Estado afirma que quer atração de empresa para fomentar polo naval

Relatório de impacto ambiental para instalação de empreendimento deve levar um ano para ser concluído

Os secretários da Casa Civil, Carlos Pestana, e do Gabinete de Prefeitos, Afonso Mota, receberam comissão do município de Charqueadas que reivindicava, em protesto em frente ao Palácio Piratini, na manhã desta quinta-feira,  agilidade da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) na liberação do licenciamento para a instalação da empresa Iesa de óleo e gás em Charqueadas. Mota disse que o Estado tem interesse na instalação do grupo que irá incrementar o polo naval, considerado prioridade para o desenvolvimento do Rio Grande do Sul.

Ele disse que haverá celeridade na Fepam, mas argumentou que a instalação também depende de outros órgãos, como o Ministério Público Estadual. O Executivo tem conhecimento de que a empresa tem pressa, já que acordo comercial com a Petrobras tem prazo até 15 de abril, tendo em vista que as operações devem começar no fim de julho.

O presidente da Força Sindical no Rio Grande do Sul, Cláudio Janta, salientou que o entrave estaria na Fepam. Segundo o dirigente, a fundação alega que o local destinado à empresa pode ser um parque arqueológico, porém na área há uma lavoura de arroz.

O coordenador do Centro de Apoio do Meio Ambiente do Ministério Público, Júlio Almeida, afirma ter conhecimento do investimento informalmente. O promotor reconhece a necessidade de estudo feito pela Fepam, além de um reconhecimento arqueológico da área, de responsabilidade do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Almeida argumenta que, por enquanto, o MP não participa do processo e só agirá se, em caso de exame dos estudos, houver irregularidades.

A informação na Fepam é de que o empreendimento precisa passar por estudo e relatório de impacto ambiental, análise que leva em média um ano para ser concluída. A Prefeitura de Charqueadas acredita que, além de fortalecer a iniciativa de fomento a um pólo naval, a empresa movimentaria bilhões de dólares, com investimento inicial de R$ 20 milhões e mais de 1,2 mil empregos diretos para uma comunidade com cinco mil desempregados.

 Correio do Povo

_________________________________

Relatório de Impacto Ambiental levará 1 ano ????????????????   Que absurdo !!!! 



Categorias:Polo Naval de Rio Grande

Tags:

5 respostas

  1. Há uma coisa que as pessoas não notaram, durante quase vinte anos os investimentos públicos e privados quase não existiram, durante este tempo os eco-chatos iam até os gabinetes dos deputados e senadores e propunham milhares de leis e regulamentos (muitos corretos e alguns absurdos), como estes regulamentos e leis eram inócuos e não faziam mal a ninguém (não se construía nada mesmo!) os legisladores e o executivo foi deixando passar. Agora estamos com um arcabouço jurídico que não exige celeridade nos órgãos ambientais.

    Não estou dizendo que se deva permitir o que é errado, o que digo que deve-se dizer logo NÃO É POSSÍVEL FAZER ou É POSSÍVEL FAZER, é um sim ou um não.

    Outra coisa, os órgãos ambientais foram preenchidos por profissionais de nível superior, altamente qualificados, porém sem condições de analisar problemas globais. Um biólogo, por exemplo, com um treinamento adequado é o melhor profissional para analisando um acidente ambiental determinar os culpados, porém quando sai do micro para o macro este profissional tem dificuldades (o assunto é meio complicado para explicar aqui).

    Curtir

  2. Que coisa absurda…e prq em nome deus, escutam essa gente??? manda consrtruir e ja ta!!! oque irao fazer depois???? destruir??? Tenho que parar de ler noticias vindas dai..me estragam o dia!!

    Curtir

  3. Os eco-chatos da Fepam não entendem que se cavarmos em qualquer local um buraco, vamos achar resquício de pessoas que moraram antes, logo tudo é sitio arqueológico para eles.

    Eles esquecem que por aquela região ser baixa e de banhado qualquer vestígio arqueológico com mais de 50 anos é deteriorado pelo tempo.

    Se não responsabilizarmos civilmente fiscais que “sentam” em cima de processos só para o doce prazer de mostrar que eles é que mandam, qualquer coisa em qualquer governo vai ser inviabilizado. Daqui uns dias vai se ter que pedir autorização para a Fepam para ter um filho, pois uma criança causa uma poluição muito grande.

    Curtir

  4. Um ano? Melhor irem para um estado que gosta de gerar emprego, como SP, Bahia, ou outros.

    Curtir

  5. Vamos ficar amargando mais uma FORD ….

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: