Inspiremo-nos!

O José Maurício nos mandou algumas fotos de uma mega plano de revitalização do cais de Belfast, Irlanda do Norte.  O projeto é muito maior e abrangente que o nosso, mas acho válido como material de inspiração e estudo.  O que me impressiona nestes projetos gringos é a abrangência e ambição: são 185 acres (748 mil metros quadrados) onde  haverá  7.500 apartamentos, 900.000 metros quadrados de escritórios, lojas, centros de educação, restaurantes e bares.

O que quero dizer com isso? Arquitetos, muita ambição na hora de fazer o layout final dos novos prédios, das praças, mobiliário urbano e demais coisas que serão erguidas e remodeladas no nosso cais: temos aqui uma oportunidade ÚNICA de construirmos algo ambicioso, de vanguarda, moderno e que crie uma identidade e uma skyline portoalegrense para o século XXI. NÂO PODEMOS DEIXAR que se construa prédios medíocres ou aberrações à la Camelódromo. Não podemos deixar isso solto na mão de quem quer que seja. Devemos fiscalizar os projetos e nos manifestarmos se nos depararmos com designs atrasados e modestos.  Sei que não somos tão ricos quanto a Irlanda (ou somos?  A Irlanda tá numa M e como consegue fazer uma coisa dessas?) mas não tem desculpa para a mediocridade.

Arquiteto: http://www.civicarts.com/index.php

Clique nas imagens para ampliá-las!



Categorias:Outros assuntos

10 respostas

  1. Mandem essa matéria pro Sr. Vereador Airto Ferronato.

    A tendência no mundo hoje é de se aproveitar os espaços disponíveis nas cidades de forma híbrida, ou seja, ocupando a área com espaços públicos, espaços comercias e espaços residenciais, de forma a se diversificar a população que neste local irá circular, bem como mantê-lo em uso durante as 24hrs do dia.

    Conclusão: ou Porto Alegre não faz parte do mundo, ou Porto Alegre não é uma cidade, ou o mundo inteiro está errado.

    Curtir

  2. Esse projeto insere um paredão na orla. Isso é um absurdo, com todo o respeito. O colega Adriel já resumiu as implicações de ordem “eólica” para o caso. As implicações no microclima seriam muito significativas. Porém, não impede que obras de menor porte que valorizem a orla do Lago Guaíba sejam instaladas. Mas não esse verdadeiro muro que privatiza inclusive a vista do pôr-do-sol, por exemplo. Portanto, creio que não seja adequado para a nossa realidade.

    Curtir

    • É verdade, vai tapar o por do sol mais lindo do mundo. Vamos ficar sem atrativos turísticos. Que venha laje grês por toda orla pra valorizá-la.

      Curtir

    • Fernando, não estou advogando um muro. O que eu queria chamar a atenção com este exemplo foi a ousadia. Poderiam erguer prédios baixinhos, mas arquitetonicamente geniais, e construir um único prédio alto, mas realmente alto. As possibilidades são inúmeras, só não aceito que se ergam nenhuma “torres gêmeas” ou outra mediocridade qualquer. Oportunidade como essa não aparecerá tão cedo por aqui!

      Curtir

  3. O que???? Prédios na órla do nosso lindo Guaíba???? Jamais!!!!!
    Todo o terreno na beira de rios, lagos, açudes e sangas devem permanecer públicos num raio de 50kms pelo menos. E o governo deve construir parques públicos (ao estilo praça Garibaldi) para que toda a população tenha acesso a estas maravilhas da humanidade.

    Onde já se viu colocar prédios na beira da orla? Assim os ventos não chegarão ao centro… por sinal tinham que derrubar aquele morro enorme ao lado do Portal do Estaleiro também para melhorar a circulação de ar na cidade.

    Curtir

    • Tirando a ironia de lado, é óbvio que não sou a favor de nenhum paredão. O problema de circulação de ar é real. Mas isto se resolve facilmente com um plano diretor que contemple uma densidade máxima de área construída e impeça de acontecer o que tem aos montes no centro e cidade baixa de prédios construídos um colado no outro e ainda por cima avançando sobre a calçada. Acho que o PD atual já contempla isto.

      Só que exigir que a orla seja 100% pública é o absurdo do absurdo… a prefeitura não consegue sequer manter os parques existentes e tirar o lixo da rua de uma maneira satisfatória, e tem gente que quer que ela ainda cuide da orla. Claro que um ponto ou outro de acesso público, como Ipanema e Gasômetro são bem vindos, mas qual o problema em ceder para a iniciativa privada áreas completamente degradadas como o Estaleiro? Tem gente que precisa sair um pouquinho do Brasil para abrir um pouco a mente.

      Curtir

  4. Isso sim é que é projeto de verdade e não a porcaria que vão fazer aqui!

    Curtir

  5. Acho que para melhoria do conjunto temos é que atrair serviços de maior valor agregado pra aquela região. Por exemplo, houve uma época uma idéia de estimular a mudança de empresas de TI para lá, seria uma boa.

    Curtir

    • Respondendo a mim mesmo, claro que espero que o Cais seja um primeiro passo nisso, visto que deve atrair restaurantes e outros tipos de comércio mais nobres.

      Curtir

  6. A minha esperança não é tanto dentro Cais, em termos de prédios qualificados, mas na avenida Mauá, que sofrerá fortes investimentos (eu espero) por causa do projeto do Cais e da consequente revitalização do centro de Porto Alegre.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: