CONTRASTE NA 3ª PERIMETRAL: Skate no lugar de ônibus

Enquanto motoristas sofrem com o trânsito lento, jovens aproveitam corredor ocioso em Porto Alegre

Faixas exclusivas a ônibus servem para jovens andarem de skate e bicicleta em horários de pico

Aos finais de tarde, enquanto a fila de veículos abarrota as vias laterais da Terceira Perimetral e testa a paciência dos motoristas, no miolo, skatistas e ciclistas rodam livremente. Aproveitam a calmaria do corredor de ônibus.

Registrado entre as avenidas Benjamin Constant e Cristóvão Colombo, na Rua Dom Pedro II, o contraste tira do sério condutores, usuários da via que, em tese, deveria ser uma ligação ágil entre as zonas sul e norte da Capital. No entanto, observa-se o contrário. Com a reduzida circulação de ônibus, jovens em skates passam tranquilos ao lado de carros com dificuldade em superar a segunda marcha.

Enquanto padecem na tranqueira, rotina das 17h30min às 19h30min, motoristas clamam por solução. Sugerem o exemplo da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) na Avenida Sertório, onde o corredor é liberado a veículos em horários de pico e com orientação de agentes.

Para a EPTC, a solução não é o uso compartilhado. Diferentemente da Sertório, separada por tachões, a Terceira Perimetral tem canteiro, que demarca o espaço dos ônibus e o dos veículos de passeio.

– É uma questão de segurança, pois o canteiro dificulta o acesso e a saída do corredor – avalia Vanderlei Cappellari, diretor-presidente da EPTC.

A empresa cogitou liberar o corredor para taxistas, com ultrapassagem proibida e local determinado de entrada e saída, porém concluiu que o ganho de tempo é pequeno. A EPTC pretende aumentar o número de linhas de ônibus para desafogar o Centro, e aproveitar melhor a Terceira Perimetral.

Corredor deve ser reavaliado

Professor de Trânsito e Transporte da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), João Hermes Junqueira concorda que a presença de canteiro dificulta a liberação do corredor da Dom Pedro II, mas acredita ser necessário rever o espaço.

– É temerário simplesmente abrir o corredor. Mas, se ele é ocioso, é preciso reavaliar o uso. Em último caso, acaba-se com o corredor e o tráfego ganha mais vias para escoar – opina Junqueira, que evita usar a via.

O diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, espera ter em mãos, em junho, o resultado de um estudo com soluções de curto prazo para o contraste de trânsito na Terceira Perimetral.

Doutor em transportes e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS), João Fortini Albano é contrário ao uso compartilhado dos corredores na Capital – ambulâncias e viaturas já os utilizam em emergências:

– A Sertório é um exemplo a não ser seguido. Descaracteriza o corredor de ônibus. Mesmo sendo pouco usado, serve de reserva para o futuro, quando mais coletivos estiverem nas ruas.

Para o especialista, se os porto-alegrenses usassem mais ônibus, a lentidão diminuiria. Outra alternativa seria a retirada das sinaleiras da via, mediante a construção de passarelas.

Alerta da EPTC
Apesar da circulação de ônibus ser pequena, por questão de segurança a EPTC orienta que os skatistas evitem usar o corredor de ônibus da Terceira Perimetral, exceto nos domingos e feriados, quando a área é liberada para atividades de lazer.


Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:,

37 respostas

  1. Adoramos nos espelhar em paises de primeiro mundo, de comparar que na europa, nos eua…. é melhor isso aquilo.

    na europa me lembro de governos oferencendo benefício para pessoas e famílias que deixassem de ter um carro, e com isso tinha direito a uso de transporte público de graça.

    nos estados unidos em são francisco nasceu o car sharing (compartilhamento de caronas)

    E aqui, querem 1.409.939 carros nas ruas, ou seja, um para cada habitante, hoje já temos 700mil, fora os que vem de outras cidades.

    Lastimável que o Brasil não tem visão.

    Em tempo, em países da europa algumas áreas do centros das cidades foram fechadas para carros.

    Curtir

    • Fontes:
      Car Sharing: http://www.citycarshare.org/

      Em Los Angeles, avenidas com dez faixas estão entupidas. As ruas de algumas cidades européias chegaram ao limite de circulação.
      http://www.cicloviavel.org/Artigos/Super.html

      UNIÃO EUROPEIA
      UE quer eliminar carros a gasolina e a diesel de suas cidades até 2050
      http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/03/110328_transportes_ue_pai.shtml

      Curtir

    • Querer 1 carro por pessoa ou 2 carros por família ninguém quer, mas a escolha entre o transporte individual, o coletivo e os alternativos é sempre de cada pessoa, conforme suas necessidades e objetivos. Portanto, antes de querer que as pessoas deixem os carros de lado é preciso oferecer condições adequadas, principalmente investindo nos modais públicos de transporte. Outra opção seria restringir o uso ou a compra de carros através pedágios e aumento de impostos, obrigando que mais pessoas migrem para o sistema público, mas, da mesma forma, seria algo ilegítimo, se a opção do transporte coletivo não fosse no padrão adequado.

      Como eu digo sempre desde o Forum Social Mundial, “um outro mundo é possível”, mas antes de querer viver nesse mundo dos sonhos é preciso criá-lo, adaptando o atual pouco a pouco. Viver num mundo que não existe é coisa de alienado.

      Curtir

  2. “Lembrem-se: “Quanto mais estrutura viária para carros, mais carros aparecem, e maior será o inferno para todos na cidade!”

    Por esse raciocínio exdrúxulo, quanto menos vias, menos carros. Fantástica conclusão!

    Façamos o seguinte, seguindo a tua linha de raciocínio; Quanto mais helipontos, mais teremos helicópteros, que são bem mais rápidos para se chegar do ponto A ao ponto B.

    O inferno da mobilidade urbana é quando essa cidade não possui estrutura para suportar os meios de transporte que seus cidadãos usam…notadamente o meio de transporte que a maioria usa.

    A prioridade tem que ser a tendência do consumo. Se a população está cada vez mais uisando os carros, tem que ser as vias para veículos. se a população está usando cada vez mais o transporte público, tem que ser no transporte coletivo.
    No caso de Porto Alegre..assim como em todo o Brasil…todos sabem que é NÍTIDA e INSOFISMÁVELMENTE os automóveis.
    Quanto mais carros forem despejados nas ruas, mais ruas tem-se que ter para que o trânsito escoe a contento. Tudo o que não for isso, é INVENCIONICE e ALQUIMIA SOCIOLÓGICA.

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: