Usina do Gasômetro já precisa de reforma

Três anos após recuperação, prédio construído há 82 anos apresenta problemas como infiltração, pichação e depredação

Recuperada entre 2006 e 2007, a antiga Usina do Gasômetro já precisa de uma nova reforma. Entre os principais pontos de visitação de Porto Alegre, o prédio construído há 82 anos apresenta problemas visíveis aos olhos de moradores e turistas.

Do lado de dentro do centro cultural de seis andares, há banheiros em mau estado de conservação, falta de placas de indicação, pichação e depredação do mobiliário. A fachada e algumas paredes apresentam marcas da ação do tempo, com tinta descascada e sinais de infiltração.

Junto ao Guaíba, no entorno do prédio, o calçamento recuperado há menos de cinco anos está destruído. Caminhões pesados deixaram o pavimento com ondulações e buracos. No local, bancos e paredes estão pichados e danificados. E é justamente o local onde centenas de pessoas aguardam os barcos de turismo que usam o local como atracadouro.

– É um abandono e um descaso com nosso cartão-postal. Quando a gente reclama, falam que precisa de verba, de licitação, mas às vezes, a simples manutenção resolve. Não precisa de tanto recursos – avalia o técnico em segurança do trabalho Pedro Gomes Moreira, 55 anos, morador do Centro Histórico que fez uma série de fotografias dos problemas da Usina para cobrar solução das autoridades.

Além dos danos, a Usina ainda possui problemas de acessibilidade para deficientes físicos. Pela entrada principal, junto à Avenida João Goulart, não há rampa de acesso para cadeiras de rodas. Eventualmente, há lixo e materiais de limpeza expostos ao público, o que gera má impressão.

Prefeitura tem previsão de realizar melhorias

Diretor da Usina do Gasômetro, Caco Coelho reconhece problemas pontuais na estrutura, mas destaca que os mesmos são menores em comparação aos registrados há cinco anos. Ao ser alçada ao posto de principal centro de cultura popular do Estado, a Usina, segundo ele, atraiu maior público e a atenção da sociedade:

– A Usina vive a plenos pulmões, com atividades nos três turnos. Nos últimos cinco anos, foram mais de 10 mil atividades culturais, sendo três mil apresentações de teatro. A Usina era um símbolo, agora virou um emblema. Claro que é necessária uma série de coisas, melhorar serviços.

A prefeitura tem previsão de enfrentar as infiltrações e de recuperar o entorno do prédio histórico. Por meio da Secretaria Municipal de Turismo, está em fase de projeto a construção de um atracadouro para os barcos de turismo que operam junto à Usina. A proposta, que deve ser executada no ano que vem, promete dar nova cara ao local.

A história

Inaugurado em 11 de novembro de 1928, o prédio da Usina do Gasômetro é uma das mais antigas construções em concreto armado do Rio Grande do Sul. Foi projetado para gerar energia elétrica à base de carvão mineral para Porto Alegre. A usina forneceu energia elétrica à base de carvão mineral para Porto Alegre de 1928 a 1974, quando foi desativada. O projeto veio da Inglaterra, assim como todas as máquinas e materiais.
– A chaminé de mais de cem metros de altura foi construída em 1937, devido às reclamações dos moradores pela nuvem de fuligem provocada com a queima do carvão. Em 1989, a prefeitura indicou o prédio como Espaço Cultural do Trabalho e, a partir de 1991, seus 18.000m² de área total foram abertos à população. O prédio é tomado pelo Patrimônio Histórico.
– Em novembro de 2008, a Usina do Gasômetro completou 80 anos e se caracteriza como um dos principais centros culturais da capital gaúcha.

Prefeitura de Porto Alegre / Zero Hora

 

Share



Categorias:Revitalização do centro, TURISMO

Tags:

1 resposta

  1. Na verdade, a Usina precisa de uma ampla reforma interna e externa. Por dentro, precisa ser mais atrativa. Um turista, por exemplo, que chegue hoje à cidade, o que tem pra fazer lá? Como grande centro cultural, a usina tem que ter atrações fixas… um restaurante panorâmico seria um bom começo. Do lado de fora, um bela e imponente iluminação cênica (com um canhão de luz saindo da chaminé, prolongando-a para o céu), uma bela praça seca ao redor do prédio, um atracadouro de barco… tanta coisa… a Usina deve ser o ponto de encontro de três importantes áreas turísticas da cidade: Cais Mauá (reaproveitado), Orla (urbanizada) e Centro Histórico (revitalizado).

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: