NOVA PROMESSA: Prefeitura exigirá rapidez na Alfândega

Segundo secretária, governo cobrará aumento de funcionários em obraDepois de muitos reveses, desculpas e contratempos, a prefeitura da Capital deu um ultimato à empresa responsável pela reforma da Praça da Alfândega. A obra deveria estar pronta há um ano, mas se arrasta indefinidamente, conforme revelou Zero Hora em reportagem publicada ontem.

Ontem, a secretária-adjunta da Cultura, Ana Fagundes, disse que a prefeitura está tomando medidas para garantir que tudo esteja pronto na Feira do Livro, em outubro.

Segundo ela, um novo cronograma foi entregue à EPT, empresa responsável pela reforma, e uma equipe está acompanhando de perto os trabalhos. A gestora garantiu que, além de cobrar o cumprimento do prazo (até setembro), a prefeitura já solicitou que a companhia aumente o número de trabalhadores na área:

– Se a empresa continuar colocando poucos funcionários, vai receber advertência.

Ontem à noite, ZH não conseguiu localizar os representantes da EPT para falar sobre o assunto.

A obra

– Por que é importante: a Praça da Alfândega é uma das mais tradicionais da Capital, localizada no centro histórico, e deverá voltar a ter o desenho original concebido em 1924 – com outro traçado, vegetação mais baixa e maior iluminação natural. Ele foi alterado nos anos 70.
– Início: junho de 2009
– Custo: R$ 2,9 milhões
– Previsão inicial de término: abril de 2010
– Previsão atual de término: setembro de 2011 (a reforma do calçamento ao redor da praça, porém, deve ser concluída apenas em abril de 2012).

A NOVA PRAÇA

Confira como deve ser a nova Alfândega pela qual os porto-alegrenses aguardam há dois anos:
– A praça voltará a contar com o aspecto de meados do século passado, quando tinha passeios mais amplos, vegetação mais aberta e melhor iluminação
– Um módulo de serviços, com café, banheiros e pequenas lojas será aberto junto ao prédio da Caixa
– Os artesãos da Sete de Setembro ficarão na Cassiano Nascimento, na extremidade da praça próxima à General Câmara
– O piso de pedras portuguesas receberá melhorias, assim como o sistema de iluminação e o paisagismo.

_________________________________

ENTREVISTA

“Vamos liberar a praça para a Feira do Livro”

Ana Fagundes

Ana Fagundes, secretária-adjunta da Cultura em Porto AlegrePor telefone, a secretária-adjunta da Cultura em Porto Alegre, Ana Fagundes, explicou o motivo dos atrasos nas obras da praça e garantiu que o local estará pronto até a Feira do Livro deste ano. A seguir, leia os principais trechos da entrevista.

Zero Hora – A reforma da Praça da Alfândega deveria estar pronta há um ano. Por que tanta demora?

Ana Fagundes – São vários fatores. Esta é uma obra de preservação, que envolve a questão da memória cultural, com escavações arqueológicas, recolocação de pedras portuguesas e todo tipo de material antigo, de recuperação histórica. Além disso, têm as questões ambientais. Não se trata de uma obra comum, que tu vais comprando material e colocando.

ZH – Então por que há uma placa no local, anunciado o término para 6 de abril de 2010?

Ana – Essa placa é lá do início da obra e teria de ser trocada, mas não é esse o caso. O problema é que surgiram imprevistos. Quando se começou a escavar, foram localizados vários dutos de esgoto muito antigos embaixo da praça. Estavam muito comprometidos. Então tivemos de fazer outra licitação paralela para repor essa parte, que não estava prevista no projeto original. Isso demora. Tem de fazer projeto, orçamento, tem de licitar. Por duas vezes não apareceram empresas.

ZH – Nossa equipe visitou o local quatro vezes e viu poucos operários trabalhando. A prefeitura não pode fazer nada para mudar isso?

Ana – Esse problema de pouca gente trabalhando é uma preocupação da prefeitura. A gente tem uma equipe que vai diariamente lá e cobra isso da empresa. Só que a empresa nos dizia que, enquanto houvesse o problema dos dutos, não poderia avançar. Com a finalização da obra dos esgotos, se fez uma reunião na semana passada, se estabeleceu um novo cronograma e se entregou à empresa. Esse cronograma está sendo cobrado. Se a empresa continuar colocando poucos funcionários, vai receber advertência.

ZH – A prefeitura não pode fazer nada além disso para acelerar a reforma?

Ana – Não vamos esperar até setembro para dizer que não vai acontecer. Estamos mobilizados. Se antes da feira sentirmos que o cronograma não está sendo executado, vamos tomar as medidas cabíveis, mais drásticas. A empresa contratada está fazendo várias obras para a prefeitura, inclusive a do túnel da Conceição, e tenho certeza de que tem o maior interesse em concluir dentro do prazo.

ZH – Então vocês se comprometem a deixar tudo pronto até a Feira do Livro?

Ana – Em setembro, deverá estar pronta toda a parte central da praça, onde hoje estão os tapumes. Vamos liberar toda a praça para a Feira do Livro e, quando a feira terminar, vamos recuperar algumas calçadas externas. Não depende só da prefeitura, mas garanto que faremos o possível para que isso se concretize. 

Zero Hora (impressa)



Categorias:Parques da Cidade

Tags:,

5 respostas

  1. Realmente marcelo, imagina se acharem um cano de esgoto histórico enquanto cavam metade da cidade, inclusive nas proximidades do Mercado, que já passou por diversos aterros e deve ter muito ali de baixo.

    E sim, a empresa deve morrer de medo de tomar uma advertência 🙂

    Curtir

  2. Se demora isso tudo para um simples remodelamento de praça, o que vai demorar
    a construção do metrô?

    Curtir

  3. Geovane. Há outras coisas envolvidas nesse processo todo. Muitas mais, posso te garantir. A história é bem mais extensa e pornográfica do que se possa imaginar. Há coisas sintomáticas. Por que a Secretária está agilizando providências só depois que a imprensa publicou a reportagem?
    Há todo um jogo de interesses nos escaninhos do poder público e das empresas contratadas. Nesse meio, quem menos corre, voa.

    Curtir

  4. Nossa, se eu fosse o dono da empresa estaria morrendo de medo com essas declarações… pffff

    Curtir

  5. As empresas que ganham licitação deste tipo deveriam colocar bem grande o seu nome, o telefone e a data de limite de conclusão. Pois já que o poder publico não tem capacidade de cobrar, eu como cidadão gostaria de ligar e exigir que o que foi pago com meu dinheiro seja efetivamente feito.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: