ESPECIAL JORNAL DO COMÉRCIO: Obras poderão tirar atraso de 25 anos em Porto Alegre

Mobilidade e revitalização do Cais Mauá estão entre as prioridades da cidade

 
 

Revitalização do Cais Mauá deve modificar estilo de vida da área central. Foto: Fredy Vieira / JC

 

 
Porto Alegre tem pressa. Com quase 240 anos, a cidade mostra sinais visíveis de falência em sua infraestrutura urbana. Para dar conta das necessidades, um pacote de obras está na trilha dos próximos cinco anos. Até porque os projetos poderão pesar em investimentos privados. São projetos que prometem mexer na estrutura e modais viários e pretendem qualificar o tráfego, mudar o perfil de transporte público, reverter a degradação em áreas como o complexo da Tronco e do Cais Mauá e melhorar a capacidade de operação com o resto do mundo, com a ampliação do aeroporto Salgado Filho.

Os investimentos somam R$ 4,5 bilhões (veja quadro abaixo). Estão envolvidos nas ações a prefeitura, governos estadual e federal e o setor privado. A coordenadora setorial do pós-graduação da Uniritter, Maria Isabel Marocco Milanez, destaca que as ações serão um “empurrão para a Porto Alegre do futuro”. Arquiteta que acompanha há décadas a evolução urbana, Maria Isabel aponta que há atraso de pelo menos 25 anos na implementação de melhorias na estrutura. “Há falta de planejamento. A última grande obra que tivemos para mobilidade foi a Terceira Perimetral, que já nasceu esgotada.”

Para ela, a demora nas soluções reflete a dificuldade da cidade em tomar decisões. “Nosso DNA tem o ‘gosto’ e ‘não gosto’. Porto Alegre não gosta de mudar”, conclui a acadêmica. Mas novos investimentos em equipamentos de lazer, como a proliferação de shopping centers e novas regiões residenciais, impõem investimentos, reforça. Maria Isabel cobra um grande projeto de mobilidade. O consultor em engenharia de tráfego Mauri Panitz apresenta a dificuldade ante a explosão de veículos. Entre 2004 e fevereiro deste ano, a frota cresceu mais de 30%, somando agora 690 mil unidades, algo como dois veículos por habitante, considerando a fatia de moradores com mais de 18 anos. No Estado, o avanço é maior, de 46%, chegando a 4,7 milhões de unidades.

Para Panitz, além de projetar as obras, é preciso pensar a acessibilidade. “As pessoas com seus carros precisam ter condições de acessar ruas, avenidas, chegar aos seus destinos”, ilustra Panitz. O especialista alerta para a carência de estacionamentos e sugere a construção de áreas subterrâneas. O metrô, que é a grande aposta do prefeito José Fortunati, levará mais tempo. “É obra para dez anos”. As ciclovias, que também estão no plano municipal, também devem estar integradas.  

A indefinição sobre a execução da fase 1 do metrô, que está à espera da decisão do governo federal sobre a inclusão no PAC da Mobilidade, não é o único impasse. A liberação da área do porto de Porto Alegre para que o consórcio de investidores espanhóis e brasileiros vencedor da licitação é uma incógnita. A pendência neste último projeto, orçado em R$ 460 milhões e que prevê shopping center, centro de eventos e áreas de lazer e cultura, está no Supremo Tribunal Federal (STF), onde a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) questiona o cumprimento de regras da legislação portuária. O secretário estadual de Infraestrutura, Beto Albuquerque, disse ontem que a solução sairá em breve. O governo estadual, que herdou o imbróglio de Yeda Crusius, deve se reunir com a Antaq até o final deste mês. “Nosso compromisso é que o projeto saia”, reforça o chefe da Casa Civil, Carlos Pestana.

Copa do Mundo acelerou projetos

A escolha de Porto Alegre como uma das subsedes da Copa do Mundo de 2014 acelerou os projetos para sanear os passivos urbanos. Mas pouca coisa já saiu do papel ou das planilhas do secretário municipal de Gestão e Acompanhamento Estratégico, Newton Baggio. O município corre contra o tempo e conta com financiamento de quase R$ 500 milhões a ser liberado pela Caixa Econômica Federal para um pacote de dez obras. Na área de mobilidade, além de obras de construção viária, o grande trunfo do governo local é a integração modal. Também a travessia fluvial de passageiros entre Porto Alegre e Guaíba é peça nesta engrenagem urbana. A travessia, que será feita por uma empresa pertencente ao grupo Ouro e Prata, depende de liberação e obras da Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH). “Estamos fazendo os levantamentos técnicos e vendo recursos”, explica o secretário Beto Albuquerque.

Moradora espera por nova vida 

Terezinha Maier reside há 15 anos nas margens da Avenida Moab Caldas ANA PAULA APRATO/JC

A urbanização e revitalização da Tronco, conjunto que reúne dezenas de vilas, é a obra mais complicada e que exigirá agilidade. Além da duplicação e abertura de avenidas, há a construção de habitações. A partir de abril, deve entrar em campo o levantamento socioeconômico da região, que provocará a remoção de 1,5 mil famílias. O projeto envolve R$ 82 milhões.

Há 30 anos morando na Vila Cruzeiro, a dona de casa Terezinha Maier, com cinco filhos, combina temor com a mudança e ansiedade com a chance de ter uma nova casa. Terezinha reside há 15 anos às margens da hoje Avenida Moab Caldas. “Tenho de mudar para um local próximo, pois tenho uma filha que necessita permanentemente de atendimento médico”, justifica a dona de casa, indicando o vizinho postão da Cruzeiro e seu centro de saúde como motivo.

 Jornal do Comércio



Categorias:COPA 2014

Tags:,

11 respostas

  1. errata; decente.

    Curtir

  2. “Augusto, pelo visto nunca tiveste contato com Engenharia de Tráfego?”

    É verdade, João. Tenho muito mais contatos com as vilas e vielas esburacadas que infestam a cidade. Já até me esqueci o que é um projeto viário desente.

    Façamos o seguinte; Eu te mando a vila cruzeiro pro lado da tua casa e tu me mandas um baita viadutão pro lado da minha. Fecho acordo agora mesmo.

    Curtir

  3. “Intrusão visual…hehe. Cada maluco.”

    Augusto, pelo visto nunca tiveste contato com Engenharia de Tráfego?

    Curtir

  4. Verdade Jake e Gilberto, as informações referentes ao aeroporto, citadas pelo JC, estão desatualizadas. Parece que a imprensa (JC, ZH, CP e etc.) ainda não se deram conta de que não haverá mais ampliação por aqui, nem mesmo por iniciativa da iniciativa privada. Além do puxadinho, as únicas obras que teremos serão a ampliação da pista e a instalação do equipamento para pousos e decolagens com condições metereológicas mais restritas, bem como o novo TECA (terminal de cargas) e o novo edifício-garagem (que será automatizado), sendo que este último será feito mediante concessão à iniciativa privada.

    Achei que veria diversas críticas por parte da imprensa gaúcha e de políticos gaúchos até mesmo da base aliada do governo, criticando a decisão de trocar uma ampliação prometida em campanha e já anunciada como abrangida pelo PAC-2 por um mero puxadinho de papelão que nem ao mesmo sequer resolverá o problema.

    Ou a imprensa ainda não se deu conta do ocorrido, já que a infraero tomou essa decisão recentemente e de maneira sorrateira, ou a imprensa está quieta propositalmente, fingindo que não se deu conta do ocorrido, já que os meios de comunicação são sustentados à base de seus anunciantes e é notório que o governo federal é um dos grandes anunciantes dos meios de comunicação.

    Nem mesmo aquela organização criada para POA para a COPA de 2014 se manifestou à respeito. Pelo jeito passou batido. Affonso Ritter e Políbio Braga também não.

    Somente este blog anunciou o fato!

    Cabe a nós protestar informando a imprensa e os políticos por e-mail do ocorrido.

    A infraero deu publicidade ao ato em seu site, mas de maneira velada, apenas dizendo que estava licitando um MOP para o Salgado Filho, sem revelar o óbvio que é que, considerando que o mesmo será erquido exatamente onde estava prevista a ampliação do Salgado Filho prevista pelo PAC, isto implica dizer que a mesma não ocorrerá mais, ao menos não nos próximos 30 anos e nem no referido lugar dentro do sítio aeroportuário, pois o espaço já estará ocupado pelo MOP. Ficou tudo nas entrelihas, apenas subentendido, para que não haja protestos à tempo e quando nos dermos conta o mop já estiver instalado e a amliação do pac já tiver então ido para o beleléu.

    Curtir

  5. “Viadutos e mais viadutos… Quem aqui gostaria de morar ao lado de um?”

    Tens tazão. É bem melhor viver do lado de um favelão.

    Intrusão visual…hehe. Cada maluco.

    Curtir

  6. Viadutos e mais viadutos… Quem aqui gostaria de morar ao lado de um?

    A intrusão visual é um dos aspectos q também são relevados em um sistema de transporte.

    Curtir

  7. Comentários à parte, as reportagens do JCRS são excelentes, fora algum deslize como mencionaram. Parabéns para eles..

    Curtir

  8. Já é um investimento anunciado que não acontecerá.. vamos ver se os outros seguem o mesmo caminho.

    Curtir

  9. informações desatualizadas.. como a da ampliação do aeroporto.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: