RS vai contar com primeira linha de transmissão subterrânea de energia

Executivos e técnicos do Grupo CEEE e da Procable Energia e Comunicações vistoriaram nesta terça-feira as obras da primeira linha de transmissão subterrânea do Rio Grande do Sul. Durante a inspeção, houve a implantação de um cabo de 230 kV em trecho localizado entre à Câmara Municipal de Porto Alegre e à Praça Júlio Mesquita, nas imediações da Usina do Gasômetro. “Este foi o quinto de um total de 96 lançamentos subterrâneos que ocorrerão até junho do próximo ano, quando os trabalhos estarão finalizados”, explicou o engenheiro Milton Saito, da Procable.

Quando estiver concluída, a linha de transmissão subterrânea terá 11,3 quilômetros de comprimento, interligando as subestações Porto Alegre 9 (Humaitá) e Porto Alegre 4 (Praia de Belas). Além de beneficiar 1,5 milhão de pessoas, o empreendimento, orçado em R$ 71,8 milhões, atende as demandas da Copa do Mundo de 2014, eliminando riscos de apagões nos estádios Beira Rio e na Arena.

A linha de transmissão subterrânea igualmente cruzará pela área portuária, como forma de incentivo à revitalização do Cais do Porto. “A interligação dá mais segurança ao sistema, além de reduzir as possibilidades de furto de cabos e a poluição visual da cidade”, observou Saito. Segundo ele, quando a linha estiver operando a plena, quem se aventurar a tentar furtar equipamentos correrá o risco de morrer ao ser atingido por descarga elétrica de 230 mil Volts.

O presidente da CEEE, Sérgio Camps de Morais, destacou que a tecnologia utilizada para a implantação da linha de transmissão subterrânea é a mais moderna do mundo. “Os cabos são conjugados com fibra ótica, o que permite o acompanhamento em tempo real do desempenho”, observou. Morais ressaltou que o empreendimento qualificará o fornecimento de energia no Centro em razão do aumento da confiabilidade do sistema.

Fonte: Site do jornalista Clóvis Duarte, enviado pelo leitor Paulo Luiz Pozza

Share



Categorias:COPA 2014, Energia, Infraestrutura

Tags:, , , , , ,

1 resposta

  1. É isso que tem que ser feito, tanto por dificultar o furto de equipamentos quanto por melhorar a eficácia do sistema de transmissão. E o excesso de fios expostos realmente além de ficar feio ainda provoca um risco maior de acidentes caso algum fio energizado seja rompido, ainda que sem intenção.

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: