Praças: Isso não nos pertence mais

Depois do preview de ontem, as fotografias chocantes da condição de um número grande das praças de Porto Alegre. Tomadas por sem tetos, alcoólatras, errantes e birutas, isso não nos pertence mais.

O que fazer. Ou não fazer.

Todo mundo sabe da retórica: são excluídos, sofrem de vários problemas psíquicos, tem o direito de ir e vir como qualquer um de nós. Etc etc etc.

Bom, alguma coisa precisa ser feita. Este problema PRECISA ser resolvido. Nossas praças PRECISAM ser recuperadas e devolvidas à grande população. É uma situação difícil. É. É um problema espinhoso e melindroso. É. Tem patrulha. Tem. Mas o bem estar da grande maioria da população tem primasia. Ou não? Não podemos ter nossas praças transformadas em moradias de sem teto. Isso é fim-de-papo. COMO fazer? Ai é uma questão de capacidade administrativa, coragem, jogo de cintura, astúcia, força e jeitinho.

Só não podemos continuar com pessoas secando seus cobertores em fontes secas.

Editado: A comparação com BH estava deturpando o foque, desculpa!

Clique para ampliar:

 

SMAM: zachia@smam.prefpoa.com.br

Secretaria de Esportes e Lazer:  edgarmeurer@sme.prefpoa.com.br

Secretária Municipal: sonia@sma.prefpoa.com.br



Categorias:Outros assuntos

Tags:,

19 respostas

  1. Acredito que todo mundo concorda que é preciso deixar sempre “a porta aberta”, para essas pessoas passar sair da miséria e da mendicância através do oferecimento de albergues, cursos de qualificação, tratamento de dexintoxicação…, e que o Poder Público erra ao não cumprir efetivamente seu papel assistencial, entretanto a sociedade não pode ser culpada, nem punida, por eles preferirem não entrar.

    Curtir

    • Exato Julião. Sempre que mostram isso vem alguém com aquele papo de “pobres excluídos pela sociedade…”. Inclusive já aconteceu aqui neste post.

      O estado deve sim prover chances de melhora para estas pessoas, seja no tratamento do vício quanto com albergues, moradia depois do tratamento, etc. Mas vcs sabem qual é o problema disso? O estado até oferece alguma coisa (longe do ideal), mas viciado é viciado, não quer largar. Eu fui viciado em cigarro e sei como é a mentalidade de alguém dependente de uma substância (mesmo sendo algo beeeem mais ameno que crack). O sujeito inventa mil desculpas para manter o vício, até que um dia vê que está errado ou acontece algo que o obriga a sair.

      E outra, excluídos? Já conheci filhinho de papai que foi parar na rua, sei que não são todos casos, mas existe isso sim. E se o cara não quer ajuda, bem daí não deve ter direito de tomar para si espaços públicos.

      Engraçado que quando alguém faz um quarto e um varal em uma praça ninguém fala em privatização de espaço público. Mas é que como não tem dinheiro envolvido daí pode né? 😉

      Curtir

  2. Enquanto o presidente da FASC pensar em ser o bambam da hora e só pensar em ser deputado, vai dar nisso. Arregaçar as mangas e trabalhar que é bom nada… isso que seus subordinados estão acostumados a trabalhar das 09:00 as 16:00 e não assumem nada a não ser fazer reunião e reuniao. E pior é a Secretaria de Ação Social, existe aqui em POA? Tem cada uma que parece mil, a coisa é muito mais embaixo, é burrocrática demais….

    Curtir

  3. Qta triteza ver isso…

    Curtir

  4. Mais uma otima reportagem que mostra a realidade porto-alegrense(e talvez de centenas de outras cidades pelo pais)…e depois a imprensa, internet e outras publicacoes vem com aquelas informacoes: cidade super arborizada e com mais de 1,3 milhoes de arvores e 582 pracas urbanizadas…..so que mais de 50% dessas arvores sao tortas, mal podadas(mutiladas) ou cobertas de parasitas….e talvez somente 20% das pracas podem ser frequentadas. PORTO ALEGRE E’ TRI.ste.

    Curtir

  5. Rafael e Guilherme voces estão certos todo o resto é papagaiação de esquerda, tem uma praça ao lado do viaduto da Ramiro Barcelos, sobre a Vasco, aquilo é uma vergonha, população excluida uma ova, excluídos do processo democrático coisa nenhuma é muita vagabundagem, consumo de alcool drogas e uma grande dose de permissividade da nossa população e das nossas autoridades. Tivemos que fechar com grades toda a frente do edifício onde eu moro, porque mendigos “cagavam” todos os dias no pátio de entrada do prédio, sem essa de falta de política social. Pago impostos e não posso levar um filho numa praça para brincar, porque sempre tem um sem teto cheirado apurrinhando o saco francamente…falta de política social…é falta de ter o que fazer, experimenta dar uma enchada pra eles trabalharem

    Curtir

  6. Privatização do espaço público!!!! É isso que está acontecendo em todas as praças de Porto Alegre, devido a mendigos e drogados.

    Se algum sem-teto se instalar na orla vão achar muito bonito, agora tente você desenvolver algum projeto moderno, com áreas de lazer e entretenimento, e será corrido a tapas de Porto Alegre.

    A cidade não está um lixo por acaso.

    Curtir

  7. oportunidades tem..

    Isso ae é gente com problemas com drogas e loucos…

    Mas não podem obrigar eles a irem para clinicas de tratamento… ai fica nessas…

    Curtir

  8. É um problema nacional! Não é falta de oportunidades, e, sim, dependência de drogas!

    Já saiu uma reportagem no ano passado a respeito:

    Pesquisa liga crack a 72,5% dos moradores de rua de Porto Alegre

    http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Geral&newsID=a2874557.xml

    o Brasil precisa é implantar a TOLERÂNCIA ZERO para acabar com a maioria de nosso problemas!

    Curtir

  9. O que podemos concluir neste momento, que nos deparamos com a falta de políticas sociais voltadas ao cidadão, cabe ao Estado como um todo, representar o cidadão nos seus meios e fins, mas o que ocorre, é o abandono deste cidadão, excluído do centro da sociedade como um todo.

    Ocorre que estes fatos que nos deparamos agora, é fruto de todo um processo em que os cidadãos foram excluídos do processo democrático que nunca existiu neste país, agora temos em nosso convívio os excluídos, estes se elevando em números alarmantes sem controle nenhum por parte das autoridades e sem políticas sociais.

    Curtir

  10. Poizé, mas aqui isso é contra os direitos humanos e não sei o que e isso e aquilo.

    3 mundo é isso.

    Curtir

  11. Marcelo, teus posts sao bons, mas tu estas dando a impressao aqui de que as pracas de BH sao todas perfeitas, ao passo que as de POA sao todas esses lixos. Eu me dei o trabalho de ir procurar pracas com mendigos em BH e olhe o que eu encontrei: http://pablodemelo.blogspot.com/2011/05/atitude-macabra.html. Uma tipica praca de Belo Horizonte… Pelo menos nas nossas pracas ainda nao estao envenenando os mendigos igual as da capital mineira.

    Curtir

  12. Acho que vale a reflexão de o que aconteceria se alguém decide deitar em um banco de praça em Paris por exemplo. Na Alemanha por exemplo. Em poucos minutos vem um guarda ou policial e manda você levantar. E aqui o que acontece?

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: