Manifestantes se acorrentam em protesto ao aumento da passagem da Capital

Ato ocorreu dentro do saguão da prefeitura de Porto Alegre como parte de um movimento que reuniu cerca de 100 pessoas

Seis pessoas se acorrentaram a um portão, dentro do saguão da prefeitura de Porto Alegre - Emílio Pedroso

Seis pessoas se acorrentaram a um portão, dentro do saguão da prefeitura de Porto Alegre, para protestar contra o aumento do preço das passagens do transporte coletivo da Capital nesta quarta-feira. Eles participavam da caminhada, que começou por volta das 11h30min na rodoviária.

Os manifestantes foram recebidos no Paço Municipal pelo secretário adjunto de Coordenação Política e Governança Local em exercício, Marcus Botelho. Ao fim da reunião, o grupo se acorrentou a uma grade de uma porta, no saguão. Eles reivindicavam a definição de uma dada para uma audiência pública com o prefeito, José Fortunati.

— É como os trabalhadores se sentem em suas casas: acorrentados por não terem como pagar pela passagem — disse o professor Rodrigo Briza, 28 anos.

Embora garantissem que só sairiam do local com a confirmação de uma data para um encontro com Fortunati, os manifestantes se soltaram uma hora e meia depois de se prenderem, às 14h30min. Eles disseram que receberam, por telefone, orientações de representantes sindicais para terminar o protesto porque o prefeito não os receberia.

— Esse é só o primeiro ato — revelou o estudante de Pedagogia da UFGRS Gabriel Zatt, 23 anos.

Grupo iniciou o protesto na rodoviária Foto: Emílio Pedroso

O grupo temia ser preso pela polícia ao se soltar. Assim, só aceitaram deixar a prefeitura depois que um advogado do Cpers foi ao local para garantir que não fossem levados a uma delegacia. Botelho assumiu o compromisso de marcar uma data para que os manifestantes se reúnam com o prefeito.

Cerca de 100 pessoas caminharam da rodoviária até a prefeitura, com faixas, pela Avenida Mauá. Eles foram escoltados pela Brigada Militar e por agentes da EPTC. Duas faixas foram bloqueadas para a passagem dos manifestantes e outras duas ficaram livres. Ainda assim, houve congestionamento na via.

Dois estudantes de comunicação percorreram o Arroio Dilúvio em um bote Foto: Genaro Joner

O movimento é integrado por diretórios acadêmicos da UFRGS e da FAPA, grêmios estudantis, Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD), Assembleia Nacional dos Estudantes – Livre (Anel) e partidos políticos.

Desde a meia-noite de hoje, os usuários de ônibus tem de desembolsar R$ 0,25 a mais a cada viagem – passam a pagar R$ 2,70 (até ontem, o valor era de R$ 2,45). Já os passageiros dos lotações pagarão R$ 4,00, em vez dos R$ 3,65 vigentes até essa terça-feira.

— É um absurdo que o salário mínimo aumente 6%, o salário dos deputados, 62% e a passagem, 10% — revolta-se a estudante de 18 anos Ludimilla Fagundes.

Ontem, carregando um faixa com a frase “Mais aumento, não aguento”, dois jovens percorreram o Arroio Dilúvio em um bote de plástico para protestar contra o aumento da tarifa dos ônibus de Porto Alegre no início da tarde desta terça-feira.

Aumento da tarifa:

O aumento foi aprovado em reunião do Conselho Municipal de Transporte Urbano. O presidente do órgão, Jaires Maciel, destacou que o reajuste foi menor do que o proposto pelo Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa), que queria passagem a R$ 2,81, correspondendo a 14,69% de reajuste.

ZERO HORA

Share



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:

30 respostas

  1. Ricardo, tens toda razão: não só bolas como tbem. muito humor, o que parece cada vez mais escasso nestes tempos, particularmente entre bom número de freqüentadores deste blog.
    Abr., Jorge

    Curtir

  2. Eu nasci em Porto Alegre mas a minha mãe é nordestina. Extremamente inadequado esse comentário do Jake. Quanto ao comentário do Marcelo, favorável à ocupação de ruas e ironizando ao sugerir eventuais protestos nas calçadas, se ao invés de terem feito dessa forma tivessem seguido o exemplo da dupla que navegou pelo Dilúvio, teriam feito um protesto bastante racional e legítimo. O teu direito de protestar acaba quando tu começa a impedir ou dificultar o direito de ir e vir de quem não tem nada a ver com os teus problemas.

    Curtir

  3. ah lá vem aquele papo denovo que nordestino é burro, morto de fome e vota em quem da bolsa familia. quem realmente conhece o nordeste sabe que lá o povo é muito mais educado e inteligente do que o daqui. e quem realmente le sabe que a dilma foi eleita não pelo nordeste e sim pelo sudeste

    Curtir

  4. você sabe muito bem qual é o único partido que precisa comprar famíli, quero dizer, votos com sacos de arroz e farinha.. uma pena esse pessoal do north decidir alguma coisa nesse país

    Curtir

  5. Adoro essas pessoas que falam que só o PT é trambiqueiro. TODO PARTIDO É TRAMBIQUEIRO. É impossível alguém se eleger no nosso sistema se não tiver dinheiro, não comprar votos. TODO político é corrupto.

    Curtir

  6. marcelo, apesar de ser nítido seu gosto pelo partido da búlgara comunista usurpadora, vc devia se informar mais e saber que qualquer ação de um lado vai haver reação do outro, e a forma descarada e desprovida de bom senso com que o partido da búlgura comunista usurpadora age é e sempre será vista como maracutaiagem (i.e. trambique / tudo programado / me-engana-que-eu-gosto)
    by the way, eu nunca vivi nos anos 50 pq nasci na década de 80, e eu oficializo, não viajo no tempo.

    Curtir

  7. Esses caras que cruzaram o Arroio Dilúvio em um bote mostraram para que têm bolas.

    Curtir

  8. jake, tu tem todo o direito de não gostar, de ter opinião contraria a eles, mas dizer que a esquerda não deveria opinar e ser excluida da sociedade, isso já é censura… e essa história de “homens de bem” é bem coisa dita nso tempos da extrema direita…

    Curtir

  9. Concordo que é negativo que é ruim que a maioria dos protestos seja organizado por partidos políticos de esquerda. Mas não são eles que deviam protestar menos, mas sim todo o resto da população que deveria protestar mais em vez de aceitar as coisas placidamente.

    O Jânio ainda vive nos anos 50, depois fala em retrógrado…

    Curtir

  10. it’s ok estudar em inst. federal e ser uma pessoa do bem, inteligente.. mas ser petista por influência.. é o fim, uma pessoa assim não devia nunca opinar e devia se manter enclausurada e longe da civilização para não contaminar homens do bem.. essa raça ígnara devia ser identificada e cadastrada como comunistas e todas as vezes que alguma catastrofe se abater sobre a nação todos nós saibamos quem são os culpados. aí sim essa terra vai ter prosperidade .

    Curtir

  11. De fato, conheço algumas pessoas que estudam na federal e confirmam isso.
    Alias, tenho amigos que eram emio que boyzinhos, entraram pra ufrgs, começaram a fumar maconha, cheirar cocaina, e hoje se parecem com hippies… foi uma coisa absurdamente bizarra o que aconteceu com eles.
    oO

    Um deles era o cara mais contra drogas que eu conhecia, depois de um tempo sem ver ele, tava cheirando cocaina.
    oO

    E pior, bem como descreveram, viraram uns loucos largados, ficam dias sem banho, sempre com a mesma roupa, com um violão e as drogas deles.
    oO
    ashusahusahuashuas

    Curtir

  12. Tá certo, nada mais fácil do que reclamar 🙂

    Curtir

  13. Estudei, trabalhei e morei dentro da UFRGS e conheço muito bem esses “estudantes” profissionais” que só estão lá dentro para trabalhar pelos seus partidos.

    Curtir

  14. Concordo plenamente com teus pontos, só não sei por que criticar o protesto sobre os aumentos em vez de protestar sempre, inclusive quando são eles que estão no governo. O grande problema político que temos no Brasil é que só esta turma que sabe ser oposição, a grande maioria dos demais partidos só pensa em lotear o governo.

    Curtir

  15. O problema é que, quando os protestam ocorrem sob ordem (e cronograma) de partidos políticos, podem não ocorrer também, se o partido não quer ou não é de seu interesse de acordo com a conjuntura política.

    Por exemplo: essa política de aumento de passagens de Porto Alegre com base em planilha de custo e aprovação por um conselho municipal de transporte existe desde a “administração popular”, mas naquele tempo não haviam protestos. Por que?

    Outro exemplo: o CPERS e a luta pela implantação do piso nacional do professores morreram?

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: