O anti-urbanismo de Porto Alegre – Parte 1

Em meio às conversas sobre grandes obras, o grande metrô, o grande estádio da Beira-Rio, a grande remodelação da Praça da Alfândega, esquecemos as pequenas coisas, como as calçadas estreitas, os meio-fios tortos, o asfalto grosseiro da rua, o desnivelamento da rua, etc.

Essas coisas passam esquecidas pelos cidadãos e pela prefeitura. Envio hoje fotos de como poderiam ser nossas dezenas de ruelas deste labirinto que é o centro de Porto Alegre. Quase todas as ruas estão abandonadas, detonadas, com as calçadas esburacadas, os asfaltos enrugados, tudo sujo e ao “deus dará”. Tomei a Alberto Bins como exemplo. Ela podia ter suas calçadas alargadas mais 1, 1,5 ou 2 metros. Podia ter postes modernos – ou continuar o estilo antigo.
Se todas as ruas do centro sofressem este processo básico de urbanismo (relativamente barato comparado com um metrô ou uma Praça da Alfândega), nosso centro já teria outra cara.
Marcelo Bumbel

Av. Alberto Bins - 1 - ANTES

Av. Alberto Bins - 1 - DEPOIS

Av. Alberto Bins - 2 - ANTES

Av. Alberto Bins - 2 - DEPOIS

Autor do texto e fotos: Marcelo Bumbel



Categorias:Reurbanização, Revitalização do centro

Tags:, , , ,

10 respostas

  1. Muito importante mesmo a atenção aos detalhes, que não existe por aqui. Porém não gosto dessas calçadas de pedra cortada, em preto e branco, me parecem que adicionam poluição visual à cidade. Penso que o melhor mesmo seriam calçadas simples de concreto, etc.

    Curtir

  2. E digo isso em relação a ela ser nivelada, sem buracos e ao menos ter calçamento. Eu ando em lugares que a calçada nem existe, ao lado de avenidas movimentadas.

    Curtir

  3. Quando vi a primeira foto das 4 achei que ele fosse dar ela como exemplo a seguir, porque as que eu ando nem se comparam àquela ali. hahaha

    Curtir

  4. Gilberto, se tu conseguires abrir os olhos da administração municipal para todas as pequenas e grandes iniciativas em potencial que há por aí para transformar a nossa cidade, prometo que assim que voltar ao RS inicio uma campanha de abaixo-assinado para que se mude a legislação atual e se permita homenagens em vida para pessoas de grande contribuição para a cidade (atualmente a legislação só permite homenagens póstumas) e com isso nomeiem alguma avenida de grande importância na cidade com o teu nome! Hehe. E com direito à entrega da “chave da cidade” e título de “cidadão honorário de Porto Alegre”. Hehe.

    Já pensastes que chique, “Avenida Gilberto Simon”! “Vou lá no ‘Porto Alegre High-Tech Executive World Trade Center’ ali no novo centro financeiro da cidade, na Avenida Gilberto Simon!”. Hehe.

    Brincadeiras à parte, o teu site e o teu blog são o grande passaporte da cidade para o futuro. O tíquete promissor da cidade para 2014. Digite “Porto Alegre” no google que logo aparecerá o site e o blog PortoImagem nos primeiríssimos resultados de pesquisa. Faça o teste, primeiríssimos mesmo (incrivelmente quase colado ao próprio site oficial da Prefeitura Municipal de Porto Alegre). Tu tens uma tremenda influência sobre a imagem e o conseqüente futuro da cidade que talvez tu nem tenhas a real e exata dimensão grandiosa disso.

    O que se discute aqui no blog, se fosse posto efetivamente em prática, posteriormente alçaria qualquer político de alguma visão à cargos ainda mais altos.

    Se eu fosse o Fortunati, te colocaria correndo na minha equipe força-tarefa para a Copa de 2014, como verdadeiro braço direito mesmo. E digo mais, tu és um grande nome em potencial para uma futura cadeira na câmara municipal, pois não ficas na balela de dizer jingles e frases de efeito do tipo “e aí? Beleza?” e etc, sabe dos reais problemas da cidade e das possíveis soluções, grandes e pequenas, para tanto.

    Como já te disse, minha única/última esperança para que não percamos o expresso de desenvovimento que cada vez mais dispara rumo à 2013 e 2014 é você. Realmente torço com todas as minhas forças para que tu consigas efetivamente sensibilizar o executivo e o legislativo municipal e a imprensa para a real dimensão do que a Copa pode fazer por todos nós. Em 1960 nós noss reiventamos sem precisarmos de uma Copa ou de qualquer outra coisa parecida, o fizemos por pura e simples iniciativa própria. E agora, que temos até mesmo os estrangeiros ávidos para nos ajudar nessa tarefa?

    Para ajudar mais ainda nisso, é uma pena que o bilionário Eike Batista não seja gaúcho, pois ele tem feito diversas ações milionárias transformadoras lá no Rio de Janeiro, enquanto os Gerdau Johanpeter estão mais preocupados com Mônaco e até mesmo a zona sul carioca. Eles até ajudam de vez em quando, mas não usam o potencial que teriam para ajudar.

    Por favor, coloque minha querida Porto Alegre devolta aos eixos! Ajude-nos a repassar aos nossos netos uma cidade tão atrevida e cheia de si quanto a cidade que nossos avós nos deixaram! Pela nossa sociedade! Pelo nosso povo porto-alegrense e gaúcho, que tanto trabalha e paga impostos e que por isso tanto merece efetivamente viver numa cidade dos sonhos!

    Curtir

  5. Fiação subterrânea é melhor tanto do ponto de vista estético quanto pela segurança. Fiação exposta pode até eventualmente provocar acidentes se um fio ceder ou arrebentar, e acaba sendo convidativa a pessoas sem conhecimento técnico se arriscarem a fazer os “gatos” ou roubar os fios.

    Curtir

  6. É disto que falo todas as horas de todos os dias
    Adeli Sell
    Vereador

    Curtir

  7. Rogério, na Argentina é bem comum as cidades utilizarem esse sistema de fiação aterrada. Já no Brasil é coisa de condomínio privado de luxo.

    Na Rua Oscar Freire em SP aterraram a fiação, era a grande crítica à estética da mesma que os gringos faziam quando circulavam por ali. Fora isso, acho que no país só Gramado (Gramado aterrou a sua fiação, não? Faz um tempinho que não vou lá.) fez o mesmo. Acho que é meio caro, mas é uma alternativa pra bandidagem não roubar o cobre que contém a fiação.

    Curtir

    • Rio de Janeiro zona sul, centro e barra da tijuca são todos aterrados
      Avenida Paulista, Rebouças, Oscar Freire, Faria Lima em SP também são
      Brasília

      Curtir

  8. Verdade, Gilberto!

    Concordo plenamente! E é isso que me desanima um pouco, pois o mais simples não fazemos, imagine as grandes obras.

    Essas seriam belas iniciativas. A prefeitura deveria incentivar que os proprietários de imóveis fizéssem esse tipo de ação em suas calçadas e fachadas, dando desconto no imposto e etc.

    E outra, em Toronto/Canadá, vem mais um bom exemplo. Lá os edifícios têm que construir algum tipo de escultura ou obra de arte na entrada, junto à calçada, o que torna a cidade uma verdadeira galeria de arte à céu aberto.

    Em João Pessoa/Paraíba tem algo parecido. Todos os prédios (de qualquer tamanho) que têm saído na cidade nos últimos anos possuem grandes esculturas na frente. Mais uma vez João Pessoa se inspirando no exterior e dando lição de niciativa ao país.

    Obs.: Gilberto, quando sairá o segundo mega post teu, com os grandes projetos ousados que nunca saíram do papel? Estou ansioso.

    Curtir

  9. Há uma coisa que todos esquecem e que melhoraria em muito o aspecto da cidade, o uso de redes subterrâneas. Isto sim é que mais deixa feia a cidade.

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: