Carcaças de navios devem deixar Cais

Navios representam prejuízos econômicos, ameaças sanitárias e risco ambiental a águas do Guaíba

Projeto aprovado na Assembleia permite ao Estado leiloar barcos paraguaios abandonados

Dois gigantes de aço abandonados há 20 anos no Cais do Porto, na Capital, serão fatiados e leiloados. A autorização para a venda do que restou dos navios Mariscal Joé Félix Estigarribia e General Bernardino Caballero, embarcações de bandeira paraguaia, foi concedida pela Assembleia Legislativa.

Graneleiros com nome de herois paraguaios, Caballero e Estigarribia e outros três navios abandonados no porto são sinônimos de prejuízos econômicos (navios deixam de atracar por falta de espaço ocupado pelas embarcações), ameaças sanitárias (transformaram-se em hábitat de ratos e insetos) e riscos ambientais (há pelo menos 300 mil litros de óleo misturado com água nos tanques).

Com a lei aprovada pela Assembleia, o Estado, em nome da Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH), pode receber os cascos que pertencem ao governo paraguaio. Em contrapartida, as dívidas de cerca de R$ 4 milhões que as duas embarcações têm com o Estado serão consideradas quitadas. Cauteloso, o superintendente da SPH, Vanderlãn Vasconsèlos, não dá prazo para a retirada das sucatas flutuantes no estaleiro, mas destaca o fato de não haver mais entrave legal.

– Tão logo a gente consiga fazer o acordo com o governo paraguaio, aprovado pela Assembleia, vamos providenciar o leilão. Após anos de espera, há luz no fim do túnel – comemora Vasconsèlos.

Conforme o superintendente, a operação não resultará em prejuízos adicionais ao Estado porque a venda das chapas de aço para siderúrgica e estaleiros deverá igualar o montante devido ao Estado.

Os outros três navios pertencem a uma mesma empresa, que paga pelo espaço no cais, próximo à rodoviária. As embarcações devem ser transferidas para as docas do Cais Marcílio Dias, além da ponte do Guaíba.

 

Os navios paraguaios
MARISCAL JOÉ FÉLIX ESTIGARRIBIA
– Com dívidas de R$ 1,4 milhão, o navio graneleiro do governo paraguaio está ancorado no cais desde 1997. A SPH o considera sucata de grande risco à segurança do porto.
GENERAL BERNARDINO CABALLERO
– Com uma dívida de R$ 2,1 milhões, a embarcação graneleira, também de bandeira paraguaia, está no cais desde 1997. É considerado sucata de grande risco ao Cais do Porto por causa de falta de segurança à navegação, ao ambiente e à saúde pública.

 

Zero Hora



Categorias:Projeto de Revitalização do Cais Mauá

Tags:, ,

8 respostas

  1. em nome de Jesus que todos os navios abandonados em todo o Brasil sejem afundados 100% em toda a costa para aumentar o potencial pesqueiro e estimular o turismo submarino

    Curtir

  2. Afundem esses navios na Baía para aumentar o potencial pesqueiro

    Curtir

  3. Contribuem para dar um de mais decadência em Porto Alegre…

    Curtir

  4. ^^

    Eles só protestam por causas politicas…

    Curtir

  5. 20 anos atracados ali e nenhum ec.oxii.ta para protestar….hummmm…tipico!!

    Curtir

  6. OOH VOU SENTIR SAUDADES

    Curtir

  7. Prq tudo e’ essa histeria do “ecologico” “meio ambiente”, “ameaca sanitaria” que gente mais porre com isso, Afunda essas nabas e eles se tornarao em recifes artificiais dai ajudaria a tirar essa cor de NESCAU do guaiba. Ou venda para a China como sucata.

    Curtir

  8. tem um que parece ta beeem acabado que ta aqui na frente, é da Argentina pelo que ta escrito.
    Ta a varios dias ali sem movimento…

    Tomara, ae vamos nos livrar
    ashusahuas

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: