Gestões de Luigi e Piffero divergem sobre contas do Inter

 

Obras do Beira-Rio

Dirigentes que assumirão o clube em janeiro assustaram-se com os números encontrados no setor de contabilidade

Máquinas já trabalham nas reformas das arquibancadas do Beira-Rio Vinícius Roratto

Passadas as eleições, os bastidores da política colorada acendem-se outra vez. Agora, é a atual situação financeira do clube que fornece tema aos debates. Os dirigentes que assumirão o clube em 3 de janeiro, liderados por Giovanni Luigi, assustaram-se com os números encontrados no setor de contabilidade.

Os que saem dizem que não há qualquer motivo para preocupação. A divergência mais nova é quanto à existência ou não de um empréstimo no valor de R$ 18 milhões que teria sido feito na semana que antecedeu o embarque para Abu Dhabi.

O atual segundo vice-presidente colorado, Mário Sérgio Martins, nega a existência do empréstimo. “Não sei de onde tiraram essa informação. Nós estamos encerrando 2010 da mesma forma que os últimos cinco ou seis anos, sem sobressaltos, com absoluta tranquilidade. A situação financeira é normal. Os impostos e todas as obrigações estão absolutamente em dia”, afirma.

Mário Sérgio ressalta que nos próximos dias o clube receberá valores importantes das vendas de Sandro (2,5 milhões de euros) e Walter (1,2 milhão de euros). Além disso, a Fifa deve depositar 3 milhões de dólares nas contas do clube pela conquista do terceiro lugar no Mundial de Clubes.

A versão de Mário Sérgio não coincide com a daqueles que ingressarão no clube em janeiro. O empréstimo é um dos fatos levantados, mas há outros, como a retirada de “vales” sem documentos e o aumento assustador da dívida de curto prazo, que teria alcançado mais de R$ 50 milhões. Os números teriam sido levantados pelo diretor executivo Aod Cunha, que já trabalha no clube.

Mário Sérgio nega: “A dívida de curto prazo está perto de R$ 30 milhões. Os números estão na contabilidade”. Segundo ele, a atual diretoria enviará ao Conselho uma proposta orçamentária para 2011 de R$ 170 milhões.

Outro tema que divide os colorados nesse momento são as obras do Beira-Rio. O grupo que assumirá o clube não concorda com o modelo adotado por Vitorio Piffero e Pedro Affatato. Já há um grupo que defende a associação com a iniciativa privada, modelo que não comprometeria as finanças do clube. Nesse momento, as máquinas estão destruindo as arquibancadas inferiores, que serão refeitas nos moldes exigidos pela Fifa.

Correio do Povo

 

Share



Categorias:COPA 2014, Grêmio e Inter

Tags:,

1 resposta

  1. Acho que o Inter precisa fechar uma parceria com a iniciativa privada.
    Não dá para o clube bancar a reforma sozinho.
    O dinheiro do clube tem que ser destinado ao time e não as reformas.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: