A lição além dos muros da Escola Aurélio Reis

Encravada em um beco no bairro Jardim Floresta, na periferia da Capital, uma escola estadual divide espaço com casebres e o narcotráfico. Não tem placas nem portaria. É rodeada por um muro aos pedaços e protegida por um portão com corrente e cadeado. Pode parecer estranho, mas ali está a instituição de ensino eleita pelo governo gaúcho como modelo a ser seguido.

Mas o que há de tão especial na Escola Estadual de Ensino Fundamental Aurélio Reis? Definitivamente, não é o pórtico. É preciso avançar e olhar mais de perto. Quando pisei pela primeira vez na viela, às 12h47min de segunda-feira, também desconfiei. Foi um grupo de crianças sentadas ao meio-fio que me serviu de bússola.

– É aqui a escola Aurélio Reis? – perguntei.

– Sim, tia. Daqui a pouco abre – respondeu uma sorridente menina desdentada, enquanto os colegas brincavam de rodar peão.

– E esse muro estragado? – continuei.

– Foi uma árvore que caiu em cima.

Às 13h, uma senhora destrancou o cadeado e os alunos entraram correndo e gritando. Aos poucos compreendi por que, nos últimos três anos, a escola reduziu a zero a taxa de abandono e aumentou os índices de aprovação. Foi isso que levou o governador Tarso Genro, em março, a atravessar o mesmo portão e conversar com docentes e estudantes. Ao final, surpreso, o chefe do Executivo declarou:

– Se fôssemos estabelecer um padrão de um a 10, essa escola mereceria oito ou nove e até um 10 em alguns aspectos. Ela deve ser a referência para a qual queremos remeter todas as escolas do Rio Grande do Sul.

Saindo da UTI

A primeira coisa que se vê é uma quadra de cimento, protegida por uma cerca enferrujada, e dois prédios de tijolo à vista em boas condições. Não há lixo no chão nem pichações – apenas grafites.

Nos prédios – um deles novo –, as paredes são recém-pintadas. Além do bege de fundo, há detalhes em vermelho, lembrando flores e corações. Por todos os lados, quadros destacam os valores da escola: respeito, autoestima e ensino de qualidade.

Não há classes nem paredes riscadas. Nenhuma sequer, em nenhum dos edifícios. Os tampos das mesas são brancos e lembram os móveis usados em alguns colégios particulares. Também não há cadeiras quebradas.

A explicação para tanto zelo está em um acordo coletivo tácito, possível em uma instituição pequena, se comparada a outras da rede – do jardim à 8ª série, são apenas 220 alunos. Mas ao mesmo tempo difícil, por abarcar uma população em parte miserável, incluindo moradores da Vila Dique.

Ao assumir a direção do estabelecimento, há três anos, a professora Nássara Brum Pires Scheck, 48 anos, concluiu que precisava arrumar um jeito de aproximar a criançada da escola. Na época, os índices de reprovação e abandono eram altos. A virada só seria possível a partir de uma mobilização incluindo pais, alunos e funcionários.

– Atenção! Sábado vai ter churrasco e mutirão. Avisem em casa. Quem quiser, vai poder ajudar a pintar o colégio. É só aparecer – anunciou a diretora, em março de 2008.

Empolgados, pais e alunos compareceram em massa. A ofensiva fez história no bairro. Em dois dias, as paredes estavam renovadas. E o sentimento de orgulho em relação à escola também. Os mutirões se seguiram, ano após ano, assim como as festas.

– É como se fosse nossa casa – assegura a estudante Suelen Marques, 11 anos.

A escola saiu da UTI, mas as condições ainda eram ruins. Mesmo ganhado mal, as professoras chegaram a tirar dinheiro do bolso para ajudar. Certa vez, quando faltou comida, Nássara foi de carro até a Ceasa. Pediu ajuda de banca em banca. Ganhou repolho, cenoura, alface.

– As pessoas não imaginam, mas o que a gente recebe do governo do Estado não dá para quase nada. São R$ 1,7 mil por mês. E isso tem de servir para tudo, do material de limpeza à conta do telefone – diz a diretora.

Sonho realizado

Inconformada, ela saiu em busca de verbas. Onde havia oportunidade de participar de algum projeto, lá estava ela. E projetos existem, aos montes. O problema, diz a gestora, é a burocracia, o tempo exigido para o preenchimento de papéis, a prestação de contas. Mal pagos, muitos diretores preferem a inércia. Nássara, não. Nássara é diferente. E foi assim, na base da insistência, que a escola conseguiu sua segunda grande conquista.

Com recursos do programa Mais Educação, do governo federal, foi possível criar uma biblioteca infantil. Hoje, meninos e meninas contam com um espaço multicolorido, cheio de almofadas e pufes, com mais de uma centenas de livros. Dá gosto de ver.

A biblioteca virou hit. Nássara, que trabalhou por 20 anos na rede marista, queria criar salas de aula temáticas, abrir um laboratório de matemática e ciências, arrumar a sala de informática. Em 2009, com verbas federais, ela conseguiu concretizar o segundo sonho.

Inclusão digital

Montado em uma sala ampla, o laboratório conta com mesas compridas e um armário com dezenas de jogos educativos. Em um balcão, réplicas de um esqueleto e do corpo humano chamam atenção, assim como uma engenhoca representando o sistema solar, um microscópio e uma luneta.

– Uma das escolas onde trabalho é particular, mas não tem nem a metade do que tem aqui. É uma forma divertida de aprender – diz a professora Jéssica Paim, 20 anos.

No mesmo ano, graças a uma boa gestão, Nássara conseguiu reformar a sala de informática. De tanto insistir com governantes, ganhou 28 computadores. Mandou botar tampos de madeira sobre antigas pias dispostas na sala para compor mesas e comprou cadeiras estofadas. Não sossegou enquanto não conseguiu auxílio da Secretaria Estadual de Educação para instalar um split. Todos os equipamentos seguem funcionando. E as cadeiras não têm um rasgo sequer.

A reviravolta promovida desde 2008 é visível em todos os cantos. Nos banheiros, as portas maculadas com palavrões e desenhos obscenos foram pintadas e seguem brancas. Tudo é muito limpo. E há papel higiênico.

– Se a gente não insistisse e desse o exemplo na questão da higiene e na organização, o que se poderia esperar das crianças? Muitas vivem no meio do lixo. Aqui, ensinamos para a vida – sustenta Nássara.

Na entrada das turmas, a gurizada se apressa quando há oficina com netbooks. Selecionada para o projeto Escola Digital, uma parceria entre Estado e iniciativa privada, a Aurélio Reis recebeu a promessa de ganhar 250 computadores portáteis e lousas digitais.

O projeto começou em 2010. A escola teve fiação e tomadas instaladas e apenas um teste com um dos quadros. Os professores estão sendo treinados. Quanto aos laptops, chegaram só 25. A letargia não abate os estudantes.

– Eu estudava em outro lugar antes. Tinha livros feios, paredes riscadas, cadeiras quebradas, lixo nos corredores. Aqui é tudo ao contrário. E ainda tem os netbooks. Pouca gente tem essa oportunidade – conclui o aluno João Pedro Gonçalves, 12 anos.

Se dependesse das crianças, elas dormiriam abraçadas nos netbooks, dentro da escola, que fica aberta aos fins de semana, com aulas de informática e violão à comunidade.

Por um novo muro

Enquanto alunos aprendem passos de street-dance e outros ajudam a limpar os pratos no refeitório – usado três vezes ao dia –, pergunto à diretora o que achou da visita de Tarso Genro. Com um misto de orgulho e modéstia, ela sorri e diz ter se surpreendido, não sem antes deixar claro que é “apartidária”:

– Não sei se somos escola modelo. Temos muita coisa boa, sim, mas também temos muito a conquistar. É uma luta diária.

Foi assim que Nássara conseguiu a ajuda de uma editora para a publicação de três livros, feitos pelos pupilos. No lançamento do último, na Feira do Livro em 2010, a diretora quase infartou de orgulho. A próxima luta, agora, é mais difícil, mas não impossível. Ela quer mudar a cara da escola, que faz a gente duvidar da qualidade do colégio.


A RECEITA DE NÁSSARA

A pedido de ZH, a diretora Nássara Brum Pires Scheck, 48 anos, elaborou uma receita simples para transformar a realidade:

1 Faça você mesmo. Mobilize seus alunos para um mutirão. Pode ser uma limpeza coletiva da escola, o embelezamento do pátio ou até uma pintura nova. Se não tiver verba e não conseguir apoio do Estado, não desanime. Busque parceiros no bairro ou promova uma festa comunitária para arrecadar dinheiro.

2 Reutilize materiais. Exemplo: em vez de jogar fora cadeiras quebradas, tire as partes de madeira e separe as estruturas de ferro de quatro delas. Em uma obra ou marcenaria, peça duas tábuas de quatro metros de comprimento e 30 centímetros de largura. Disponha as estruturas lado a lado e pregue as tábuas para formar um banco coletivo. Depois, convide os alunos para a pintura e terá um banco novo na quadra de esportes.

3 Fique atento aos projetos oferecidos pelos governos federal e estadual. Acesse o site do Ministério da Educação (www.mec.gov.br) e fique de olho. Dá trabalho participar – é burocrático, exige tempo e comprometimento. Mas é uma forma de conseguir verbas para melhorar o ambiente escolar.

Por: JULIANA BUBLITZ
Zero Hora Impressa

===
Este é um belo exemplo de cidadania onde a sociedade se integra com a instituição buscando um bem comum para todos.
Parabéns a este e outros tantos exemplos que podemos ver pela cidade.
Daniel Serafim 




Categorias:Educação

Tags:, , ,

5 respostas

  1. vou conhecer esta escola, estou procurando uma escola p meu filho quinto ano, ele estuda em outra escola a qual nao estou nada satisfeita, o diretor de lá não toma iniciativa p nada, a limpeza da escola vai ser feita em mutiraõ organizado pelos pais isso é horrível ter um diretor q não faz nada. quero uma diretora assim, com iniciativa, que empurre o pessoal p frente, se tiver q pegar no cabo da enxada to dentro mas quero a diretora junto c a gente, vou lá amanhã mesmo.

    Curtir

  2. fui aluna da escola; adoro a nassara pois e uma diretora incrivel ela da tudo para que seus alunos fiquem feliz participei de dois livros; fiz parte domultirão de pintar a escola ;me formei na 8s parabes nassara.

    Curtir

  3. No meu ponto de vista as ESCOLAS PÚBLICAS (e até as privadas) não deveriam ser federais, estaduais ou municipais. Essa diferenciação só interessa as organizações corporativistas e suas ideologias retrógradas em busca de privilégio e contra a eficiência no ensino. As Escolas, pelo contrário, deveriam ser financiadas por todos os entes federativos conjuntamente, pela comunidade do entorno, pelas empresas privada e pelos pais dos alunos, conforme a capacidade de cada um.

    Também deveria ser administrada, nas suas diretrizes básicas, conjuntamente por professores, pais e representantes da comunidade, mas a operacionalidade administrativa do dia a dia deveria ser executada por um profissional formado da área.

    Curtir

  4. E tem gente aqui que não acredita que educação é a solução para os problemas sociais! Vou colar esta matéria no meu blog também.

    Curtir

  5. Estimular o pessoal a ir pintar a escola é uma baita idéia, faz com que as pessoas vejam o espaço mais como seu.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: