qual é a proposta”, disse Tutikian.

Consórcio

Na ocasião da abertura do segundo envelope, empreeiteiros fizeram apresentação em detalhes do projeto encaminhado. O ato teve a participação do arquiteto paranaense Jaime Lerner e do catalão Fermín Vázquez, fundador do b720, um dos principais escritórios de arquitetura de Madri.

“Esta é uma oportunidade de reconquistar o Cais Mauá. Para nós, é antes de tudo um compromisso em transformar esta área em referência no país, devolvendo o rio Guaíba à paisagem da cidade e a seus habitantes”, disse Lerner.

O consórcio, que apresentou a proposta de revitalização, é liderado pela Contern, braço da construção civil do grupo brasileiro Bertin. Desde 2003 atua na construção de grandes obras no país, e é formado por quatro empresas espanholas – uma delas foi gestora da revitalização do Porto de Barcelona – e uma brasileira, que apresentou proposta no processo de licitação encerrada no dia 8 de outubro.

Texto de Adriana Ferrás

http://www.jusbrasil.com.br/politica…o-do-cais-maua

 Matéria da Zero Hora

CAPITAL REDESENHADA

NOVO CAIS GANHA FORMA

Clique nas imagens para ampliar e ler as matérias.

Share



Categorias:Projeto de Revitalização do Cais Mauá

Tags:,

21 respostas

  1. Eu fico tentando imaginar os moradores de rua tamando banho nessa pRefe de água … Pelo menos lavar o rosto eles vão

    Curtir

  2. Sabemos que o muro é um mal necessário – projeto reconhece ele e trata de torná-lo pelo menos bonito. A solução proposta para o muro é GENIAL em termos estéticos mas, no entanto, no aspecto funcional, persiste um elemento de separação urbana, isolando o cais renovado do centro. Para entendermos isso, dividamos a área afetada pelo projeto em quatro trechos:

    1) gasômetro até a curva – a solução da praça suspensa é estética e funcionalmente excelente

    2) curva até portão da Sepúlveda Pertence – somente dois acessos, tornando os deslocamentos de pedestres do centro para o local oneroso em certos pontos

    3) Sepúlveda Pertence até estação Mercado – segregação física exacerbada pela prolongamento da linha do trensurb (usado para manobra da composição)

    4) Mercado até Rodoviária – segregação física total – trajeto de viagem do trensurb.

    Para o trecho 2, eu imagino uma solução onde o muro fosse passado “para dentro” dos armazéns, mantendo o aspecto destes (como requerido pelo patrimônio histórico) e garantindo a função do muro. Isso permitiria que a área renovada fosse mais integrada e “acessível” a quem vem do Centro Histórico. Uma ilustração admitidamente tosca da minha ideia está em

    Para o trecho 3, eu acho que pode ser feita uma mudança no layout da estação para permitir a eliminação do prolongamento do trensurb: ao invés dos dois trilhos passarem no meio das duas plataformas, teríamos três plataformas, sendo a do meio para embarque e as das pontas para desembarques. Os trens alternar-se-iam o trilho usado ao chegar. O trecho do prolongamento poderia entrar então nos moldes do trecho 2. Ilustrando…

    Para o trecho 4, a solução mais óbvia seria enterrar o trensurb. Mas sabemos que isso é muito, mas MUITO caro. Talvez seja o caso de construir uma passarela ou praça SOBRE o trensurb e o muro, ligada ao centro por pontes em locais estratégicos (camelódromo, por exemplo). Obviamente, esta estrutura não pode estar suportada pelo muro, pois este não foi projetado para este tipo de carga.

    Curtir

  3. Gilberto, de maneira nenhuma eu afirmei isso e tu sabe melhor do que ninguém que eu não penso assim.
    Só acho que essa “sede” por torres não combina comigo. Eu adoro prédios envidraçados e modernos, mas não sou fánatico a ponto de querer que todo novo edifício na cidade seja uma torre mega alta. Muito menos no projeto do Cais.
    Quanto ao cais: já conheci alguns projetos semelhantes e me interessa mais o projeto em si do que torres em seu projeto. No Puerto Madero em si não há nenhuma torre. Com o Puerto Madero a região foi valorizada e atrás do cais há agora edifícios modernos. Mas porque a área foi valorizada.
    No meu ver, o cais sendo valorizado o bairro inteiro ganha e a região passa a ser de interesse de empresas que queiram se instalar lá.
    Me interessa então um projeto a altura e que a gente possa usufruir o mais rápido possível, pra que toda a região seja valoirizada e aí sim, pipoquem edifícios altos e envidraçados melhorando o skyline do Centro.

    Curtir

  4. Porto Alegre tem um grande problema:
    Nunca esta bom…sempre se quer o que não se tem…
    Se fosse um predio de 100m seria ruim….e como nao se tem eh ruim tambem::????

    Curtir

  5. Anderson: só por que estamos em Porto Alegre temos que gostar e aprovar tudo que nos impoe ? Eu achei um belo projeto, como já falei antes. Mas perdemos a chance de ter um icone na cidade. De novo. Estas torres são inferiores a prédios que já existem na cidade hoje. Não vão ter destaque nenhum… o resto do projeto está ótimo.

    Se tiverem 30 andares ou mais, ainda passa.

    Curtir

  6. Gent, esqueçam as p**** dos prédios de 100 m! Olha que maravilha isso…
    Nem nos meus melhores sonhos maginei algo melhor.
    A solução para o muro? Excelente!!! Com essa solução, sou a favor do muro eternamente! 🙂
    Ficou sensacional. Daqui a pouco aparece a turma nuvem negra pra falar mal ou falar que em Porto Alegre isso ou aquilo, mas nem eles vão conseguir diminuir minha alegria com essas idéias sensacionais!

    Curtir

  7. Gente, e os prédios de 100m?

    Curtir

  8. mas dessa vez eu acho que vai.. olha esse projeto..é totalmente perfeito..adequado.. nao existe outro projeto que pode ser melhor que isso.. quem ferrar isso aí vai ferrar(e feio) com o porto-alegrense, como já citaram.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: