MPF investiga incentivos fiscais concedidos à empresa Grendene (Azaléia)

Nos últimos anos, o grupo recebeu do BNDES cerca de R$ 3 bilhões !!!

O Ministério Público Federal em Novo Hamburgo (RS) instaurou Inquérito Civil Público para investigar os incentivos fiscais concedidos pelo governo federal à empresa Grendene, dos mesmos donos da Vulcabrás, que, nesta semana fechou sua fábrica no município de Parobé. “O objetivo do Ministério Público Federal é anular e fazer devolver aos cofres públicos incentivos do governo federal à Grendene, empresa que demite em massa”, afirmou o procurador da República em Novo Hamburgo, Celso Tres.

O procurador disse que em 2005 a empresa fechou sua fábrica em São Sebastião do Caí (RS), sacrificando 2,5 mil empregos, e em 2008 extinguiu 800 postos de trabalho em Portão. “Agora o grupo Grendene (Azaléia/Vulcabrás), fecha a unidade em Parobé, de supetão, fazendo com que 800 pessoas amarguem o desemprego e o município perca 30% de sua arrecadação de ICMS.”

Apenas nos últimos anos, o grupo Grendene recebeu do governo Federal, através do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), cerca de R$ 3 bilhões a juros ínfimos (inferiores a 4% ao ano), disse Tres. Além disso, inúmeros incentivos fiscais, cujo valor será apurado, também foram outorgados à corporação empresarial, ressalta o procurador da República. Ele acredita que além de demitir em massa no Estado do Rio Grande do Sul, o grupo Grendene instala, possivelmente com o dinheiro do erário federal, fábricas no exterior, a exemplo da Índia.

Celso Tres acrescenta que no estado do Ceará, a Assembleia Legislativa apura conduta do Governador Cid Gomes e sua família que, entre 20 e 27 de janeiro deste ano, usaram jato particular cedido pelo empresário Alexandre Grendene e passaram férias nos Estados Unidos e Caribe. “Isso ocorreu exatamente quando o Estado renovou as isenções fiscais à empresa por mais 15 anos.” Na campanha eleitoral, Cid já recebera R$ 1,2 milhão de doação do grupo.

“A Constituição da República impõe que o governo Federal paute sua atuação na atividade econômica pela prevalência da valorização do trabalho, justiça social, busca pelo emprego e não, consoante verificado neste caso, precisamente o inverso, qual seja, sangrando o erário de recursos para promover o desemprego em massa”, alerta o procurador da República.

Correio do Povo

Incentivo fiscal vai mudar

O encerramento da produção de calçados no Rio Grande do Sul, decidido pelo grupo Vulcabras/Azaleia, que desempregou 840 trabalhadores no município de Parobé, levou o governador Tarso Genro a anunciar decisão de que serão mudados os critérios para a concessão de incentivos fiscais. Tarso disse que solicitará à Secretaria da Fazenda o histórico de incentivos fiscais concedidos à Azaleia. A finalidade não é para rever decisão do passado ou ressarcimento. Conforme o governador, os incentivos ocorreram dentro da legislação vigente. A informação, porém, servirá de base para o governo alterar critérios sobre a matéria.

Tarso deixou claro que não é contra os incentivos. Mas eles devem ser autorizados para empresas que chegam para “se acoplar à produção já existente no Estado e não sufocá-la ou que tenham esse tipo de atitude”, acrescentou ao se referir ao grupo. A Azaleia, continuou o governador, se expandiu no Estado graças a “incentivos homéricos” e agora decidiu ir embora “sem avisar a ninguém” – nem a Fiergs sabia, disse – e não teve consideração, nem respeito com os “recursos do povo”.

Na avaliação do governador, a Azaleia deveria ter, pelo menos, feito “uma saída concertada do Rio Grande do Sul para não causar a comoção que está causando”. Em artigo publicado em jornais em setembro de 2005, quando a Azaleia demitiu 800 trabalhadores ao fechar fábrica em São Sebastião do Caí, o deputado Fabiano Pereira havia calculado que a empresa teria recebido R$ 40 milhões do Fundopem entre os anos 1994/1998.

Ato foi necessário, alega Vulcabras

A direção da Vulcabras/Azaleia definiu a demissão de 840 funcionários da unidade de Parobé como penosa, mas necessária. A companhia alegou a necessidade de reduzir custos devido ao pequeno aumento no volume de vendas, prejudicado pela entrada de calçados importados, e a perda de competitividade nas exportações. O presidente da Vulcabras, Milton Cardoso, projeta que as demissões ocorridas em Parobé podem se repetir em outras cidades do Vale do Paranhana e do Vale do Sinos e em outras regiões do país. O empresário critica a política econômica brasileira, ressaltando que a elevação da taxa de juros, a carga tributária e a oscilação cambial prejudicam o setor produtivo.

“O RS é o melhor lugar do país para o desenvolvimento de produtos. O Estado é o berço da indústria calçadista e conta com o maior número de escolas de técnicos em calçados”, disse o presidente da Vulcabras. A empresa que opera unidades na China, na Índia e na Argentina, anunciou recentemente a abertura de mais uma fábrica na Ásia.

Só 60% devem voltar, prevê prefeita

A prefeita de Parobé, Gilda Maria Kirsch, encerrou ontem sua participação na Marcha dos Prefeitos, em Brasília, e retornou ao Rio Grande do Sul para acompanhar os desdobramentos da demissão dos 840 funcionários da Vulcabras/Azaleia. Ela acredita que só 60% dos dispensados conseguirão retornar ao mercado de trabalho em curto prazo.

Antes de regressar, porém, Gilda solicitou audiência com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel. “É preciso que o governo federal adote medidas urgentes para evitar que outras indústrias calçadistas da região venham a praticar demissões em massa, aos moldes do que ocorreu na Vulcabras/Azaleia”, disse.

Reunião de emergência busca saída

A recolocação dos 840 profissionais demitidos pela Vulcabras/Azaleia em Parobé e os impactos do fechamento da linha de produção da empresa foram discutidos em uma reunião realizada ontem à tarde na prefeitura. O encontro foi convocado com urgência pelo governo do Estado, que enviou representantes para discutir o problema com representantes do município, dos trabalhadores e de entidades locais.

Presente à reunião, o secretário de Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa, Maurício Dziedricki, afirmou que o governo foi surpreendido com a decisão da empresa. “O que nos alivia é que as perspectivas de recolocação dos profissionais demitidos são muito boas.”

Correio do Povo



Categorias:Economia Estadual

Tags:, , , , , ,

14 respostas

  1. Julião, PT, PSDB, PMDB, PSD e outros quase trinta partidos, tudo máfia legalizada, as leis de roubos legal já estão prontas, só muda a sigla.

    Curtir

  2. O petismo é uma MÁFIA que já tomou conta de vários órgãos e Poderes da República.

    Curtir

  3. Nunca pus a mão no fogo pelos Grendene, mas eles hoje são só a ponta de um iceberg. O problema tem raízes bem mais profundas…

    Curtir

  4. Dinheiro da saúde, da educação, da segurança…… engorda porco gordo tipo Grendene. Já pensou de a Receita Federal ter poder, mas o governo federal controla o dinheiro, e os bancos. Eta roubalheira.

    Curtir

  5. Quem nao tem equilibrio emocional pra comentar sem se exaltar deve ir procurar um psiquiatra antes de querer postar na internet. El lloro es libre.

    Curtir

  6. Podem notar que, sempre quando uma notícia ruím para a reputacão do governo vaza.. no dia seguinte surge outra notícia sensacionalista e protecionaista tentando explicar o ocorrido.. me admira essa coincidência súbita.

    Curtir

  7. O MP já teve alguns casos de politização então não seria surpreso. Rogério, eu concordo com o que falas, mas se liberaram o financiamento com um contrato mal feito… deviam acionar judicialmente o responsável pela liberação do crédito antes da empresa.

    Curtir

  8. Um procurador deve “falar” num processo, antes de falar com a imprensa. Se não existe processo deveria estar trabalhando para isso (é muito bem pago para cumprir essa função), pois, caso contrário, pode e deve ser responsabilizado pelo que diz.

    Essas empresas tem ações em bolsa e o que o Procurador está fazendo é difamar uma empresa brasileira – uma coisa tão criminosa como os “crimes” que alega terem ocorrido.

    Curtir

  9. Não temos que se basear neste momento nem em ideologismos nem em partidarismos, mas sim num pragmatismo.

    Pelo que eu saiba, exceto em situações excepcionais o BNDES deve ser utilizado para estímulo a produção fabril no Brasil, ou em determinadas condições em que haja contrapartida de outras nações. Agora é certo, o BNDES não deve ser utilizado para implantar fábricas em outros países em detrimento dos nossos empregos.

    A tônica de muitos comentários era que sendo uma empresa privada eles podem fazer o que quiser com O SEU DINHEIRO, porém pelo que eu saiba o dinheiro do BNDES é público, logo esta liberalidade não pode ser empregada. Imaginem o seguinte, retirar um empréstimo do BNDES e utilizar para comprar carros novos para toda a família. Não sei se vocês qualificariam isto como UTILIZAR O SEU DINHEIRO PARA O QUE QUISER. Análogo a isto utilizar o dinheiro do BNDES para gastar no exterior, para turismo, construção de novas empresas ou se aquecer nos Alpes Franceses queimando as notinhas é tudo a mesma coisa, fica difícil desculpar. Talvez o Polípio tente, mas acho difícil conseguir.

    Curtir

  10. O que mais sangra o erário da República são esses altos salários dos Procuradores, bem como de seus assistentes e outros cargos públicos “de elite”, fora as incorporações, os quintos, URVs, auxílios-moradia…: bilhões e bilhões de reais, todos os anos.

    Curtir

  11. bah, se for real mesmo, peço até desculpas pro tio Tarso, que eu tanto não gosto, mas que tambem não da pra xingar de graça.
    ashsahsuas

    Curtir

  12. O MPF está tomado de ideologismos e, o que é pior, por partidarismos, como se viu no último governo do estado.

    Curtir

  13. Certo que a culpa não é do Tarso, é questionável até se há culpados. Mas este artigo está cheio de expressões como “empresa que demite em massa”, “sacrificando 2,5 mil empregos”, “pessoas amarguem o desemprego”, entre outras, que já indicam uma certa ideologia. E a Grendene fazer doações altíssimas de campanha é bem normal, todos grandes grupos fazem.

    Mas bem, se algo foi feito fora da lei, que seja apurado.

    Curtir

  14. E tem gente que ainda acha que o Tarso e’ o vilao da historia. Partidarismo fanatico cega as pessoas realmente.

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: