Frota de Porto Alegre é de um carro para cada dois moradores

Juliano Tatsch

Série de reportagens do Jornal do Comércio discute o problema do trânsito em Porto Alegre.

Alegre tem 1.409.939 habitantes, conforme o Censo de 2010. A cidade tem uma frota de 688.845 veículos, segundo o Departamento Estadual de Trânsito. Ou seja, há um carro para cada 2,04 moradores. Essa é a razão dos congestionamentos e da loucura diária que se vê no trânsito da cidade. É para discutir a questão, apontar outros pontos de vista sobre o tema, propor possibilidades e tornar visíveis as consequências dessa equivocada política de mobilidade urbana que privilegia o veículo particular, que o Jornal do Comércio falou com especialistas em transporte urbano, psicólogos, gestores, vítimas e parentes de vítimas de violência no trânsito e dá início hoje a uma série de quatro reportagens tratando sobre o tema.

Trânsito em Porto Alegre recebe 93 novos veículos por dia. Foto: Marcelo Ribeiro / JC

Uma das maiores vantagens de Porto Alegre sobre as outras grandes metrópoles brasileiras sempre foi o fato de, apesar de ser a Capital e, por isso, ser o centro nervoso do Estado, a cidade sempre manteve certo ar de cidade média, em alguns bairros até de cidade pequena. Essa foi uma das razões para algumas pessoas não cogitarem deixar Porto Alegre para ir viver em outra capital do País. O quadro, porém, há algum tempo já não é mais esse. Porto Alegre inchou e, de carona com o crescimento, surgiu um problema que já é extremamente sério, mas que tende a aumentar ainda mais: o trânsito.

Conforme dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-RS), em 2001, a frota de veículos em circulação na Capital era de 646.547 unidades. No ano passado, 686.142 veículos circulavam pelas ruas da cidade. O aumento de 6,1%, ou 39.595 unidades em circulação, em nove anos, pode não parecer muito grande. Entretanto, se for observada a evolução desse crescimento, vê-se que, em 2009, eram 659.418 veículos nas ruas. Assim, observa-se que, de 2001 a 2009, “apenas” 12.871 veículos entraram na frota. No entanto, de 2009 a 2010, 26.724 novos carros passaram a circular na Capital.

Ainda conforme dados do Detran-RS, uma média de 93 carros novos foram emplacados por dia no ano passado na Capital. Em 2002, eram 23 novos veículos diariamente. Diante desse cenário de constante crescimento na quantidade de veículos nas ruas e, por outro lado, a falta de investimentos e de políticas públicas que incentivem o uso de meios alternativos de locomoção, é de se estranhar que alguém ainda se surprenda com os dados a seguir.

Em 2010, 26.406 acidentes de trânsito foram registrados pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) em Porto Alegre. O número representa um aumento de 15% em relação ao ano de 2009. Já quando se fala em acidentes com vítimas, o número em 2010 na Capital foi de 7.454, um aumento de 23% em comparação com o ano anterior. O número de acidentes que resultaram em vítimas fatais diminuiu, caindo de 161, em 2009, para 135 em 2010. Também morreram menos pessoas no ano passado em relação ao de 2009, 142 a 171.

Um dado que impressiona é o que mostra o crescimento no total de feridos em acidentes. Em 2006, esse número foi de 6.976. Em 2009, foi de 7.504. No ano passado, houve um salto de 22%, com 9.161 porto-alegrenses se ferindo em colisões no trânsito. Outro número que aumentou consideravelmente foi o de atropelamentos. Em 2009 foram 1.268, em 2010, 1.542.

No caso dos sinistros envolvendo motocicletas, o crescimento de 2006 para 2010 impressiona. As estatísticas da EPTC apontam que, no ano passado, aconteceram 5.528 acidentes com motos na cidade. Em 2006 foram 3.921.

De acordo com o Detran-RS, a frota de motocicletas na Capital em janeiro deste ano era de 76.548 unidades. Ou seja, se considerássemos que nenhum condutor se envolveu em mais de um acidente no ano, temos que um em cada 13,8 motociclistas de Porto Alegre se acidentou em 2010. Na contramão disso, porém, ocorreram menos mortes no ano passado (55) em relação a 2009 (66).

Os acidentes com ônibus também tiveram um salto de 2009 para 2010, passando de 1.915 para 2.242. O número de feridos nesses casos pulou de 866 para 1.008 e o de mortos caiu de 36 para 18.

Uma série de razões pode e está ligada a estes números, desde deficiências na formação dos condutores, passando por problemas na estrutura viária, incluindo aí vias estreitas, com má sinalização, com conservação inadequada, e chegando até o descaso do poder público com o desenvolvimento de meios de locomoção alternativos. O fato é que já não se pode fechar os olhos diante do problema. Porto Alegre não foi uma cidade que cresceu de forma planejada. Em razão disso, arca e arcará ainda mais já em um futuro próximo com os ônus trazidos pelo desenvolvimento.

Soluções com resultados rápidos não existem. Paliativos podem ser utilizados, mas não vão resultar em mudanças significativas. Campanhas de conscientização, por si só, não vão mudar o comportamento dos motoristas. Somente uma série de medidas drásticas, encabeçadas pelo poder público com o apoio da população, podem ocasionar uma mudança no quadro. Para isso, porém, são necessárias três coisas essenciais: vontade política; desapego com o poder (pois muitas das medidas podem ser impopulares em um primeiro momento); e coragem para enfrentar interesses contrários.

Solução passa por atenção ao motorista e foco no transporte coletivo

Diversas ações podem ser realizadas para evitar que um colapso completo no trânsito de Porto Alegre ocorra. Duas delas, porém, se sobressaem: um forte trabalho junto ao motorista porto-alegrense, considerado pelo próprio prefeito da cidade, José Fortunati, como “prepotente e arrogante”, desde sua formação, já nas escolas, visando à formação de um condutor com um olhar mais humano a respeito do trânsito; e o investimento pesado e forte valorização do transporte coletivo como meio de se reduzir o número de veículos nas ruas.

Em relação ao primeiro ponto, dois casos recentes colocaram em evidência os problemas relacionados ao comportamento do motorista na Capital: o do homem que atropelou dezenas de ciclistas e o do condutor de um ônibus que abandonou o veículo com os passageiros e saiu andando. Diante do comportamento agressivo dos motoristas cabe discutir se o exame psicológico feito quando da confecção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) é eficaz e se um acompanhamento periódico do condutor não deveria ser realizado, entre outras medidas.

O transporte coletivo na Capital é considerado um dos melhores do Brasil. Entretanto, quem o utiliza todos os dias é conhecedor de suas falhas. Os ônibus de Porto Alegre são deficientes nos horários, no comportamento dos condutores dos veículos e no conforto proporcionado aos passageiros. Além disso, as passagens custam caro.

Para perceber a prevalência dos motores sobre as pernas em Porto Alegre, basta sair às ruas. Quem está a pé se submete ao que foi criado para quem está nos veículos. Um buraco em uma avenida gera centenas de reclamações, um buraco em uma calçada não resulta em manifestação alguma. A população interrompe o fluxo em uma via para pressionar os governantes para que tomem medidas a respeito de algum problema e, ao invés de receber o apoio dos formadores de opinião, é criticada por estar obstruindo o fluxo dos veículos. Um homem atropela dezenas de ciclistas com seu carro e a primeira manifestação da empresa responsável pela gestão do trânsito é dizer que as vítimas não haviam informado sobre a aglomeração. É assim que funciona em Porto Alegre: primeiro os carros, depois as pessoas.

Jornal do Comércio
 



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:

45 respostas

  1. Augusto,

    Você continua se focando em negar a hipótese do meu argumento de implicação. Vamos recapitular:

    minha opinião:
    SE porto alegre tiver um transporte público de qualidade
    ENTÃO muitas pessoas trocarão o carro pelo transporte público

    seu argumento:
    porto alegre jamais terá transporte público de qualidade

    Ou seja, você não está dando nenhum argumento que refute a relação de implicação que eu proponho. Você está negando a hipótese, o que caracteriza uma falácia formal[1]. Se você quiser debater comigo de forma inteligente, o seu objetivo é construir um argumento que mostre que, por mais qualidade que tenha o transporte público, ninguém abrirá mão do carro.

    [1] http://en.wikipedia.org/wiki/Denying_the_antecedent

    Curtir

  2. Eu, como sou muito objetivo e nunca contrario o cosmos nem a observação, proponho o seguinte quadro.
    Começa a investir em massa no metrô e transporte de massa em Poa. Construa uma rede de metrô, aeromóvel e corredores de ônibus.
    Vai ficar tudo atirado..como estado e iniciativa privada sem garan pra sequer fazerem a manutenção do transporte de massa. Por que? Porque as pessoas querem anda é de carro. O resultado? Os metrôs vão virar valhacouto dos marginais e da mendigagem….que estarão lá em baixo, protegidos das intempéries e homiziados em covas escuras.
    Estão insistindo no metrô quando todo o mercado está nitidamente direcionado ao carro. Na boa; quando Porto Alegre realmente precisar de um metrô (daqui há uns 50 anos), o tal metrô já vai ter virado sucata…e as empresas de ônibus, vão falir…pois para o transporte coletivo ser economicamente viável às empresas privadas, a tarifa vai ser proibitiva. Muito mais negócio andar de carro…por mais engarrafada que esteja a cidade.

    Curtir

  3. Demorou a tréplica hein. Estavas sopesando os contra-argumentos? rss

    Curtir

  4. > [em Stuttgart] há muito menos espaço pra circulação de veículos

    Mais uma vez, você mostra que concorda com a minha hipótese.

    A existência de menos espaço para veículos na Stuttgart moderna não é uma pré-condição, tal como seria o relevo de uma cidade ou sua altitude. É uma consequência de ações deliberadas do poder público. Excetuando-se pequenas áreas históricas do Centro, a cidade desenvolveu seus eixos de crescimento com o mesmo espaço total que os nossos, isto é, alinhando avenidas com 30 ou 40 metros de largura total. Em algum ponto, o poder público optou por reservar uma porção dessa largura para o transporte público (tramways) e por priorizar complexos investimentos de transporte público (túneis na área central). O resultado derradeiro disso é uma rede de transporte público tão eficiente, mas tão eficiente, que os cidadãos optam por ela em detrimento do uso do carro – por mais que eles sejam mais ricos que nós e que o custo de andar de carro para eles seja quase o mesmo do que pra nós.

    Em outras palavras a ação do poder público mudou a preferência dos consumidores, coisa que você afirma impossível. A maior ironia? Stuttgart tem três montadoras de automóveis: Porsche, Mercedez-Bens e Daimler-Chrisley.

    > Como esses casos de metrôs de porta a porta são raros,
    > visto que muito muito pouco provável essa sorte…a tua
    > teoria é natimorta do ponto de vista da realidade.

    Sua lógica é errônea, pois do alto da sua falta de argumento, você nega a hipótese para negar a implicação. É como se eu dissesse “se o mar fosse rosa então o céu seria rosa” e você dissesse “isso não é verdade porque o mar nunca seria rosa”. Falta-lhe a mais básica capacidade de raciocínio lógico, que é a compreensão de que, em uma relação de implicação, o que importa é a correlação entre a hipótese e a consequência, e não o valor-verdade da hipótese.

    > A teoria não se coaduna à prática. Pessoas
    > compram carros para andar em seus carros..
    > e não para deixá-los na garagem. Se uma
    > pessoa tivesse metrô de casa até o serviço…
    > essa pessoa não compraria um carro.

    Joãozinho mora na Assis Brasil e trabalha no Centro, penando todos os dias nos ônibus caóticos. Em 2011, ele vê uma folguinha no orçamento e, com um certo sacrifício, compra para si um carro. Vem o metrô, praticamente porta-a-porta. Ele pensa “não, eu gastei no carro, então não vou pegar o metrô”, e continua gastando mais e penando no trânsito.

    Mariazinha mora na Assis Brasil e trabalha no Centro, penando todos os dias nos ônibus caóticos. Em 2011, ela vê uma folguinha no orçamento e, com um certo sacrifício, compra para si um carro. Vem o metrô, praticamente porta-a-porta. Ela vende o carro e pega o metrô.

    Zézinho mora na Assis Brasil e trabalha no Centro e, tendo um pouco mais de dinheiro, sempre teve carro, mas enfrenta diariamente o trânsito caótico. Vem o metrô, praticamente porta-a-porta. Ele não vende o carro, guardando para usos específicos, mas adota o metrô para o transporte diário.

    No teu modelo, todos serão Joãozinhos. No meu modelo, haverá indivíduos dos três tipos, sendo a proporção dessa distribuição diretamente relacionada à qualidade do serviço entregue pelo metrô.

    > pois um carro que não anda…engripa o motor.

    Essa é a maior bobagem que eu já li na minha vida. Meu carro tem 8 anos já, fica uns 4 dias por semana parado na garagem e ainda funciona perfeitamente.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: