Prefeitura se recusa a realizar a reforma solicitada pelo Ibama no Minizoo da Redenção

 

Transferência dos animais tem prazo de 45 dias Crédito: Antônio sobral

 

 Minizoo da Redenção encerrará atividades 

 A primeira-dama de Porto Alegre, Regina Becker, informou ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) que a prefeitura não realizará as reformas solicitadas pelo órgão no Minizoo Palmira Gobbi, localizado no Parque da Redenção. Em um prazo de até 45 dias, o local deve ser fechado e os 85 animais, transferidos. A área foi inaugurada em 1934.

O superintendente do Ibama no Rio Grande do Sul, João Moreira Júnior, afirma que a partir do recebimento da documentação o prazo para a transferência começa a correr. “Como a prefeitura demonstrou que não pretende fazer as reformas, vamos iniciar o procedimento para o fechamento do local e a transferência dos animais”, declara.

O principal motivo apontado por Regina Becker para encaminhar o documento ao Ibama é que o investimento para adequar o Minizoo não compensaria. “O recurso necessário é da ordem de R$ 1 milhão. Nossa avaliação é de que não vale a pena esse tipo de gasto. O espaço tornou-se inadequado. Transferir os bichos para o Parque Saint”Hilaire, por exemplo, custaria o triplo”, explica, acrescentando que “os animais estão em local insalubre, com pouca luminosidade e expostos à falta de segurança, à poluição e à má educação das pessoas, que jogam comida e até tocos de cigarro, que os bichos comem por confundi-los com animais luminosos”.

A prefeitura vai auxiliar o Ibama com a logística de transferência dos animais do Minizoo, bem como sua alimentação por um período que ainda será decidido. A área da Redenção deve ser transformada em local de educação ambiental permanente.

Usuários do parque fazem protesto

Roberto Jakubaszko: por que de uma hora para outra se resolve fechar o Minizoo sem qualquer discussão com a comunidade?

Usuários do Parque da Redenção organizam neste domingo, às 11h, um ato contra o projeto da primeira-dama de Porto Alegre, Regina Becker, que pretende fechar o Minizoo criado em 1934 que fica no local e abriga 85 animais. A mobilização ocorre em frente ao Monumento ao Expedicionário. Os representantes da entidade querem que a decisão seja tema de debate público.

Um dos integrantes do Conselho de usuários da Redenção, Roberto Jakubaszko, cobra mais clareza da prefeitura sobre o assunto. “Por que de uma hora para outra se resolve fechar o Minizoo sem qualquer discussão com a comunidade? Também estranhamos que a primeira-dama tenha esse poder, afinal o Parque da Redenção é um patrimônio tombado”, argumenta.

Outro ponto levantado pelo frequentador da Redenção é a questão histórica do local. “Quantas gerações já estão acostumadas a visitar o parque? Além disso, é um local próximo que as escolas podem levar os alunos para que tenham um contato direto com os animais”, diz.

Jakubaszko questiona a “falta de vontade” da prefeitura em investir nas melhorias solicitadas pelo Ibama. “A população quer a permanência do Minizoo. Antes de pensar na sua vontade é preciso atender aos interesses dos cidadãos“, diz. Caso confirmada a retirada do Minizoo, o local será área de educação ambiental permanente. “Educação se faz com os animais presentes. Querem transformar o parque em uma praça. A Redenção nunca esteve tão mal cuidada. Falta pessoal. A manutenção básica do Minizoo seria suficiente para resolver os problemas onde ficam os bichos”, completa Jakubaszko.

Correio do Povo

________________________________

Tenho medo que isto seja apenas uma forma de enviar os animais para um zoo privado em Gramado. Não gosto nada disso. A prefeitura deveria sim reformar o zoo e não tirar de Porto Alegre um dos mais tradicionais recantos da Redenção. A Redenção perde, a cidade perde e, DE NOVO, a população perde. Se há maneiras de reformar e dar melhores condições aos animais, por que não fazê-lo ? Para as roubalheiras sempre tem dinheiro, para desvios tem, para tudo tem. Mas para o minizoo não tem. R$ 1 milhão é muito ? Que providenciem a adoção do minizoo por alguma empresa. Duvido que empresas como o Zaffari, por exemplo, não teriam interesse em adotá-lo e prover este espaço tão interessante para Porto Alegre. NÃO ACEITO ESTA DECISÃO TÃO IMPENSADA. DEVE SER REAVALIADA ! Gilberto Simon
 

Share

 



Categorias:Meio Ambiente, Parques da Cidade, TURISMO

Tags:

27 respostas

  1. Vejo muitos comentarios sem conhecimento de causa aqui, venho esclarecer então que um zoologico não tir animais da natureza e sim abriga aqueles que para ela não podem voltar, animais que por algum acidente foram criados desde filhotes com humanos, animais que sofreram algum tipo de acidente, impossibilitando-o de sobreviver na natureza. O zoo abriga, não aprisiona. Tirar 84 animais de um local que estão habituados, de uma rotina, de pessoas com as quais estão acostumados há tantos anos, é condenar muitos a morte e outros tantos a meses em um local inadequado, outros a ferimentos por brigas com novos companheiros. Não é necessario 1 milhão, tenho certeza que com muito menos se faria grandes coisas. Parabéns a nossa primeira dama, pela sua ignorancia.

    Curtir

  2. A população NÃO quer a permanência do Minizoo !!!
    A maioria das pessoas não concorda com a prisão dos animais.
    Já está mais do que na hora de acabar com aquele “presidio” de inocentes.

    Curtir

  3. Basta de participações populares. Quanto mais o povo opina, pior fica. O povo é muito burro e cretino. Quem elege o tarciso, danrlei, mano changes, nega diaba, brazinha e outras coisas desse tipo tem que se ferrar.
    E tem que terminar o minizoo, SIM. Libertem os animais….da nossa cidade suja. Aproveite-se as jaulas pra colocar os arruaceiros, prostitutas e viciados que invadiram o parque.

    Curtir

  4. Vai custar 1 milhão pra que? Pra botar vidros acústicos?
    NAO TEM COMO ABAFAR O BARULHO/POLUIÇÃO SEM APRISIONÁ-LOS.
    Aí demonstra falta de progresso, as coisas saem de cena também quando a cidade cresce.

    Curtir

  5. Ótimo, o que vai ser feito com estes animais que estão a mais de dez gerações acostumados a viver cativos. Pelo visto alguns serão doados para zoos particulares que os manterão enjaulados cobrando ingresso ou em locais inadequados longe dos olhos das senhoras ou senhoritas preocupados.

    Se não tiver espaço para todos, certamente eles serão devidamente sacrificados, mas isto não será problema da prefeitura.

    Quando uma criança quiser ver um macaco o seu pai deverá desloca-lo até Sapucaia ou ele poderá ver na TV, é tudo que queremos para nossas gerações futuras.

    Curtir

  6. Só pra lembrar: esse 1 milhão que falta para investir no minizoo foi o que custou a votação para decidir sobre o Pontal do Estaleiro.

    Curtir

  7. Não tem nada que discutir deliberações administrativas com a comunidade. Quem é gestor tem que gerenciar com autonomia e competência. To de saco cheio desse papinho de participação popular. Pra tudo agora quem plebiscito, consultinha, discussãozinha. Quem escolheu seus governantes, que trate de acatar as decisões soberanas dos seus eleitos.
    A PMPA decidiu, mediante ponderações internas, que deveria desativar o minizoo, e ponto final.
    Esses movimentozinhos de fundo de quintal que adoram utulizar-se do coitadismo e do populismo de boteco para seus pleitos, são um pé no saco.
    Em vez disso, deriam se preocupar e COBRAR coisas muito mais urgentes, como a solução para as imundícies da cidade.

    Curtir

  8. A sra Ana que fez seu comentário dizendo: “Esta administração atual de Porto Alegre é tão incompetente que se pudesse acabaria com ruas, postos de saúde e escolas…para não ter que gastar com a sua manutenção.
    Não sejam ingênuos de acreditar que é pelo bem-estar dos animais.”
    Esta senhora está completamente enganada, nenhuma gestão da prefeitura se preocupou tanto com o bem-estar animal, nunca foram feitas tantas coisas pelos animais. Acho que a sra. Ana devia se informar melhor… O fechamento do mini-zoo é pelo bem-estar dos animais SIM!

    Curtir

  9. Sugiro que o sr. Roberto Jakubaszko fique um dia dentro de uma das jaulas, depois diga qual foi sua imprenssão, se gostou de ficar ali preso com um bando de gente gritando, atirando objetos, ouvindo o barulho dos carros, buzinas…
    Senhor Roberto por que o desprezo pelas outras formas de vida ?
    Repense sua posição, os animais não fizeram nada para serem condenados a prisão perpétua.
    Seja um pouco mais “humano” respeite as outras formas de vida.

    Curtir

  10. Até que enfim apareceu uma pessoa que se preocupou com aqueles pobres animais que ficam enjaulados num lugar que não tem as mínimas condições.
    Aquele espaço pode ser muito mais útil se for aproveitado de outra maneira e não aprisionando animais. Tenho pena destas pessoas que querem manter animais presos, mostra o tipo se seres “humanos” que são… lamentável! Parabéns à prefeitura!

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: