Metrô: Agora ou nunca

Nunca os astros estiveram tão alinhados para permitir que o sonhado metrô de Porto Alegre saia do papel. Com uma presidente gestada em berço político gaúcho que se comprometeu com a obra durante a campanha , um gaúcho na presidência da Câmara, um governador do mesmo partido do governo federal e um prefeito que elegeu o metrô como prioridade, não há mais desculpas para que o projeto não desencante.

O clima anda tão otimista, que até o adiamento para a próxima quarta-feira da reunião com a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, foi interpretado como um bom sinal pelo presidente da Assembleia, Adão Villaverde. A articulação começou na sexta-feira, durante a visita de Marco Maia a Porto Alegre, quando a pedido de Villaverde ele ligou para a ministra, entre uma garfada e outra no restaurante Tirol. Como Miriam disse ontem que queria mais tempo para “instruir melhor o tema”, buscando dados técnicos, o adiamento foi interpretado como um reflexo da mobilização.

A expectativa da comitiva é de que o governo federal sinalize a decisão política de incluir a obra no PAC da Mobilidade, que deve ser anunciado no segundo semestre. Até lá, segundo o diretor-presidente da Trensurb, Marco Arildo, um dos desafios é definir o marco regulatório, para permitir que o BNDES possa financiar empresas privadas, o que ajudaria a viabilizar a obra de R$ 2,3 bilhões.

Apoio na Câmara para isso não deve faltar. Mais do que pela certidão de nascimento, Maia conhece bem a reivindicação gaúcha porque já foi presidente da Trensurb. Curiosamente, foi em 2003, quando ele estava no comando da empresa, que a reivindicação que se arrasta desde 1990 ganhou um novo impulso, a partir da realização de uma série de audiências públicas na Assembleia, com atores como o Banco Mundial e o BNDES.

Com a conjunção astral favorável, os gaúchos torcem para que, desta vez, a promessa seja cumprida, sob o risco de Porto Alegre acabar refém dos congestionamentos. As velhas desculpas perderam a validade.

Zero Hora – Página 10

Share



Categorias:Metro Linha 2

Tags:, ,

1 resposta

  1. Tomara que saia do papel, se sair a linha da Assis Brasil vai desafogar todo o trânsito da Zona Norte, o ideal seria criar estações com grandes estacionamentos para abrangir um raio maior de usuários.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: