Segurança: T3, a linha do medo

Desde o começo do ano, os carros da T3 já foram atacados 15 vezes – em todo 2010 foram 23 casos. Criminosos agiriam em trio e um deles está detido

Maioria dos ataques acontece na região da Vila Cruzeiro - Daniel Marenco, BD /

Motoristas, cobradores e passageiros da linha T3 estão em alerta. Uma onda de assaltos à linha, desde o começo do ano, tem assustado quem trabalha e usa o ônibus que corta a Capital de Norte a Sul.

O Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre esteve reunido ontem à tarde para discutir a situação. Hoje, deve ocorrer uma reunião com a Carris para saber o que a empresa pretende.

– Um suspeito foi preso

Do dia 1º de janeiro, 15 assaltos foram registrados na T3. O número é considerado alarmante tanto pela Carris quanto pelo sindicato. Em todo 2010, aconteceram 23 ataques na T3.

Só no sábado passado, quatro roubos, todos no trecho entre a Rua Cruzeiro do Sul e a Avenida Divisa, na Vila Cruzeiro, mobilizaram a BM e a Polícia Civil. Conforme o chefe de investigações da 20ª DP, Marco Antônio de Oliveira, os criminosos agem em trio. No mesmo sábado, um suspeito, de 24 anos, foi preso pela BM.

– Ele teve prisão temporária decretada pela Justiça e já identificamos dois comparsas dele – disse Marco.

– “A gente não vê policiais”

Para o vice-presidente do sindicato, Gérson Assis, o aumento no número de casos é reflexo da falta de policiamento:

– A gente não vê policiais nas ruas. Não vemos mais barreiras como no ano passado. A falta de policiamento motiva e incentiva um número crescente de assaltos e violência dentro dos coletivos – afirma.

– Comandante promete

Para combater a onda de ataques, o comandante do 1º BPM, tenente-coronel Clóvis Reis da Silva Júnior, promete reforçar as ações:

– Temos trabalhado com PMs circulando nos ônibus e com o serviço de inteligência.

Reis lembra que, na madrugada de ontem, PMs prenderam um casal e um adolescente que assaltaram um ônibus da linha Orfanatrófio.

 

Diário Gaúcho

 

 

 

 

 

 

 

 



Categorias:segurança

Tags:,

6 respostas

  1. Solução, parar de circular na vila. Garanto que os “chefes” desses lugares vao garantir que ninguem assalte la, afinal, pessoas de suas famílias, amigos e afins perderão uma linha de transporte. Foi assim no RJ.
    [x2]

    Já que o Tarsinho é do PT essa pode ser a solução. Mas seria bom ter um governador que resolvesse botar ordem no galinheiro e permitisse à Brigada e à Polícia Civil agirem com pulso firme contra traficantes, assaltantes e outra praga urbana que são os pichadores.

    Curtir

  2. Solução, parar de circular na vila. Garanto que os “chefes” desses lugares vao garantir que ninguem assalte la, afinal, pessoas de suas famílias, amigos e afins perderão uma linha de transporte. Foi assim no RJ.

    Curtir

  3. Phil, vá o cidadão de bem ver a via-crucis que é conseguir ter uma arma regularizada nesse país…

    Curtir

  4. O crime no brasil e RS e’ comandado por gente de muita grana, possivelmente ate’ politicos envolvido. PRQ nao e’ possivel nao ter check points em toda cidade, para ir de qualquer lugar e vir de qualquer lugar deveria haver check points, correr as placas de todos que passam e olhar dentro dos carros procurando gente suspeita. E a populacao nao se arma nao se defendem nao se organizao, so’ reclamam e votam no PT (braco politico do crime organizado).

    Dai a unica coisa a fazer e’ pedir para levar um tiro na nuca que doi menos.

    Curtir

  5. Agora ele vai falar do esgoto

    Desculpa ae, não resisti 😀 😀 😀

    Curtir

  6. Agora, sim Eliseu!
    Post sobre segurança.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: