“Não tenho controle sobre cada e-mail”, afirma secretário sobre polêmica das bicicletas

Valter Nagelstein reforçou que e-mail enviado por servidora a um casal de ciclistas não representa posição oficial

O secretário municipal da Produção, Indústria e Comércio (Smic), Valter Nagelstein, utilizou o Twitter para reforçar que o polêmico e-mail enviado por uma servidora do órgão a um casal de ciclistas não representa a posição oficial da secretaria.

Ao responder a mensagem que criticava a falta de bicicletário no Mercado Público, a servidora reconhece que o prédio não está preparado para receber ciclistas e aconselha os remetentes a usar bicicletas só para “momentos de lazer” e não para fazer compras no local.

Em seu perfil no microblog, Nagelstein se queixou da manchete da reportagem de ZH sobre o assunto.

— A servidora chegou pra trabalhar, tinha um email e ela respondeu conforme seu entendimento pessoal. Não tenho controle sobre cada email! (…) Mas eh elementar que em nome da secretaria fala seu secretário. Portanto o título de ZH força uma versão. Mais um erro nesse “embroglio” — escreve.

A polêmica teve início no dia 25, quando o casal Valesca Kuhn e Marcelo Kalil foi fazer compras no Mercado Público. Sem espaço para acorrentar as bicicletas no Largo Glênio Peres, a artista plástica e o jornalista acabaram prendendo-as nas grades do portão central do prédio. Ao retornar das compras, eles depararam com outras correntes sobre as suas, impedindo a retirada das bicicletas.

Indignado, o casal encaminhou e-mail relatando a situação à coordenação do Mercado Público. A resposta da servidora Angélica Paiva Pereira, 46 anos, há 18 anos na Smic, surpreendeu (veja ao lado) e foi parar no blog Massa Crítica, que congrega ciclistas para passeios na última sexta de cada mês.

— Foi uma resposta desastrada, não sei escrever pouco e emiti minha opinião pessoal — explicou a servidora.

A polêmica levou o secretário Valter Nagelstein a emitir nota oficial, desculpando-se. No texto, o secretário escreve que é necessário o estímulo ao transporte alternativo, mas reconhece que o Mercado não dispõe de espaço apropriado para receber bicicletas. Devido a isso, ele destaca que acorrentar esse tipo de veículo nas grades do portão central também não é uma atitude correta.

Nagelstein prometeu a criação de um bicicletário no Mercado.

MAS O QUE ACONTECEU ?

Resposta da Smic sobre pedido de bicicletário no Mercado revolta ciclistas

Servidora escreveu que bicicletas deveriam ser usadas para “momentos de lazer” e não para compras

Ao responder a um e-mail que criticava a falta de bicicletário no Mercado Público, uma servidora da Secretaria Municipal da Produção, Indústria e Comércio (Smic) comprou briga com os ciclistas da Capital. No texto, ela reconhece que o prédio não está preparado para receber ciclistas e aconselha os remetentes a usar bicicletas só para “momentos de lazer” e não para fazer compras no local.

A polêmica teve início no dia 25, quando o casal Valesca Kuhn e Marcelo Kalil foi fazer compras no Mercado Público. Sem espaço para acorrentar as bicicletas no Largo Glênio Peres, a artista plástica e o jornalista acabaram prendendo-as nas grades do portão central do prédio. Ao retornar das compras, eles depararam com outras correntes sobre as suas, impedindo a retirada das bicicletas.

Indignado, o casal encaminhou e-mail relatando a situação à coordenação do Mercado Público. A resposta da servidora Angélica Paiva Pereira, 46 anos, há 18 anos na Smic, surpreendeu (veja ao lado) e foi parar no blog Massa Crítica, que congrega ciclistas para passeios na última sexta de cada mês.

— Foi uma resposta desastrada, não sei escrever pouco e emiti minha opinião pessoal — explicou a servidora.

Localizado, Kalil disse que não comentaria o assunto com Zero Hora. A partir do post, centenas de e-mails com críticas foram enviados. A polêmica levou o secretário Valter Nagelstein a emitir nota oficial, desculpando-se.

No texto, o secretário escreve que é necessário o estímulo ao transporte alternativo, mas reconhece que o Mercado não dispõe de espaço apropriado para receber bicicletas. Devido a isso, ele destaca que acorrentar esse tipo de veículo nas grades do portão central também não é uma atitude correta.

Nagelstein prometeu a criação de um bicicletário no Mercado. Ciclista eventual, Angélica, por sua vez, disse que cuidará mais das palavras:

– Acho que acertei, errando. Toda essa repercussão vai acabar sendo positiva. Vão achar um lugar para as bicicletas.

ENTENDA O CASO:

ZERO HORA

 

Share



Categorias:Bicicleta

Tags:, , ,

4 respostas

  1. Só não entendi uma coisa: porque foi exaustivamente divulgado o nome da funcionária do setor, que respondeu o e-mail, se ela não é responsável pelo setor? Quem tem que se responsabilizar é o coordenador do setor. Pra começar ela nem respopnde este tipo de e-mail sem consultar o chefe antes.

    Curtir

  2. Ciclovia tem que pressionar a SMOV, não só a SMIC. Lembrem disso, não adianta ter um bicicletário no mercado se eu não me sentir seguro o suficiente para ir de bicicleta até lá, e eu não acredito nesse papo dos ditos “cicloativistas” sobre motoristas deverem respeitar os ciclistas, prefiro uma via segregada onde eu vá ter certeza que nenhum bêbado me atropele.

    Curtir

  3. “Nagelstein prometeu a criação de um bicicletário no Mercado.”
    ————RECORTE E COBRE———————————————

    Será? Se a SMIC é um departamento da prefeitura, o correto seria um incentivo ao uso de bicicletas por toda a prefeitura.
    Uma ideia interessante é instalar bicicletário em diversos espaços públicos.

    E a ciclovia da Ipiranga? Neste mesmo blog tem um post onde existe a promessa de edital para Dezembro. Será?

    Curtir

  4. A servidora “se queimou” na secretaria, mas o pior e’ que a culpa nao e’ nem dela, e’ do governo, que nao tem politica nenhuma com relacao a transportes alternativos.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: