BAIRRO DE POBRE, BAIRRO DE RICO

Cerca de 30 famílias ficaram desabrigadas porque um incêndio atingiu a Vila Chocolatão, ao lado do prédio da Receita Federal de Porto Alegre. Foi terceiro incêndio na vila. Em um dos sinistros, um morador iniciou o fogaréu para se vingar da ex-mulher. Será que Porto Alegre não tem como remover aquela vila e seus moradores ou ela ficará aí para sempre?

Boa pergunta. Pobre tem alguns direitos que rico não tem. Aliás, nem a classe média tem. Por exemplo, vá alguém construir uma casa ou chalé em um parque público, que é o caso. Vale o mesmo para a orla do Guaiba. Há várias vilas nela, mas o Pontal do Estaleiro não pode. Este pessoal tem vista privilegiada para o lago-rio, o que é negado para o resto da população. Ela pode caminhar na área e olhe lá.
Existem alguns aspectos urbanísticos que são curiosos. Quem começou a construir barracos nos morros foram os pobres. Peguem o Morro da Cruz. Quanto valeria um condomínio classe A no topo? Os ricos descobriram depois, e mesmo assim em áreas restritas, como no Morro do Osso. Mesmo assim, tem que dividir o espaço com os índios. Que de lá não saem e ninguém os tira, embora a Funai já tenha dito que nada tem a ver eles.

Fernando Albrecht

Share



Categorias:Outros assuntos

Tags:, , , ,

17 respostas

  1. Concordo que a justiça social não será alcançada nivelando por baixo, por isso precisamos garantir os mesmos direitos que temos ao resto da sociedade antes de sermos capazes de cobrar qualquer coisa deles.

    Curtir

  2. Assim, num país em que alguns cidadãos não tem os mesmo deveres que outros, NUNCA vamos construir uma sociedade de verdade, mas um país de marginais, onde tudo pode, quando se está com fome.

    A justiça social, que todos querem, não vai ser conquistada dessa forma, nivelando todos por baixo, justificando um erro por outro ou criando exceções a ordem pública.

    Curtir

  3. A propósito, se vamos proibir pessoas de morar na rua por causa da sujeira que elas fazem, vamos aplicar a mesma lógica a outros setores.

    Estima-se que 80 mil pessoas morram por ano no Brasil por doenças relacionada à poluição atmosférica. E a principal causa da poluição atmosférica? Automóveis! Podemos dizer então que a liberdade de algumas pessoas de usar o carro está passando por cima da liberdade de milhares de outras pessoas de levar uma vida saudável. Devemos então proibir o uso do carro? Ou recolher todos os carros e levá-los para depósitos, onde eles não farão mais mal a ninguém?

    Curtir

  4. Anderson,
    Por que será que eles fazem suas necessidades nas ruas? Os banheiros da Redenção fecham às 18h ou 19h e abrem só pelas 8h da manhã. Até minha irmã já passou por apuros porque foi na Redenção de manhã cedo caminhar e teve um desarranjo e os banheiros estavam fechados. A sociedade não pode culpar os moradores de rua por fazerem suas necessidades na rua se não oferece pouquíssimos banheiros públicos.

    Julião, os cidadãos só tem os mesmos deveres à medida que tiverem os mesmos direitos. Não podes exigir que uma pessoa seja um cidadão exemplar se tem seus direitos mais fundamentais violados diariamente.

    Curtir

  5. Somos livres e essa liberdade vai até onde começa o direito de outras pessoas, mas todos devemos se submeter a mesmas lei.

    Chega de querer construir um país com 2 ordens públicas: a dos pobres e a dos ricos. Chega de usar a questão social para criar uma “luta de classes”. Enfim, chega de COITADISMO!

    Curtir

  6. Marcelo, não confunda liberdade com bagunça. Se a pessoa não consegue se manter, ou vai pra abrigos ou dá um jeito e sai da rua. A partir do momento que ele prefere dormir na rua, ele está prejudicando os demais. Porque é na rua que ele faz sua necessidades básicas. Tu nunca tentou dar uma caminhadinha pela redenção e teve que desviar de algum montinho de m…? Eu tive e muito. Porque sempre preferi morar nos bairros centrais.
    Eu queria ver tu e esse bando de playboy esquerdista a la Manuela D’ávila fazendo o trajeto que eu faço todo dia. Se não iam ficar enojados com o que se vê nas ruas.
    Ainda ontem, no início da noite, cortei de cima a baixo a Rua da Praia. A nossa “Rua das Flores”.
    Vou privar todos das cenas dantescas que vi. E outra: vou voltar a usar meu carro pra não ter que terminar meu dia triste vendo aquilo tudo, como aconteceu ontem. Eu até tava tentando a usar menos meu carro depois de eu ver tanta gente aqui defendendo que o carro é o fim dos tempos, que as pessoas deveriam pedalar mais, caminhar mais, usar o transporte público…
    Mas enquanto tiver gente que defende que os mendigos tenham essa liberdade de fazer o que fazem, nunca vai dar pra chegar a esse estágio de usarmos menos o carro.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: