Prefeitura inicia cadastro de carrinheiros e carroceiros

Foi dado nesta quinta-feira, 2, um passo importante para o conhecimento da realidade dos carroceiros e carrinheiros da cidade de Porto Alegre. O prefeito José Fortunati assinou a Ordem de Início dos trabalhos de cadastramento dos veículos de Tração Animal (VTAs) e dos veículos de Tração Humano (VTHs). A solenidade, que ocorreu no Salão Nobre do Paço Municipal, contou com a presença de dirigentes das entidades dos carrinheiros e carroceiros da cidade e de lideranças da região das Ilhas. (fotos)

O programa, que inicia pelas Ilhas do Pavão, Grande dos Marinheiros, Flores, Pintada e Mauá, irá se estender para toda a cidade. Com a iniciativa será conhecido o perfil dos carroceiros, carrinheiros e familiares para desenvolvimento de programas sociais.

De acordo com o prefeito, a partir do levantamento cadastral, será possível quantificar a população infantil e conhecer seu perfil do ponto de vista educacional, para identificar necessidades específicas e planejar possibilidades de inserção na rede escolar. Também está prevista a radiografia das demandas voltadas ao público adulto, como a implementação de cursos profissionalizantes e alfabetização. Os cavalos, com a implantação da chipagem serão fotografados e relacionados aos proprietários. “Com o cadastro saberemos quantas pessoas e famílias sobrevivem da coleta de lixo reciclável. Hoje esse número é chute. Vamos fazer um trabalho com informações concretas e não será imposto de forma autoritária. Todo o esforço é para fazer de forma coletiva”, frisou Fortunati.

O prefeito ressaltou o lado social, humano e ético do processo: “a redução passa por um olhar amplo do poder público com a comunidade, oferecendo alternativas de emprego e renda e de vida digna sem impor de forma autoritária qualquer decisão da população”. disse Fortunati, referindo-se ao projeto de lei, de autoria do vereador Sebastião Melo, que instituiu o Programa de Redução Gradativa do Número de VTAs e VTHs, que tem como prazo 2016. O desejo do prefeito é concluir os trabalhos até 2014.

Fortunati destacou, ainda, o tratamento diferenciado dado às Ilhas pelo poder público ao criar a 17º região do Orçamento Participativo, específico para o Arquipélago. O secretário de Coordenação Política e Governança Local, Cezar Busatto, falou do plano de desenvolvimento para a região das Ilhas. “Esse é o primeiro passo de um projeto que vai transformar o arquipélago. É um plano de desenvolvimento com sustentabilidade e inclusão social que está sendo colocado em prática numa das regiões mais bonitas e promissoras da cidade”.

O coordenador do Programa de Redução Gradativa de Veículos de Tração Animal e de Tração Humana, Sandro Ribeiro, destacou a importância da parceria e do diálogo que está sendo realizado com os carroceiros. “Temos consciência que é um problema social grande. É uma caminhada delicada, mas queremos andar de mãos dadas com a prefeitura para chegar lá na frente com sucesso”, disse o presidente da Associação dos Carroceiros de Porto Alegre, Teófilo Júnior.

Sobre a empresa

Pelo sistema de Pregão Eletrônico de Serviços foi definida em março a contratação da empresa Cooperativa Interdisciplinar dos Profissionais da Área Social LTDA (COOPAS). A empresa vencedora atuará nas áreas de proteção permanente, risco, faixa de domínio e regiões ribeirinhas do Guaíba. Após a contratação, a empresa terá prazo de 90 dias para concluir o cadastro.

Prefeitura de Porto Alegre



Categorias:Carroças e Catadores, Meios de Transporte / Trânsito

Tags:

5 respostas

  1. Esse paternalismo da prefeitura aos carroceiros já passou dos limites, deveriam ter sido tratados com pulso firme a bem mais tempo. Alternativas existem, tanto com a construção civil que hoje contrata até sem-teto quanto com a piscicultura (para os que moram nas ilhas seria uma boa opção, e a prefeitura poderia até usar peixe para enriquecer a merenda escolar) ou mesmo a agricultura. A meu ver, essa história de reflorestamento é conversa pra boi dormir, já que ao invés de recompor vegetação nativa o que normalmente se faz é plantio de pinus.

    Curtir

  2. Primeiro quiseram emplacar as carroças. Depois o Seb”o”stião Melo foi o proponente da lei para acabar com a circulação de carroças. Posteriormente contrataram uma empresa pra cadastrar os carroceiros e fazer um levantamento/mapeamento sociológico. Depois querem colocar chips nos cavalos.

    Só uma perguntinha; qual a próxima providência INÚTIL que a PMPA vai adotar pra retirar carroças, carrinhos e podridões ambulantes das ruas?
    Até que ponto eles serão capazes de ENROLAR?

    Curtir

  3. é fogo mesmo..
    =///

    Tenho pena dos cavalos, sem contar que tem muito carroceiro ae que rouba ou furta casas, conheço gente que ja foi assaltada por carroceiros, e tem os que roubam fiação e outras coisas.

    Ja vi um em plena luz do dia rouando um compensado dos tapumes do terreno de onde vão fazer um hotel perto da rodoviaria… alias, ja roubaram dezenas..

    Curtir

  4. @Luis Antônio “eram 30 vagas, nenhum, isso mesmo nenhuma pessoa quis fazer o curso que era a n0ite e de graça”. Lamentável isso.
    Mais lamentável é a situação dos animais, que não tem escolha, nem vez, nem nada… A ong “Chicote Nunca Mais” faz um ótimo trabalho com estes animais, e no site deles eles relatam a dificuladade que enfrentam de conseguir o apoio das autoridades, da brigada, dos políticos… Enfim, de quem tem competência para fazer algo para acabar com esta situação. Sugiro uma visita ao site a quem se interessar pelo assunto.

    Curtir

  5. Cada um busca o sustento de sua familia com o que pode. Mas dizer que os carroceiros vão pra outras cidades, então é porque as pessoas querem continuar a ser carroceiras. Se as outras cidades não proíbem, bom problema que elas vão ter que administrar. Nada contra as pessoas, mas é um saco ter que andar no centro no fim de tarde e ver os pobres animais mal tratados cheios de lixo em cima. Os carrinhos de compra dos papeleiros cheios e no meio das calçadas, enfim isso um dia alguem tinha que fazer algo.

    Bom que a prefeitura esta fazendo algo, pelo menos é um dinheiro público sendo bem usado.

    Minha esposa é Assistente Social, e eles tem metas e criar grupos pra trabalhar as inumeras dificuldades existentes nas comunidades. Mas vejam só, foi criado curso de pedreiro e marceneiro de graça e sabe quantos se increveram? eram 30 vagas, nenhum, isso mesmo nenhuma pessoa quis fazer o curso que era a n0ite e de graça. Foi divulgado casa por casa em todas as 5 ilhas e parece que ninguem quer saber de nada. O que dá lucro é drogas e viver as custas do governo. O buraco é bem mais embaixo…

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: