Compahc aprova projeto de duplicação da Voluntários

Após as discussões em torno das alternativas de traçado para a duplicação da avenida Voluntários da Pátria, o novo desenho da via foi definido. A alternativa foi apresentada na na reunião do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico Cultural (Compahc) e aprovada por unanimidade. O projeto mantém o traçado original, apresentando pequenas alterações nos pontos necessários, segundo o coordenador da Memória Cultura da Secretaria Municipal de Cultura, Luiz Custódio.

Projeto preserva as fachadas de prédios históricos Foto: Divulgação/PMPA

O trecho que será duplicado corresponde ao espaço entre a rua da Conceição e a avenida Sertório. O impasse se dava em virtude da existência de bens de interesse cultural no local. Anteriormente foram apresentadas três alternativas, que não se adequaram ao projeto e, como se buscava preservar os prédios históricos, o traçado original era inviável.
 
Custódio explica que a opção pela manutenção da maior parte do desenho inicial se justifica pela preservação exclusiva das fachadas históricas, uma vez que o corpo das edificações não foram conservados. “A parte de trás das fachadas não é problema. Por isso, as alterações aprovadas consistem em desvios por trás das fachadas”.
 
Entre as fachadas preservadas, destacam-se as de edificações do início do século passado, com obras, inclusive, do arquiteto alemão Theo Wiederspahn.
 
Para o secretário de Gestão e Acompanhamento Estratégico (Smgae), Newton Baggio, a solução apresentada amplia a proposta examinada anteriormente, buscando espaço para a preservação das fachadas da Voluntários da Pátria, que poderiam ser removidas. “Com a ampliação do canteiro central, ficam estabelecidos os espaços necessários para a preservação e qualificação da área, mantendo as fachadas que serão restauradas”.

 
O projeto

A duplicação da Voluntários da Pátria é uma das dez obras de mobilidade da Matriz de Responsabilidades para a Copa de 2014. Entre a rua da Conceição e a avenida Sertório, a via será transformada em avenida de pista dupla, com três faixas em cada sentido. O projeto inclui a implantação de faixa preferencial para circulação de ônibus, ciclovia, canteiro central e passeios laterais.

Prefeitura de Porto Alegre

Veja no esquema abaixo, em imagem do Google Earth, a localizaçção e extensão da Voluntários. Rotacionei o mapa para ficar melhor de visualizar.


Voluntários, duplicada, será grande avenida e estimulará a valorização e ocupação do 4º Distrito.
Clique para ampliar. 

 

Share

Vale publicar aqui, na parte principal do Blog, comentário do Marcelo, do Blog Massa Crítica, sobre o mesmo tema acima:

Nasce uma nova Farrapos.

Publicado em janeiro 27, 2011 por Marcelo

Avança o projeto da Prefeitura Municipal de Porto Alegre e do carrólatra Fortunati de transformar Porto Alegre num grande edifício garagem, construindo obras monumentais em devoção ao Deus Carro que atestam a falência do transporte público coletivo da cidade.

Hoje o Conselho Municipal do Patrimônio Histórico Cultural (Compahc) aprovou o projeto de alargamento da av. Voluntários da Pátria (simulação do projeto na imagem acima). Vai acontecer provavelmente o mesmo que aconteceu com a Av. Farrapos, Carlos Gomes, Dom Pedro, a rua vai se tornar um grande deserto cinza, desagradável de se caminhar (e de viver).

Mais espaço para os carros e menos espaços verdes e para as pessoas, essa tem sido a política constante do governo Fo-Fo: tirando um pedaço considerável do Parque Marinha, extinguindo canteiros para remodelar a rótula da Avenida Nilo Peçanha; sempre em detrimento do conforto e fluxo dos pedestres, colocando gradis, fazendo os pedestres darem voltas ridículas para atravessar uma rua, abrindo para carros ruas que antes eram peatonais.

E em nenhum único momento a atual gestão da prefeitura pensa em qualificar o fluxo, beneficiar e incentivar a circulação de pedestres. Em ruas como a Dr. Flores e na própria Voluntários da Pátria, na quadra entre a Cel. Vicente e a Pinto Bandeira, os pedestres têm que caminhar pelo meio da rua pois as calçadas são estreitas demais para dar conta de todo o fluxo. Mas Fortunati e sua equipe nunca pensam em alargar calçadas, não, a política da Prefeitura, refletida na EPTC, é só privilegiar o fluxo de automóveis em detrimento da qualidade de vida, em detrimento da própria vida, visto que os automóveis são os principais responsáveis pela morte de jovens no país.

Além do mais o alargamento prevê uma faixa preferencial para ônibus. O que é isso? Um retrocesso dos corredores exclusivos para ônibus? Os coletivos terão que passar pedindo licença para os automóveis particulares, contar com a boa vontade dos motoristas para deixá-los passar – o que nunca vai acontecer? Espero sinceramente que não.

Ah, é claro, o lado bom (será?) o projeto de alargamento da Voluntários prevê ciclovia. Só nos resta rezar para que não seja em cima da calçada.

Fonte: http://massacriticapoa.wordpress.com/2011/01/27/nasce-uma-nova-farrapos/



Categorias:COPA 2014, Revitalização 4º Distrito

Tags:,

52 respostas

  1. Marcelo,

    O voto é o que distingue o cidadão de um mero habitante. De resto, naturais, naturalizados ou extrangeiros, são indistintamente detentores dos mesmos direitos e deveres para com o Estado. Aquele que possui capacidade para votar e não o faz, sem justificativa legal, estará abrindo mão de sua cidadania e dos direitos vinculados a ela.

    O ato de votar equivale a assinatura de um contrato com o Estado. Trata-se de um contrato de adesão, cujas cláusulas não podemos, a priori, negociar. Mas não somos obrigados, pelo princípio da autonomia da vontade, a aderir a este contrato, ao contrário do que pensa o amigo. Todo o contrato, para ser válido, depende da livre manifestação da vontade das partes, que não pode padecer de vícios. Por isso que o voto é secreto, e que a boca de urna e a compra de votos são crimes eleitorias.

    Anular o voto, votar em branco ou votar em palhaços, são maneiras legítimas e democráticas de protesto. Em qualquer destas situações o eleitor estará convalidando seu contrato com o Estado e não estará abrindo mão dos seus direitos. Deixar de votar, portanto, vai além de uma expressão de revolta individual. Deixar de votar é a o modo legítimo de se negar a fazer parte do Estado.

    Esse papo de voto obrigatório é uma falácia para induzir a sociedade bovina a escolher algum político falcatrua.

    O vínculo entre o Estado e o cidadão só pode ser rompido unilateralmente, pelo cidadão. O Estado não pode se negar a conceder os direitos vinculados ao status societatis a quem preencha os requisitos. Mas o sujeito desprovido de espírito republicano, que não quizer fazer parte do Estado, pode recusar tais direitos.

    Em países onde o voto não é obrigatório, não existe a possibilidade de o sujeito abster-se de sua cidadania. Prefiro o nosso sistema, pois é mais democrático.

    Curtir

  2. E tirando os partidos mais radicais tipo PCO, os partidos nem mais ideologia ou identidade têm. A ideologia de todos parece ser “chegar ao poder” pura e simplesmente.

    Hoje em dia até mesmo as diferenças entre partidos de esquerda e direita é mínima (vide PT aliado com PL e outras alianças esdrúxulas), tudo vale para chegar ao poder e nos manter acreditando na “democracia” representativa. Como pode ser democracia se não temos nem o poder de não votar?

    Curtir

  3. Ih, Klaus, daqui a pouco vão dizer que a EPTC é coisa do PT e tá mentindo pra favorecer o “povão”.

    Curtir

  4. Sempre me impressiono com as pessoas que teimam em enxergar qualquer discussão como PT x Anti-PT. Ser antipetista é tão ridículo quanto ser petista já que PT, PSDB, PMDB, PDT, DEM, tem mínimas diferenças. Parem de ler Reinaldo Azevedo.

    Curtir

  5. Guilherme,

    Faz um esforço para imaginar como seria o trânsito caso ao invés de andar de ônibus esse povão a quem você se refere de maneira depreciativa utilizasse o automóvel.

    Bom, seria uma maravilha pois finalmente o trânsito iria parar de uma vez por todas e ia ter gente demorando dias para chegar em casa e outros abandonando o carro no meio da avenida transformada em estacionamento.

    Aí existiria a possibilidade de mudarmos o rumo e transporte coletivo e transporte não motorizado virem a ser valorizados.

    É patético investir mais e mais em um modal de transporte que promove grande parte da violência urbana e é extremamente ineficaz. 99% de todo petróleo queimado é para mover o carro e 1% a pessoa dentro. O ônibus tem um motorzão mas leva tanta gente que é bem melhor que o carro. Uma bike tem eficiência de 80% e só 20% da energia do feijão com arroz é gasta para mover a magrela.

    Sobre chegar como um porco no trabalho só é ruim se estas se referindo aos porcos que as pessoas escravizam pois porco é um animal super limpo. Suor não é uma coisa de outro mundo. Os prédios onde trabalhamos devem vir a ter estrutura para as pessoas tomarem banho e trocar de roupa antes de trabalhar. Não esquece que bicicleta não tem para-brisa e por isso podes curtir ela que serve como ar condicionado.

    Quem tem dúvida que duplicar avenida não adianta é só dirigir pelas perimetrais em horário de pico. Parece um grande estacionamento em que as pessoas estranhamente não saem dos carros.

    Os corredores da Carlos Gomes ficam parecendo vazios, mal aproveitados pelos motoristas mas PASMEM!!!! Segundo a EPTC passam mais pessoas ali de ônibus que de carro!!!!!!!!!!!!!!!

    Curtir

  6. Entramos em outro problema. Acho que em primeiro lugar grande parte dos ônibus estão desregulados e o diesel comum deveria ser substituido por biodiesel. Também não é preciso um número de ônibus tão grande circulando no mesmo trecho. A Farrapos merecia um BRT integrado com a Sertório.

    Em segundo lugar a Farrapos precisa de mais verde. A remoção de uma das faixas de carro, permitiria o alargamento das calçadas e o plantio de árvores, que fariam sombra, embelezariam a avenida e reduziriam a poluição sonora e atmosférica.

    Quanto as pessoas se incomodarem porque “o povão” fica nas paradas, não vou nem comentar porque esse argumento é de um preconceito e elitismo totalmente dispensáveis.

    Curtir

  7. Lembrando que a Farrapos virou o que é não pelos carros…
    E sim pelos CORREDORES de onibus tão defendidos aqui.
    Conheço pessoas que moram a muitas decadas la, ja falaram até em reportagens da ZH, todo o barulho dos onibus, a poluição do DIESEL queimando, o povão que fica nas paradas, o chão tremendo com o peso dos onibus…. alias, corredores de onibus acabaram com varias areas de Poa.
    Assis Brasil, Bento, Farrapos… olha a situação dos corredores da 3 perimetral… mas la é uma area tão valorizada, que pra virar o estrago que ta as outras avenidas… vai precisar de muito ainda…

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: