ENTRAVE AO DESENVOLVIMENTO – Guaíba pode perder investimentos

Demora nos licenciamentos ameaça instalação de empresas em área que seria destinada à Ford

Tratado como prioridade tanto pelo governo que sai quanto pelo que entra, o Distrito Industrial de Guaíba voltou a correr risco de não sair do papel. Sem perspectiva de obter as licenças ambientais necessárias ao início das obras, as empresas que pretendem se instalar no local onde seria erguida a fábrica da Ford em 1999 estudam alternativas para manter investimentos.

Segundo o gerente do projeto Horizon, da americana Terex, Alessandro Bruzzo, a obra para a instalação da segunda unidade no Brasil deveria ter começado há quatro meses.

– Considero a situação delicadíssima. O projeto no Rio Grande do Sul está sob alto risco – afirmou o executivo.

Bruzzo reclamou da burocracia e disse que a empresa sequer obteve a licença prévia, o primeiro passo de um processo complexo de autorização. O pedido entrou na Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) em 16 de agosto. O gerente classificou o cronograma de implantação como “extremamente frágil” por culpa do órgão ambiental.

– A Terex tem a determinação clara de ter uma nova fábrica funcionando no segundo semestre de 2011. Seja onde for – advertiu.

Por conta do atraso, o projeto Horizon pode parar em São Paulo – onde a Terex mantém a estrutura comercial.

Tarso publicará decreto para criar grupo de trabalho

A Vipal, que anunciou a instalação de uma fábrica de pneus em associação com a argentina Fate, também está preocupada com a demora no processo de licenciamento. Pretendia iniciar as obras do complexo industrial, orçado em R$ 404 milhões, em dezembro.Não conseguirá cumprir esse prazo.

– Os atrasos geram custos que não estavam programados e impactam o resultado do projeto. Mas a situação ainda não é crítica a ponto de recorrermos ao plano B – disse o superintendente do grupo Vipal, Renan Lima.

Também se inquieta com a demora a fabricante de elevadores LGTech. O diretor administrativo Leonardo Galdino disse que a empresa precisa concluir a fábrica nova até o final de 2011, sob pena de não cumprir os prazos de encomendas.

– A nossa unidade atual suporta até o final de 2011. Se a situação não se resolver nos próximos dois meses, vamos ficar preocupados com o cronograma – explicou Galdino.

A criação do distrito foi anunciada pela governadora Yeda Crusius no final de março. Desde então, segundo o secretário estadual de Desenvolvimento, Josué Barbosa, pouca coisa aconteceu.

– Não está fácil, não. A velocidade (das licenças) não é a que as empresas gostariam – reconheceu o secretário.

Barbosa informou que o Estudo de Impacto Ambiental (EIA/Rima), necessário para o empreendimento ser autorizado, ainda não foi contratado. Nem o plano diretor.

E a Fundação Nacional do Índio (Funai) voltou a requisitar documentos sobre os projetos por conta de um antigo assentamento indígena nas proximidades. A Funai comunicou à Fepam que tem poder de veto. A Fepam informou que os processos estão em andamento e não dependem apenas do órgão. Procurada, a Funai não comentou o assunto.

– Precisamos resolver certos problemas no menor prazo possível, sob risco de perdermos os investimentos. Corremos risco – avaliou o secretário de governo de Guaíba, Beto Scalco.

Procurado pelas empresas e pelo prefeito de Guaíba, Henrique Tavares, o governador eleito, Tarso Genro, decidiu tratar o assunto como prioridade. Na próxima semana, publicará decreto criando um grupo de trabalho para atacar o problema. O grupo – com representantes do governo, da prefeitura de Guaíba, do Ministério Público e das oito empresas – será substituído em março por uma câmara temática no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

– É prioridade total. Será um dos primeiros atos do governo – garantiu o futuro coordenador do CDES, Marcelo Danéris, escolhido para coordenar o grupo de trabalho.

Os projetos
TEREX
Empresas que informaram investimentos em Guaíba:
Investimento: R$ 150 milhões
O que faz: equipamentos pesados para construção e conservação de estradas
VIPAL/FATE
Investimento: R$ 404 milhões
O que faz: pneus
RENOBRAX
Investimento: R$ 100 milhões
O que faz: equipamentos para aerogeradores
VONPAR/NEUGEBAUER
Investimento: R$ 168,5 milhões
O que faz: chocolates
GAYA
Investimento: R$ 1 milhão
O que faz: reflorestamento
INTERNATIONAL PET
Investimento: R$ 50 milhões
O que faz: ração para animais domésticos
LGTECH
Investimento: R$ 20 milhões
O que faz: elevadores
ANDRITA SUPLY
Investimento: R$ 1,5 milhão
O que faz: manejo de resíduos perigosos

ZERO HORA

Share

________________________________

Que beleza hein ! Depois reclamam que o estado do RS fica pra trás. Claro, fica pra trás por que tudo funciona devagar aqui. E depois falam dos baianos. Antes tivéssemos o mesmo ritmo dos baianos !



Categorias:Economia Estadual

Tags:

12 respostas

  1. Trabalho em Guaíba, e achava estranho que não havia nenhuma movimentação nas terras do distrito as margens da BR 116, agora entendi, são as tais licenças ambientais que entravam tudo, facilita vai todo mundo embora, perto do meu trabalho havia uma empresa americana de fabricação de lâminas para revestimento de madeira a Boise Cascade, ela funcionou por “apenas” sete anos e fechou as portas, hoje são apenas prédios abandonados, isso parece praga de madrinha. Pobre Guaíba.

    Curtir

  2. Gilberto….as coincidências são grandes demais para que não haja ligações umbilicais de uma coisa com a outra. Justamente enquanto as licenças do Distrito empacam…aí surge um anúncio explícito do Tarso de que quer trazer a Ford. Em alguma instância, podes apostar que a tramitação está passando por algum órgão federal. Com toda a certeza há um gargalo nessa história. É só ligar o desconfiômetro….que a gente percebe as movimentações “extra-campo”.
    Tá tudo desenhadinho. Tem IBAMA, tem FUNAI…tem muita gente lá de cima nisso aí.

    Curtir

  3. Ficou mais claro do que água de colônia…que o PT está tramando nos escaninhos do Governo Federal o entrave ao Distrito Industrial. Agora está tudo esclarecido. Mais óbivo impossível.
    E pra se passarem por benfeitores de Guaíba, querem trazer a Ford….exatamente pro lugar do Distrito. Será que a Dilma vai demorar mais do que 30 segundos pra liberar as licenças? hahaha

    Curtir

  4. “Guaíba parece que tem maldição… é incrível.”

    …e a maldição tem nome. Partido dos Trabalhadores.
    Primeiro enxotaram a Ford…depois melaram as licenças ambientais pro Distrito Industrial de Guaíba…e agora, querem a Ford….justamente pra enterrar o projeto da Yeda.
    Os caras são uns predadores sociais.
    Eu não sou nada fã da Yeda…muito pelo contrário…mas esse tal de PT é um cancro. Nada pode ser pior…e esse nanico do Tarso merece ser explodido em pedaços por uma homem-bomba do islã.

    Curtir

  5. “Isso nao tem nada de RS, os problemas sao de orgaos federais, que por algum motivo nao querem que guiba se desenvolva. Garanto que tem mao do PT ai, dai o Tarso entra e tudo se resolve de uma hora para outra e ele ganha credito.”

    Na mosca, Phil!!! Agora, conincidentemente, o PT acena com a volta da Ford…que era pra ser sabe onde? Justamente na área do Distrito Indutrial de Guaíba. Que baita coincidência, tchê!!!
    Depois quando eu digo que político bom é político morto, ainda me criticam.
    O Lula é o covarde do ano…pois deu asilo ao Batistti na undécima hora, no apagar das lizes, no último segundo, no canto do cisne…e saiu à francesa. Retirante sem culhões pra decidir.
    O Tarso é como os italianos apelidaram – o juíz da bronha.
    São esses pulhas que decidem os nossos destinos.

    Curtir

    • Gente, calma aí! Eu não gosto do PT tanto quanto vocês, mas aí achar que isso aí é coisa deles, não tem nada a ver. A FEPAM é uma fundação estadual. Ela é que da as licenças para as empresas funcionarem no distrito industrial de Guaíba. Não tem nada a ver com o Governo federal isso. Vocês estão querendo criar uma conspiração onde não há. Pode até ter leis federais, mas quem aplica elas é a FEPAM. Entrem no site da FEPAM e olhem. Não viagem por favor ! http://www.fepam.rs.gov.br/institucional/institucional.asp (segundo o site “A Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luis Roessler* – FEPAM, é a instituição responsável pelo licenciamento ambiental** no Rio Grande do Sul. Desde 1999, a FEPAM é vinculada à Secretaria Estadual do Meio Ambiente – SEMA”. ). Onde entraria o Governo Federal aí ?

      Curtir

  6. e esqueceram da FUNAI que agora resolveu “achar” vestigios indigenas….
    essa nao eh do governo estadual!

    Curtir

  7. A culpa é unicamente do povo.

    – A fepam demora demais pois tem leis demais e complexas demais para avaliar.
    – Existem leis demais e complexas demais pois o congresso (que faz as leis) não pensa estrategicamente e redige leis demais, sem coesão e provavelmente com sobreposição de obrigações.
    – O congresso faz as leis assim pois não é composto de individuos qualificados para o trabalho que tem. O tiririca é apenas o ápice disto. Danrlei, Romário e outros estão lá também. Danrlei e Romário não vão criar e votar apenas leis sobre o esporte, assim como Tiririca não vai criar e votar apenas leis sobre entretenimento. Imaginem essa turma redigindo, votando, propondo emendas em leis ambientais… Vão botar na lei que a fepam deve contar as tartarugas… Os outros congressistas menos celebres não são em geral mais qualificados.
    – O congresso é composto desses indivíduos pois é o que o povo vota. O povo não pensa que a pessoa deve ter qualificação. Pensa que a pessoa deve ter simpatia apenas.
    – O povo pensa que seu representante deve ter simpatia pois não valoriza adequadamente competência, capacidade intelectual e motivação, entre outros fatores afins.
    – O povo não valoriza isto pois a cultura do brasileiro é valorizar a simpatia em detrimento de valores que lembrem a competitividade. Isto é, o brasileiro é um povo servil, que apenas serve para os outros.

    Para mim a solução é campanhas fortes de esclarecimento a população quanto a importância do grau de estudo, curriculo, qualificação e realizações anteriores de cada candidato, e que, na falta de um bom candidato, não vote em nenhum. Isto obrigaria os partidos a afiliarem pessoas com mais qualificação. Assim teriamos leis decentes e Guaiba teria o desenvolvimento que merece.

    Curtir

  8. Gilberto, o principal problema da FEPAM é burocracia demais.
    São muitas leis ambientes para serem analisadas conforme cada projeto.
    Até onde sei é isso que acontece (já que minha área é a de TI).
    Por causa do excesso de burocracia, os servidores responsáveis levam meses (tem casos que levam até mais de um ano) para liberar um licença de operação.

    Curtir

  9. Guaíba parece que tem maldição… é incrível.

    Curtir

  10. Isso nao tem nada de RS, os problemas sao de orgaos federais, que por algum motivo nao querem que guiba se desenvolva. Garanto que tem mao do PT ai, dai o Tarso entra e tudo se resolve de uma hora para outra e ele ganha credito.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: