Porto Alegre tem menor desemprego entre as regiões segundo IBGE e 2º menor para Dieese

Para o IBGE, desemprego foi de 4,5%, enquanto para o Dieese, taxa chegou a 8,7%

Entre as taxas de desemprego nas Regiões Metropolitanas em 2010 divulgadas nesta quinta-feira, Porto Alegre conquistou o posto de menor desemprego entre seis capitais, segundo dados divulgados pelo IBGE, e segundo menor desemprego entre sete capitais, de acordo com o Dieese.

Para o IBGE, a Região Metropolitana de Porto Alegre registrou desemprego de 4,5% no ano passado. A segunda menor taxa foi registrada em Belo Horizonte, 5,5%.

Já para o Dieese, Belo Horizonte foi a capital com menor desemprego em sua Região Metropolitana, com taxa de desemprego de 8,4%. Para Porto Alegre, o Dieese apontou desemprego de 8,7%.

As duas pesquisas usam metodologias diferentes para calcular o desemprego. Enquanto o IBGE calcula apenas o desemprego aberto (pessoas que procuraram trabalho de maneira efetiva nos 30 dias anteriores ao da entrevista), o Dieese leva também em conta o desemprego oculto pelo trabalho precário (pessoas que realizam trabalhos ocasionais ou em ajuda a parentes e que procuraram mudar de trabalho nos 30 dias anteriores ao da entrevista) e pelo desalento (pessoas que não possuem trabalho e nem procuraram nos últimos 30 dias anteriores ao da entrevista, por desestímulos do mercado de trabalho).

A pesquisa do IBGE se chama Pesquisa Mensal de Emprego (PME) e sua série histórica começa em março de 2002. Para realizar a pesquisa, mensalmente, cerca de 400 servidores do instituto visitam aproximadamente 44 mil domicílios em seis regiões metropolitanas: Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Já o Dieese realiza mensalmente a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED). Na Região Metropolitana de Porto Alegre, a série histórica de dados inicia em 1992. Os dados são coletados em parceria com a Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser (FEE), a Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS/SINE-RS), a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, a Secretaria da Justiça e do Desenvolvimento Social do Estado do Rio Grande do Sul, a Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado do Rio Grande do Sul. São pesquisados em torno de 2.500 domicílios por mês, sem repetição das unidades selecionadas, de modo a garantir a aplicação de questionários em, no mínimo, 6.000 domicílios por trimestre.

ZH DINHEIRO

Share



Categorias:Outros assuntos

1 resposta

  1. Lamentavel, com emprego, as pessoas compram carros e apartamentos, fazendo da nossa bela cidade uma nova São Paulo, assim nao teremos mais areas verdes na cidade.
    Cade o prefeito pra bota esse povo pra rua?
    Tem que caçar seus próprio alimento, para salvarmos o mundo.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: