Ritter diz que Capital desperta interesse de hotéis populares

O crescimento do turismo interno brasileiro, puxado pela maior remuneração das classes C e D, tem estimulado a chegada de bandeiras econômicas a Porto Alegre. Nos próximos anos, a Capital receberá pelo menos 12 empreendimentos com diárias entre R$ 50,00 e R$ 150,00, seguindo o caminho já trilhado por cidades com elevado trânsito de turistas, como Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro.

“A chegada destes empreendimentos visa a um mercado que hoje não utiliza hotéis, mas fica na casa de amigos ou parentes quando viaja”, explica Ricardo Ritter, vice-presidente do Sindicato da Hotelaria e Gastronomia de Porto Alegre (Sindpoa). “Agora, com mais distribuição de renda e a aceleração do turismo interno, o potencial para hotéis econômicos é alto em todo o País”, explica Ritter.

Além de receber turistas em lazer ou na visita a conhecidos, as hospedagens populares avançam sobre Porto Alegre para atender ao grande volume de executivos em viagens de negócios rápidas e estudantes do Interior do Estado que se deslocam à Capital para prestarem vestibulares ou participarem de concursos públicos. A proximidade da Copa do Mundo de 2014 também estimula a chegada de empreendimentos populares, de olho nos turistas brasileiros.

Em Porto Alegre, perante a falta de terrenos disponíveis nos arredores de bairros turísticos, os novos hotéis têm optado por ocupar prédios históricos ou reformar antigos negócios. A rede Brazil Hospitality Group (BHG) inaugurou uma unidade com bandeira Tulip Inn no antigo hotel Alfred da Praça Otávio Rocha, no Centro da cidade. O prédio foi adquirido há pouco mais de um ano, reformado e agora abre as portas.

O hotel, o primeiro da rede BHG no Estado, terá 95 apartamentos e centro de convenções. A rede pretende atrair o público corporativo em viagens rápidas. O preço da tarifa fica abaixo da média cobrado por outros empreendimentos localizados na cidade: R$ 140,00 em apartamento individual e R$ 170,00 em apartamento duplo.

Outra bandeira econômica que aposta no Centro Histórico de Porto Alegre é a Fórmula 1, da rede Accor. Recentemente, a empresa adquiriu uma área entre as ruas Mauá e Júlio de Cartilhos, na qual investirá R$ 20 milhões na construção de uma unidade com 340 apartamentos. De acordo com comunicado oficial da empresa, a previsão para inauguração é no final de 2012.

Novos empreendimentos de bandeiras conhecidas da hotelaria econômica deverão abrir na Capital nos próximos anos – embora as empresas não revelem detalhes sobre o investimento. O recente movimento foi desencadeado pela abertura de um hotel da rede Íbis no bairro Moinhos de Vento, em maio do ano passado.

“Temos atendido tanto o turista de lazer, aos finais de semana, quanto os clientes corporativos, nos dias da semana, gerando um movimento constante”, diz Alexandre Antônio de Oliveira e Silva, subgerente do Íbis Moinhos de Vento. Nos próximos meses, a bandeira ganhará novas unidades em Canoas e Novo Hamburgo.

Jornal do Comércio



Categorias:hotelaria, TURISMO

Tags:,

13 respostas

  1. Os hóspedes suportam durante um tempo a nossa sujeira, mendigagem e arrogância e depois seguem viagem para a sujeira, a mendigagem e a arrogância do destino final deles.

    Curtir

  2. “…esta tua idéia de que as cidades de turismo que deram certo só tem hotéis caros, não sei da onde tiraste. Acho que falaste com algum hoteleiro de Gramado!”

    Porto Alegre tem tudo a ver com hotéis baratos e pensões. Se transformará na principal baldeação para traslado aos que saem de suas cidades natais e procuram outros lugares melhores para viver. Como há viagens muito longas de ônibus, muitas pessoas se hospedarão em Poa…antes de partirem para seus destinos finais. O único inconveniente aos hóspedes é suportar um ou dois dias da nossa sujeira, mendigagem e arrogância.

    Curtir

  3. “Eu estava sendo sarcástico. Sabe como é né, minha missão na vida é discordar do Augusto.”
    Não há como negar que tens um ótimo paradigma.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: