Criação de fundo para retirada das carroças começa a ser discutida

Entrou, no período de Discussão Preliminar de Pauta da sessão desta quinta-feira (2/12) da Câmara Municipal de Porto Alegre, o projeto de lei complementar do Executivo (PLCE) que cria o Fundo para Implementação do Programa de Redução Gradativa de Veículos de Tração Animal (VTA) e Veículos de Tração Humana (VTH) e seu Conselho Gestor. Conforme o prefeito José Fortunati, a proposta é justificável “em vista da necessidade de promover políticas públicas, para implementação do programa instituído pela Lei nº 10.531, de setembro de 2008, que tem como finalidade promover ações que viabilizem a transposição dos condutores de VTAs e VTHs, para outros mercados de trabalho”.

Pelo projeto, o Fundo será constituído por diversas fontes de receitas e terá por objetivo proporcionar e gerenciar recursos e meios para o desenvolvimento e execução de políticas públicas, “buscando oferecer aos trabalhadores de VTA e VTH e suas famílias acesso à educação, à capacitação, à formação profissional e à geração de renda, voltados à melhoria da qualidade de vida.” Os recursos que comporão o Fundo serão depositados em instituições financeiras oficiais em conta especial.

Câmara Municipal de Porto Alegre

 

Share



Categorias:Outros assuntos

Tags:

9 respostas

  1. ta louco, tem muito carroceiro que anda drogado.
    Claro que não são todos, mas não da pra dar uma moto pra qualquer um.
    Paga uma auto escola pra eles, os que passarem, emprestem um tipo de caminhonete ou moto pra recolherem o lixo, ou fazem um acordo com alguma empresa e bota eles pra carregar os caminhções… mas ainda assim, não é o certo, deixar essa gente tocando a mão no lixo, até por que eles deixam muita sujeira, Porto Alegre tem que reinventar sua coleta, é podre, suja a cidade.

    Curtir

  2. Sou a favor de carroças… no campo.

    Não recolhendo lixo na cidade, criando riscos nas vias urbanas, sendo dirigidas por crianças. sem respeitar as regras de trânsito, explorando animais, espalhando lixo inservíveis pelos bueiros…

    Curtir

  3. “Sou a favor da carroças, que continue. ”

    Acho que José Luiz fabrica carroças…ou vende cavalos.

    PS. Como uma pessoa em sã consciência vem aqui pra defender a circulação de carroças numa cidade grande, apinhada de veículos e que pretende ser um polo cultural…inclusive sediando uma Copa do Mundo?

    Curtir

  4. Reciclar o lixo é importante, mas essa exploração dos cavalos é absurda. Carroças devem ser banidas, não só por explorarem animais quanto por não terem segurança nenhuma. Mesmo quando o sol se põe ainda tem umas circulando, e não tem nem faixas retroluminescentes como as dos caminhões, fora que quando provocam um acidente o cavalo sempre leva a pior.

    Curtir

  5. Sou a favor da carroças, que continue. Agora Pôrto Alegre tem reciclar todo seu lixo assim teremos novos empregos. O Brasil perde no lixo 10 Bilhöes de Reais/ano.

    Curtir

  6. Falaram mas não explicaram nada sobre de que lugar e sob que modo virão os recursos do fundo.
    São recursos públicos? privados? mistos?

    Eu tenho uma ideia. Coloque-se os carroceiros, carrinheiros e biscateiros para limpar e/ou repintar os prédios e casas que foram e são diariamente pichados em Poa. Vão ter um bocado de serviço pra fazer. A prefeitura dá o material de trabalho e uma ajuda de custo. Uma empresa de tinta poderia entrar com a tinta e fazer seu marketing em parceria com a prefeitura. Assim sendo, teríamos um verdadeiro exército de limpeza na cidade.

    Curtir

  7. E usinas de reciclagem?

    Curtir

  8. Ainda poderia ser usada parte da mão de obra futuramente ociosa em obras públicas, como saneamento básico em vilas e algum programa de urbanização em algumas áreas das vilas e recomposição ambiental em outras – ou eventualmente hortas comunitárias que poderiam ter parte da produção adquirida pela prefeitura para ser incorporada à merenda escolar.

    Curtir

  9. A meu ver seria interessante, entre outras formas de realocação dos carroceiros, desenvolver algum projeto de piscicultura no Delta do Jacuí, com o uso de “tanques-rede” como se usa em algumas localidades da Amazônia e nas haciendas marinas chilenas. Seria uma alternativa viável até para facilitar a inserção do peixe na merenda escolar. A propósito: na época do Tarso na prefeitura chegou a se cogitar o uso de uma caminhonete bastante rudimentar para substituir as carroças, e o Fogaça cogitava a hipótese de se substituir a tração animal por motos com side-cars ou reboques, mas recentemente começaram a aparecer uns triciclos utilitários em Porto Alegre, usados normalmente por depósitos de água e gás, que seriam uma boa alternativa para o uso por carroceiros que eventualmente fossem incorporados ao serviço regular de coleta de lixo (ou que fossem agrupados numa cooperativa onde alguns ficariam diretamente envolvidos com a coleta podendo cobrir áreas maiores em menos tempo enquanto outros ficariam processando os resíduos sólidos).

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: