Mobilização por prédios no Moinhos

Imóveis da rua Luciana de Abreu são alvo de polêmica. Foto: Arquivo MPE

Moradores do bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre, organizaram neste sábado um abraço simbólico em prédios localizados na rua Luciana de Abreu, e que são alvo de ação judicial. De um lado, a incorporadora Goldsztein Cyrela planeja construir novas edificações no local. De outro, o Ministério Público e a Associação de Moradores do bairro – a Moinhos Vive -, querem que o conjunto habitacional, construído nas décadas de 1920 e 1930, seja preservado e reconhecido como imóvel de valor sociocultural.

O impasse começou em 2002, quando a Moinhos Vive ingressou na Justiça para impedir a demolição dos seis prédios. Um abaixo-assinado foi entregue ao MP, que obteve na Justiça liminar impedindo a demolição das casas e obrigando a construtora a zelar pelo patrimônio.

Os imóveis teriam sido idealizados pelo arquiteto alemão Franz Filsinger e projetados para abrigar mestres cervejeiros vindos da Alemanha, contratados pela Cervejaria Becker. “A empresa pretende construir espigões no lugar das casas. Isso descaracterizaria ainda mais o bairro, frente à falta de sensibilidade da construtora e ao fato de que o poder público lava as mãos para o assunto”, afirma o presidente da Moinhos Vive, Raul Agostini.

No dia 1 de dezembro, haverá a primeira audiência de instrução do processo, na 10 Vara da Fazenda Pública do Foro Regional da Tristeza. A ideia da mobilização de hoje, diz Agostini, é lutar pelo que consideram uma “decisão justa”. “Tanto pelo valor histórico dos prédios, construído por um ícone da arquitetura alemã, quanto por preservar a característica original do bairro.”

O advogado da Goldsztein, Milton Terra Machado, informou que a audiência não terá carga de decisão e que a discussão ainda deverá prosseguir. De acordo com Machado, as seis casas nunca foram listadas por nenhum estudo que as considerasse patrimônio histórico da cidade. Segundo ele, o projeto idealizado pela incorporadora está devidamente aprovado pelas autoridades.

Correio do Povo 

 

Share



Categorias:Patrimônio Histórico, Prédios

Tags:, , , ,

29 respostas

  1. Que frescura é essa de identidade do moinhos? Identidade onde? Ora..os que tanto reclamam da identidade (o novo argumento dos sociólogos de plantão)…deveriam ter reclamado que o bairro perdeu a baixada do Grêmio em troca do parcão. Que porcaria! Terminaram com a identidade do Moinhos. Deveriam reclamar das centenas de espigões que foram construidos onde havia casas antigas. Deveriam reclamar do shopping Moinhos, do alargamento viário da 24 de outubro e da Goethe, do União, etc. Todos esses empreendimentos, usando-se a tese tacanha da “identidade” vieram em prejuízo ao bairro.
    Agora essa turminha de aposentados que não têm mais nada pra fazer inventou essa das casas.
    Nunca fizerm nada na vida….e mais do que não fazer nada, querem atrapalhar quem quer fazer. É o fiel retrato do recalque.

    Curtir

  2. “Le Chateux de Versailles” ou melhor ” Riserva di Toscana”, 2 torres de 22 andares, com 6 aptos por andar, ao melhor estilo dos antigos palacetes parisienses.
    Seria otimo!

    Lembrando que o Moinhos ainda é um dos poucos bairros dessa cidade com alguma identidade.

    Curtir

  3. Sou totalmente a favor de preservar patrimônio histórico, classificado como tal, pela Equipe de Patrimônio Histórico da Prefeitura de Porto Alegre. Mas “CASINHAS BONITAS” ?
    Jamais comparem os casarões da Independência ou algum dos muitos casarões da cidade classificados como patrimônio histórico com estas “casas bonitas” da Luciana de Abreu. Que critério é esse? CASAS BONITAS DEVEM SER PRESERVADAS ? Agora sim eu digo quanta ignorância!

    Curtir

  4. imaginem só os nomes que essa construtor nao daria para empreendimentos no bairro, só tentei imaginar alguns; JARDIM MOINHO, VILLA DI CAMILO, RISERVA ITÁLIA, LE PARC GALLERIE..brr, imaginar o mais nobre bairro da cidade infectado com alguma dessas coisas, fico com nojo só de pensar.. é mta pobreza wannabe europe.

    Curtir

  5. Pois ajoelhem-se aos pés de construtoras como a Goldztein..que ainda se arriscam a investir nesta cidade repleta de pensamento pequeno. Eta povinho mais rançoso esse de Poa.

    Que venham os investimentos (grandes e pequenos)..gente disposta a colocar grana nesta cidadezinha..com essa gentinha.

    Se não fossem esses “construtores de pombais”…iso aqui seria ainda pior. O os que criticam a Goldztein..que contribuição deram à cidade? Só reclamam…só criticam…só murinham.

    Curtir

  6. É mesmo, tem gente que acha Bal. Camboriú o auge da civilização.
    Esses bairros de Porto Alegre com identidade histórica é o que há de melhor na cidade. Ao invés de tornarmos mais bonita e atraente a Independência, por exemplo, na lógica do Augusto deveríamos demolir tudo e construir espigões residenciais. Pra que aquela velharia inútil?

    Curtir

  7. Esse Augusto ou nunca veio a Porto Alegre, e nao conhece a Goldztein, ou nunca foi a Nova York.
    Primeiro pq essa construtora é uma palhaçada em termos de projetos, e não está nem aí para o desenvolvimento da cidade, muito menos no que se trata de empelezamento. Segundo, porque Nova York está muito bem zoneada, de forma que não se permite destruir qualquer patrimonio histórico há decadas….sem falar que comparar maça com pera é meio complicado.

    Comparemos a expansão de Porto Alegre a São Paulo…muito mais coerente. Principalmente no que se diz a falta de planejamento a construção de pseudo arranha céus neoclassicos de 20-30 andares.

    Um bairro como o M. de Vento possuí um apelo que pode ser muito bem explorado turisticamento, com suas ruas cheia de casarões históricos e arborizados, pipocados recentemente com bares e restaurantes elegantes. Agora se destruissem isso, será que torres residenciais estilo Goldztein iria atrair algum turista? Isso sim pra mim é contertarse com muito pouco.

    Poa ja passou do estágio que pessoas como as que frequentam esse forum se contentarao com projetos redenciais toscos estilo Jardim Europa, etc. Queremos mais, queremos o centro revitalizado, queremos o Cais, queremos a Ospa nova, ponte estaiada para o Guaiba, arenas esportivas, novas rodovias para aliviar o transito, metro! Deixem essas construtoras lixo ganharem seu dinheiro em Belem, Recife, Bal. Camburiu, Joao Pessoa, etc

    Curtir

    • Como se já não bastasse o DESPERDÍCIO DE ÁREA que ocorreu no entorno do Iguatemi… pelo menos sobrou o Parque Germania.

      Curtir

  8. Se a associação de moradores do Moinhos tem tanto interessa na preservação desses prédios, que parecem ser bem interessantes mesmo, deve fazer uma proposta de compra para a área ou arrumar investidores dispostos a investir na manutenção dos prédios.

    Curtir

  9. os prédios da goldztein sao feios, os piores da cidade. e o bairro moinhos tem uma identidade a ser preservada, nao é um bairro para construtora nenhuma por a mao, muito menos essa goldztein.

    Curtir

  10. Tao certos os moradores! Daqui a pouco nao sobra um casarao no Moinhos. Se eu bem conheco os predios da Goldztein, vao fazer outro pombal de 20 andares com 80 apartamentos, certeza! Ao iludido acima que trouxe Nova Iorque ‘a discussao… vai ver se la’ o pessoal deixa as construtoras construir esses pombais bizarros que a Goldztein constroi em Porto Alegre…

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: