MAIS 1 ANO: obras de restauro da Praça da Alfândega terminam em junho de 2012!!!

Praça da Alfândega e prédios do entorno são tombados como patrimônio histórico e cultural l Foto:Ramiro Furquim/Sul21

Nubia Silveira (texto) e Flavia Boni Licht (consultora)

Em junho de 2012, o programa Monumenta concluirá o restauro da Praça da Alfândega, no Centro Histórico de Porto Alegre. As obras, que já se estendem por dois anos e nas quais serão investidos R$ 3 milhões, buscam dar à Praça a imagem que ela tinha nas primeiras décadas do século XX. No seu entorno, podem ser admirados belos edifícios, projetados pelo arquiteto alemão Theo Wiederspahn, como o Santander Cultural, o Museu de Arte do Rio Grande do Sul e o Memorial do Rio Grande do Sul, que apenas o leitor identificado como Felipe X reconheceu — ainda que com alguma dúvida: “Antigo prédio dos correios?” – nas fotos com detalhes, publicadas pelo Sul21, na semana passada.

Até o início da 57ª Feira do Livro, em 28 de outubro, será entregue a área próxima à Rua da Praia, que se encontra protegida por tapumes. A arquiteta Dóris Saraiva de Oliveira, uma das responsáveis pela fiscalização dos trabalhos de restauro, representando o Programa Monumenta, ressalta que o restauro da Praça integra um conjunto do qual fazem parte também o Cais do Porto e a Avenida Sepúlveda, sítios tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). O projeto de restauração foi definido com base no desenho que a Praça teve entre os anos 1920 e 1940.

A última grande intervenção sofrida pela Alfândega ocorreu em 1970, quando foram retiradas as linhas de bonde do Centro, criado o calçadão e unificadas as Praças Senador Florêncio e Rio Branco, esta uma espécie de jardim que embelezava as frentes dos antigos prédios da Delegacia Fiscal (hoje, MARGS) e dos Correios e Telégrafos (hoje, Memorial do Rio Grande do Sul). O paisagismo das praças também deverá se parecer com o original. A arquiteta Renata Rizzotto e o agrônomo Sérgio Tomasini, da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMAM), são os responsáveis pelo projeto paisagístico. Renata reconhece que, devido às alterações ocorridas nas plantas existentes na Alfândega e à vegetação de grande porte, não é possível que se faça, agora, a marcação dos canteiros, como eram. Apesar disso, serão – diz Renata – “evidenciados os caminhos eliminados em 70 da Praça, retomando os antigos e o eixo marcado pelas palmeiras”.

Praça Rio Branco embelezava a frente da Delegacia Fiscal e dos Correios e Telégrafos l Foto: Fototeca Sioma Breitman/Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo

Leia a matéria completa, no SUL21, clicando aqui. A matéria é extensa e com muitas fotos. Vale a pena ler.



Categorias:Parques da Cidade, Revitalização do centro

Tags:, ,

9 respostas

  1. Sabe por que as praças viraram florestas? porque a prefeitura deu um fim em todos os jardinerios que cuidavam das praças, antigamente no outono as árvores em Porto Alegre eram podadas as das praças também, só não sei quando esta pratica terminou. A SMAM só consegue cuidar da árvores pontualmente. Eu sei porque faço muitos pedidos para esta secretaria, e sei, que ela não tem mais funcionários suficientes que cuidem das árvores como deve ser. Agora faça-me o favor gastar R$ 3.000.000,00 para revitalizar uma praça e ainda levar anos para concluir é demais. Eu fico pasma. Daqui ha poucos anos tudo estará como dantes na terra de Abrantes, vão inaugurar e abandonar. E para aqueles que acham que as árvores não são necessárias convido-os a se encerrarem em uma redoma, sem nada, será que sobreviverão ?

    Curtir

  2. O problema das praças hoje em dia é que elas viraram florestas. Precisa de muita poda em todas elas, é só comparar com as fotos de antigamente, eram muito mais bonitas e civilizadas.

    Curtir

  3. Que eficiência!

    Curtir

  4. Gilberto, e aquela arvore torta bem no meio da foto atras do monumento?!?!?!…Ja tinha reparado nas tuas fotos.
    Vai continuar la?? perdida e torta???

    Curtir

  5. As praças em Porto Alegre são praticamente uma “Mini-Floresta Amazônica”, mas em vez de índios, seus habitantes são mendigos.

    Curtir

  6. Realmente, se você se encontra caminhando em volta da praça dificilmente conseguirá ver quaisquer uns dos magníficos prédios ao redor. Poderiam colocar a copa das árvores lá em cima. Mas fiquei muito decepcionado: mais 10 meses para a entrega desta praça é triste. Com esses anos todos de trabalho, ela agora NAO poderá ficar menos que inacreditavelmente deslumbrante!

    Curtir

  7. Eh o centro voltando a fazer parte da cidade.

    Curtir

  8. Como os edifícios perdem com a vegetação. Olhem o como os prédios ficam mais imponentes sem aquela floresta sem função nenhuma na frente (na verdade servem como abrigo de mendigos)

    Curtir

    • Totalmente de acordo, uma praça seca valorizaria muito mais o complexo de prédios históricos dessa região da cidade.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: