Exclusivo: Operários da Arena podem entrar em greve pela segunda vez

O clima no canteiro de obras da nova arena gremista não poderia ser mais tenso. Segundo os funcionários da empresa responsável pelas obras, a OAS Empreendimentos, a maioria deles veio do interior do Maranhão para o canteiro de obras às margens da Freeway, em Porto Alegre, e estão insatisfeitos com a condição de trabalho encontradas no local. A greve, garantem, é para os próximos dias.

Os motivos da nova paralisação ainda são os mesmos da primeira vez, ocorrida no final de fevereiro deste ano. Os operários ainda estão morando em hotéis rodeados de garotas de programas e marginais a espera da construção dos prometidos alojamentos, que ainda estão sendo construídos em Cachoeirinha, na Região Metropolitana. A demora na entrega da obra se deve a intervenção da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego. Após receber a denúncia de que os planos da construtora era colocar mais de 20 pessoas dormindo no mesmo quarto, os fiscais realizaram uma vistoria em todo a construção da arena e determinaram algumas mudanças, entre elas a readequação do alojamento em construção.

Outra grande reclamação é o salário. Eles garantem que lhe foram prometidos um valor enquanto ainda estavam no interior do Maranhão. Aqui chegando, contam eles, a quantia ficou muito abaixo do acordado. Para conseguir mandar mais dinheiro para a família que ficou no nordeste do país eles fazem hora extra todos os dias.

Um motorista que trabalha na empresa Angel, responsável pelo translado dos trabalhadores gaúchos do canteiro de obras até suas cidades no interior do Estado, conta que os nordestinos chegam a trabalhar até às 18h no sábado, dia em que o expediente acaba às 12h . Seu companheiro de trabalho, que faz o translado dos operários na Capital, confirma a informação. Ambos almoçam no canteiro de obras da Rodovia do Parque, que fica ao lado da futura arena gremista, porque, dizem eles: “a comida lá é bem melhor”.

E é justamente a alimentação a terceira grande reclamação dos trabalhadores. A comida no refeitório da arena chega fria, contam os operários. Diferente dos nordestinos, os motoristas tem a opção de buscar o almoço no canteiro de obras da nova estrada, que fica ao lado do futuro estádio. Segundo eles, a alimentação oferecida do outro lado do canteiro tricolor tem qualidade muito superior.

Apesar das diferenças, ambas as obras são administrados pela OAS. No entanto, a empresa recebe para construir a rodovia dinheiro do governo federal, diferente da construção do estádio, erguido com recursos da própria construtura e que nos próximos 20 anos terá direito de usufruir de pontos comercias a fim de resgatar os valores investidos. A diferença em ambas construções vão além da refeição.  “Aqui até no prego eles economizam”, resume um dos operários que prefere não se identificar. A fiscalização também é intensa. “Ninguém sai do portão em horário de serviço sem estar acompanhado de um segurança”, afirma.

Já os trabalhadores terceirizados, que também atuam nas obras, pouco ou quase nada reclamam. Sob os olhos atentos de seu supervisor os homens garantem que as condições de trabalho são ótimas e que as obras estão a todo o vapor. “Se tu quiser saber de mais alguma coisa é só perguntar pra ele”, sugere um dos trabalhadores, apontando para o responsável pelo seu setor que de longe observava a conversa.

Reportagem: Jonathas Costa
jonathas.costa@acad.pucrs.br



Categorias:Arena do Grêmio

Tags:, , , ,

14 respostas

  1. tudo ISSO E INVEJA DA IMPRENSA ” VERME 69 ok ” . E DOS 69 ALUGADO AG tbm . ( APENAS CADE AO GREMIO // GE . COMECAR A FISCALIZAR DE CIMA AS OBRAS ne ??????????????????????????????? . ESPERO !!!!!!!!!!!!! O RESTO E CHORRO 69 .

    Curtir

Trackbacks

  1. Operários da Arena do Grêmio paralisam obras « Blog Porto Imagem
%d blogueiros gostam disto: