Tesouros da Capital estão escondidos à espera de restauração

Obras de arte recolhidas para restauração são vítimas da burocracia

Bustos de vultos históricos, anjos, ninfas, placas e peças decorativas, destruídas por vândalos, estão guardadas numa sala no Parque da Redenção. Obras de escultores famosos, como o pelotense Antônio Caringi e o espanhol Andrés Arjonas, estão pegando pó, enquanto aguardam para serem restauradas. A estátua A Samaritana, serrada ao meio, está há nove anos na fila dos reparos.
– O problema é falta de grana

Empoeiradas e semidestruídas, obras de arte recolhidas para restauração são vítimas agora da burocracia. Desde o ano passado, após um jogo de empurra entre secretarias da prefeitura da Capital, as peças danificadas por vândalos foram finalmente catalogadas e colocadas numa sala no Parque da Redenção.

Esculturas do pelotense Antônio Caringi e do espanhol Andrés Arjonas Guillén assumem o tom acinzentado do descaso. Há obras que aguardam por restauro há nove anos.

Em 2004, reportagem do Diário Gaúcho revelou que furtos e vandalismo fizeram a prefeitura retirar dos lugares públicos peças danificadas ou em perigo de serem levadas por marginais.

– Projeto precisa de apoio privado

A recuperação das peças criadas sob encomenda nas décadas de 30, 40 e 50 aguarda um ato administrativo que deverá ser assinado nas próximas semanas pelo secretário municipal do Meio Ambiente, Luiz Fernando Zachia, há 45 dias no cargo. O projeto, porém, pode emperrar por falta de recursos. Sem dotação orçamentária, a Smam depende do apoio da iniciativa privada para começar a restauração do patrimônio cultural da cidade.

– Consulado garante reparo

Zachia espera que bustos de vultos históricos, ninfas, anjos, placas, colunas, pedestais e peças decorativas em ferro, bronze, cobre e até em concreto voltem a ser apreciados novamente pelos frequentadores da Redenção, da Praça da Alfândega e de outras áreas da cidade.

O busto do general Artigas, herói da Independência do Uruguai, por exemplo, retornará em breve para a Alfândega.

– O consulado uruguaio se dispôs a contribuir com recursos necessários para a fixação do busto no seu local de origem – garantiu.

– Tristeza de escultor

Neto e filho de escultores, Paulo Ricardo Arjonas Guillén, 47 anos, vê com tristeza o estado das obras de autoria do avô, o espanhol Andres Arjonas.

– Quem vê aquilo leva um choque, especialmente porque é possível recuperar aquelas obras e devolvê-las à comunidade – afirmou.

Paulo já fez restaurações para o município, como a do chapéu da estátua de Santos Dumont, na Redenção.

O administrador da Redenção, Jorge Pinheiro, informa que a sala destinada para acomodar as peças era usada como estufa e depósito de ferramentas da oficina. O material guardado na sala está protegido por um sistema de alarme antifurto. Em breve, o espaço poderá receber novos itens.

– Podem ter mais coisas estocadas por aí – revelou Jorge, levantando a hipótese de que outras obras estejam guardadas em outros locais.

– Quem foram?

– Antônio Caringi – Filho de imigrantes italianos, nasceu em 25 de maio de 1905 em Pelotas. Estudou na Academia de Belas Artes de Munique, na Alemanha. Entre suas principais obras estão a estátua do Laçador, o monumento ao Expedicionário, no Parque Farroupilha, e a estátua equestre de Bento Gonçalves.

– Andrés Arjonas Guillén – Escultor e arquiteto nascido em Antequera, província de Málaga, Espanha, em 30 de novembro de 1885. Emigrou para o Brasil com seu pai em 1893. Entre suas obras, está o altar-mor da Catedral Metropolitana de Porto Alegre.

SAIBA MAIS
– Na sala da Redenção estão sete bustos, uma estátua e 20 placas de homenagens, entre elas às colônias sírio- libanesa e ítalo-brasileira.
– A estátua A Samaritana, serrada ao meio, é uma das que aguardam restauração. O corpo esculpido em bronze reproduz uma camponesa com um cântaro e está dividido em duas partes na altura da cintura. A obra foi danificada em 2002.
– Entre os bustos, está o do General Artigas, herói da independência do Uruguai, que voltará para a Praça da Alfândega, e o de José Bonifácio, o patriarca da Independência do Brasil.
– A estátua O Menino da Cornucópia, ou o Menino Nu, foi recuperada e será recolocada no lugar na Redenção.
– Antes de serem levadas para a Redenção, as peças estavam em uma sala da Smam.

Diário Gaúcho



Categorias:Monumentos, Patrimônio Histórico, vandalismo

Tags:,

7 respostas

  1. Favor, divulguem esse vídeo,

    Curtir

  2. Não tem pra tirar o pó, mas tem pra inaugurar a do Brizola! ISso sim não da pra entender! Primeiro o prefeito inaugura uma placa onde o jovem morreu torrado na parada de ônibus, agora querem por um brizola de bronze na praça. Pra isso sobra dinheiro público.

    Curtir

  3. Tem que ter pulso firme com a chinelagem que depreda o patrimônio, tanto público quanto privado de terceiros. Tem que acabar com essa vitimização dos criminosos e descer o “tatuador” no lombo deles.

    Curtir

  4. Guilherme, mesmo concordando contigo eu não duvido do poder da negação. Vão por em uma praça pra ser arrebentado de uma vez.

    Curtir

  5. Que coloquem num cofre e guardem para a proxima geração, se tiver educação, restaura e coloca nas ruas.

    Ou coloca em lugares onde tenha sempre movimento e segurança, e não no meio de algum parque

    Curtir

  6. Nem sei se é bom restaurarem, da próxima vez que forem vandalizadas podem ser perdidas para sempre. Sério, temos que ser práticos e aceitar o ambiente em que vivemos. Estas obras deviam estar em um lugar controlado, como dentro de prédios, públicos ou algo parecido.

    Curtir

  7. O governo cobra a metade que os otarios dos trabalhadores produzem, e mesmo assim precisam da iniciativa privada para fazer qualquer coisa…….la no japao, eles ja reabriram o aeroporto de Sedai, QUE FOI DESTRUIDO PELO TSUNAMI. Ai, ate’ para dar uma lavada num pedaco de metal ou pedra os caras nao tem competencia. Jesus!!!!

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: