Especial: Deficiências de ônibus e metrôs aceleram o uso do transporte individual

Presença de ônibus nas ruas das cidades brasileiras caiu na última décadaEnfrentar congestionamentos já faz parte do cotidiano de 66,6% dos brasileiros. É o que revela o estudo do Ipea. Os moradores da região Norte do Brasil alegaram sofrer mais com engarrafamentos do que a média nacional: 76,3% enfrentaram trânsito carregado, seja mais de uma vez ao dia ou apenas uma vez por mês. Sudeste e Sul também superam a média do País, com respectivamente 69,1% e 67,3% de pessoas reclamando de congestionamentos. Abaixo da média estão o Centro-Oeste e o Nordeste, regiões nas quais 61,5% e 59,4% dos ouvidos na amostragem afirmaram enfrentar engarrafamentos.

Presença de ônibus nas ruas das cidades brasileiras caiu na última década. Foto: Ana Paula Aprato

Longas esperas nos pontos de ônibus, conduções lotadas, pouca ou nenhuma interligação entre meios de transporte, custo elevado e baixo conforto são reclamações constantes entre os usuários de transporte público no Brasil. O estudo do Ipea comprova esta percepção ao mostrar que 70% dos brasileiros qualificam o transporte público como regular, ruim e muito ruim. A falta de interligação de transportes afeta um a cada quatro brasileiros. A maioria da população conta apenas com a interligação ônibus-ônibus (33,2%). Só 6% dos brasileiros pode combinar em sua cidade ônibus-trem ou ônibus-metrô.

A baixa qualidade do sistema público, aliada à melhora de renda da população, resultou no crescimento galopante na frota de veículos particulares. Entre 2000 e 2010, a frota de automóveis cresceu 83,5%, passando de 20 milhões para 36,7 milhões. Mais barata e, portanto acessível a mais brasileiros, a frota nacional de motocicletas cresceu 284,4% nos últimos dez anos. No Norte e no Nordeste, a aquisição de motos aumentou mais de 400% no mesmo período. “A moto tem sido a alternativa encontrada pela população de menor renda frente aos avanços reduzidos do transporte público”, avalia Pochmann.

Na região Sudeste observa-se o maior percentual de utilização do transporte público: 50,7%. O menor está no Nordeste: 37,5%. Carro é o segundo meio de transporte mais usado nas regiões Sul (31,7%), Sudeste (25,6%) e Centro-Oeste (36,5%). No Nordeste, o segundo lugar fica com as motocicletas (19,4%) e no Norte, com as bicicletas (17,9%).

Os dados da Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) que mostram o crescimento dos gastos com transporte são explicados pela compra de veículos. Se em 2000, o brasileiro destinava em média R$ 146,60 para comprar carros ou motos, em 2010, ele investiu R$ 181,70 ao mês. Despesas com passagens e combustíveis avançaram menos de R$ 2,00 nos últimos dez anos, descontada a inflação. “O estudo revela que os avanços econômicos desta década foram convergentes com as decisões de transporte individuais. O transporte coletivo cresceu bem menos que a aquisição de veículos”, diz Pochmann.

Diferentemente dos países desenvolvidos que privilegiam os meios de transporte sobre trilhos, no Brasil 88,8% dos usuários de transporte público dependem do ônibus, o que equivale a um universo de mais de 170 milhões de pessoas. A Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 vão favorecer algumas cidades brasileiras, principalmente Rio de Janeiro e São Paulo, com a inauguração de novos trechos e linhas de trem e metrô. Mas na avaliação de Pochmann isto não será suficiente para melhorar de forma consistente o transporte público no Brasil. “É preciso olhar o Brasil como um todo. Temos grandes diferenças regionais, especialmente nas regiões Norte e Nordeste”.

Sob algumas condições, 71% dos brasileiros aceitariam deixar o carro ou a moto na garagem e utilizar transporte público. A maioria, 20,8%, usaria o transporte coletivo se fosse mais rápido. Outros 15,7% o fariam se tivesse ônibus, metrô ou trem disponível. Se fosse mais barato é a condição para 9,2% dos brasileiros repensarem sua escolha pelo transporte individual. “A população mostra-se interessada em usar o transporte público. Opta pelo transporte individual pela falta de qualidade do público. No curto prazo, a ênfase no transporte individual pode ser menos onerosa ao poder público. Mas no longo prazo representa um custo elevado, inclusive de qualidade de vida e produtividade”, conclui o presidente do Ipea, que defende a elaboração de uma política nacional de transporte coletivo, cujo foco seja trem, metrô e VLT (veículo leve sobre trilhos), na qual o governo federal ajude os estados e municípios em investimentos e planejamento.

Aumenta a proporção de carros no País

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apresentou na semana passada a pesquisa Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) sobre mobilidade urbana. O estudo, que ouviu 2.770 pessoas em todos os estados do País, revela que 44,3% da população brasileira têm no transporte público seu principal meio de deslocamento nas cidades. Na região Sudeste, o percentual atinge 50,7%. Apesar da importância desse tipo de transporte, a quantidade de ônibus em circulação no Brasil cresceu menos, de 2000 a 2010, do que a quantidade de veículos particulares. Atualmente, há um ônibus para cada 427 habitantes do País, e, em 2000 era um para cada 649 pessoas. Em relação aos carros, a proporção hoje é de um automóvel para cada 5,2 habitantes, enquanto há dez anos era de 8,5.

Apresentada pelo presidente do Ipea, Marcio Pochmann, a pesquisa revela também os contrastes na escolha dos tipos de transporte de cada região brasileira. A metade das pessoas que andam de ônibus no País estão na região Sudeste, enquanto 45,5% daqueles que utilizam bicicleta moram na região Nordeste. Da mesma forma, 43,4% dos utilizadores de motocicleta também são habitantes do Nordeste.

Pochmann explica, a partir da leitura dos dados da pesquisa, que “houve uma mudança de ponto de vista da composição da frota. Em 2000, os automóveis eram 62,7% do total de veículos no Brasil. As motos eram 13,3%. Agora, em 2010, os automóveis são 57,5%, contra 25,2% das motos. Para cada ônibus novo surgido e colocado em circulação nos últimos dez anos, apareceram 52 automóveis”, afirma o presidente do Ipea.

Um dos dados citados na apresentação do estudo, retirado da Pesquisa de Orçamento Familiar do IBGE, é o de crescimento dos gastos com transporte. Em 2000, esse tipo de serviço abocanhava 18,7% das despesas de consumo do cidadão, em média. Em 2010, chegou a 20,1%, enquanto o custo da alimentação caiu de 21,1% para 20,2% no mesmo período. Maior que essas despesas só o gasto com habitação: subiu de 36,1% em 2002/2003 para 36,8% em 2008/2009.  “Ações que possam reduzir o peso do custo do transporte representariam um ganho de renda para as famílias, especialmente para as famílias mais pobres. Portanto, um adicional enfrentamento da pobreza e da desigualdade do País”, disse Pochmann. Para ele, a expansão da frota brasileira na última década se deu especialmente por meio de motos e automóveis. “Houve crescimento no transporte coletivo, mas não na mesma proporção. A população tem interesse em usar o transporte público, mas ainda precisa identificá-lo mais com características de rapidez, melhor preço e segurança. Há espaço para ação em matéria de políticas públicas”, disse.

Brasileiro critica a demora e impontualidade do serviço. Foto: Gabriela Di Bella / JC

A rapidez é o fator que mais influencia o usuário na escolha de seu meio de transporte, segundo afirmação de 32,7% dos entrevistados; seguido do preço (14,8%), do conhecimento do usuário do tipo de transporte (10,5%), da facilidade de utilização (8,3%) e do horário adequado à necessidade do usuário (5,7%).

A pontualidade também é um outro ponto decisivo na questão da escolha do meio de transporte. Para 41,5% dos brasileiros, sempre há atraso na frequência dos transportes públicos. A soma desse porcentual com o índice dos que responderam que na maioria das vezes ocorrem atrasos (28,8%) mostra que 70,3% da população percebem falta pontualidade na frequência dos transporte públicos.

“A pesquisa demonstra que há espaço para a construção de políticas para a redução do custo do transporte nas despesas familiares. O transporte representa hoje a segunda despesa mais alta no orçamento das famílias. Ações que possam reduzir o peso do custo do transporte seriam um ganho de renda para as famílias”, diz Pochmann.

Para ele, o país deveria dar ênfase ao transporte público. “Em países desenvolvidos o principal meio de transporte é o coletivo. Isso pressupõe investimentos em infraestrutura de grande magnitude e uma articulação do setor público com o privado, porque sem esse esforço vamos ter cidades com maior quantidade de automóveis que implicará em congestionamentos mais amplos do que já temos, o que implica maior perda de produtividade e maior tempo da vida comprometido no deslocamento”.

A qualidade do transporte público é ruim para 19,2% da população brasileira e muito ruim para 19,8%, de acordo com estudo divulgado pelo Ipea. O porcentual de insatisfeitos, portanto, chega a 39%. Por outro lado, 26,1% veem o transporte público como bom e apenas 2,9% o consideram muito bom, em um total de 29%. Ele é regular para 31,3%. “Este estudo serve para chamar a atenção para a inadequação desse modelo”, disse o presidente do Ipea, referindo-se à priorização do transporte individual em detrimento do transporte coletivo. “Há espaço para o avanço das políticas públicas.”

Na região Sul estão os mais satisfeitos com o transporte público: 44,9% o consideram bom ou muito bom e 23,5% o acham ruim ou muito ruim. Já na região Sudeste se encontram as opiniões mais negativas: apenas 24,5% o veem como bom ou muito bom e 45,9% o consideram ruim ou muito ruim – este número é muito próximo ao da região Norte: 45,8%. O levantamento mostra também que uma em cada quatro (26,3%) pessoas no País vive em cidades em que não há integração entre meios de transporte. Não usam a integração, apesar de ela existir, 27,5%. Dentre aqueles que a utilizam, 33,2% o fazem trocando de um ônibus para outro. Depois, a mais frequente é a troca de um ônibus para o metrô: 4,9%.

O estudo do Ipea aponta que, quanto maior o nível de escolarização das pessoas, mais crítica elas se tornam em relação à qualidade do transporte público. Ele é bom ou muito bom para 34,9% das pessoas com até a quarta série do ensino fundamental – 22,5% o acham ruim ou muito ruim. Já para quem tem ensino superior incompleto, completo ou pós-graduação, 20,1% o consideram bom ou muito bom e 36,9% o acham ruim ou muito ruim.

Maioria reclama de desrespeito a pedestres e a ciclistas

A maioria da população brasileira percebe desrespeito a pedestres e ciclistas no trânsito, de acordo com levantamento do Ipea. O índice mais alto dos que nunca veem respeito aos pedestres e ciclistas está no Nordeste: 47,3%. Já 15,9% raramente veem respeito. Nessa região, 17,9% acham que sempre há respeito e 18,4% o veem na maioria das vezes. Na outra ponta está a Região Sul, onde 42,4% alegaram que sempre há respeito e 17% disseram que ele existe na maioria das vezes. Para 20,3%, raramente há respeito e somente 15,3% dizem que ele nunca existe. A soma dos que nunca veem respeito com os que não o percebem na maioria das vezes é mais alta na região Centro-Oeste, com 63,6%, seguida do Nordeste (63,2%), Sudeste (62,4%), Norte (57%) e Sul (35,6%).

A pesquisa também avaliou a adequação e adaptação do meio de transporte mais usado por portadores de necessidades especiais. Para 31,2% dos brasileiros, o transporte está sempre adaptado às suas necessidades e 14,9% responderam que ele está adaptado na maioria das vezes. Já 5,7% dos entrevistados alegaram que raramente o meio de transporte está adequado e 34,8% responderam que nunca está adaptado. Os mais satisfeitos são os habitantes da região Sudeste, onde 51,2% dos entrevistados disseram que os transportes estão sempre adaptados às suas necessidades. Apenas 4,8%  dos entrevistados responderam dessa forma no Norte, região em que o índice é o mais baixo. Para 45,5% da população das regiões Centro-Oeste e Nordeste os transportes nunca estão adaptados às suas necessidades.

Jornal do Comércio

Share



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:, , , , , ,

13 respostas

  1. Sim, enquanto as pessoas levarem 1h para fazer um trecho de 20 mins, em um ônibus com gente pendurada nas portas, todos vão sonhar em ter um carro para ficar numa tranqueira com ar condicionado e som ligados.
    [x2]

    Ou então ficar “costurando” numa moto.

    Mas enquanto ficarem nivelando a qualidade do transporte coletivo por baixo, como se fosse uma forma absolutamente sádica de castigar o usuário por em alguns casos simplesmente não ter opção, as classes economicamente emergentes não vão deixar de sonhar com o carro próprio.

    Curtir

  2. O Carlos Augusto disse ali o que eu tava falando em outro post sobre onibus e carros.

    É assim que tem que ser, o sistema tem que fazer quem tem carro deixar o carro em casa e ir de bus pro trabalho.

    Não adianta ser mais barato andar de onibus do que manter um carro com ipva e seguro, tem que ser mais barato do que tu gastaria em combustivel e estacionamento, ai sim…

    Curtir

  3. Esse relatório tem que ser levado às autoridades (prefeitos, governadores, vereadores, etc) e devemos perguntar o que eles pensam sobre isso. Vão continuar pensando em como punir quem sofre com ônibus e decide comprar um carro? Ou vão melhorar o que é péssimo para que se torne aceitável? A escolha é óbvia. Somente a incompetência ou corrupção pode forçar a escolha errada.

    Sobre o transporte publico em Porto Alegre e grandes capitais, o relatório falha em não dar a dimensão do caos que o mesmo é. Colocar cidades pequenas, médias e grandes na mesma estatística foi o ponto fraco. Se 35% acham o transporte publico bom na região sul como um topo, considerando que isso incluir cidades pequenas onde um transporte simples funciona bem, qual terá sido o resultado em Porto Alegre?

    Para dar força ao relatório coloco meu exemplo. Eu moro perto do parcão e trabalho na PUC. Uso carro todo dia e posso pagar por isso. Mas é um trajeto curto, eu preferiria nem tirar o carro da garagem pois dirigir é estressante. Gostaria de ir pro trabalho lendo um livro pro exemplo. Afinal, a PUC tem que ser o destino de várias linhas. Procurei no site da EPTC linhas de ônibus ou lotação. É muito dificil encontrar o que se procura lá. Depois de muito procurar achei um mapa em PDF com TODAS as linhas sobrepostas, de difícil leitura. Mas é melhor que analisar cada uma das 15 linhas que passam pela Goethe. Achei um ônibus e experimentei usá-lo um dia. Peguei o ônibus na frente do parcão. Após chacoalhar pelo montserrat inteiro durante 15 minutos, o ônibus passa a duas quadras de onde peguei. Fiquei indignado. Não há uma linha que passe pela Goethe e vá pra PUC, seja pela Ipiranga ou Bento. Não vale a pena pegar duas conduções pois sairia bem mais caro que usar o carro. Esta foi o fim da minha experiência.

    Outra idéia esdrúxula são os corredores de ônibus quando sobrecarregados. Quando usado por poucas linhas linhas eles ajudam. Mas na Assis Brasil é muito mais demorado pelo corredor de ônibus do que pela própria avenida. Isto sem mencionar as avenidas laterais, que apesar de ter alguns desvios são ainda mais rápidas para carros.

    Por fim, notem que o relatório aponta aquilo que é obvio. Transporte público tem que ser feito sobre trilhos. Isto quer dizer que os portais da cidade serão um desperdício de dinheiro. Uma idéia tacanha, que não resolve, que saturará em poucos anos, que será inaugurada com pompa e analisada como desastre em 2020. O bonde (ou VLT) tem capacidade para muito mais passageiros. Precisamos de umas poucas linhas de VLT no eixo da Assis Brasil por exemplo, com passagem integrada e baldeação no triangulo e alguns poucos pontos para resolver o problema desta avenida. Não há isso nem em projeto.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: