ARTIGO: Uma ponte não cai do céu, por José Sperotto*

A Ponte do Guaíba, símbolo de Porto Alegre e orgulho dos gaúchos, foi construída como uma grande solução para unir a Metade Sul do Rio Grande do Sul à Região Norte, além do fato de facilitar o acesso à Capital. Construída em 1958, atendia – e bem – à demanda de escoamento da produção na época. Com o passar dos anos, junto à confiança robustecida pelo grau de investimentos que hoje o Estado recebe, além do potencial de energia renovável e de perspectivas de apetitosas safras em tempo de oportunidades, o atual momento também nos traz responsabilidades.

Por viver esse momento positivo no que concerne a investimentos, trago o tema da construção da segunda ponte sobre o rio Guaíba a debate. Investimentos que vão gerar emprego e renda ao povo gaúcho, não devem ser vistos como fato isolado. O Estado, além do Polo Petroquímico, da Petrobras e da Celulose Riograndense em Guaíba, possui outras grandes empresas que movimentam a economia, além de manter suas portas abertas para novos investidores.

Para acompanhar esse desenvolvimento crescente, não podemos ficar submetidos a situações de risco que podem comprometer a ligação rodoviária e o escoamento da produção. Anualmente, são realizados cerca de 600 içamentos/ano. O Rio Grande do Sul não pode tornar-se vulnerável, dividindo regiões economicamente importantes, muito menos colocando em risco a vida, uma vez que, anualmente, mais de 7 mil ambulâncias passam pelo local.

Como líder da Frente Parlamentar Pró-Ponte, vejo a construção de uma nova ponte como solução para a melhora da trafegabilidade. Por isso, desde o início de 2005, travo essa luta junto com o Movimento Ponte do Guaíba de Eldorado do Sul e com os colegas da Assembleia. Agora, começa a se tornar realidade por meio do apoio dos parlamentares da bancada federal, de senadores, como também pelo comprometimento do ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, que no dia 16 de julho de 2010, durante um seminário internacional realizado na Fiergs, afirmou que a ponte estaria pronta antes da Copa do Mundo de 2014.

Com essas breves reflexões, quis mostrar um pouco de minhas inquietações e preocupações com o desenvolvimento do nosso Estado, uma vez que os investimentos são crescentes, e a necessidade de realização dessa obra se faz necessária. Pois só com a união de todos a segunda ponte será construída. Ela não vai cair do céu.

* Deputado estadual (PTB) e Vice-presidente da Assembleia Legislativa-RS

Publicado no site da Assembleia Legislativa



Categorias:Nova ponte Guaíba

Tags:

4 respostas

  1. Estámos à 30 anos esperando esta segunda ponte do guaíba,até quando jesus? até quando?

    Curtir

  2. O deputado deveria ter escrito o artigo a dez anos atras.

    Curtir

  3. Pq que o setor publico tem que fazer a ponte? qual o problema de entregar para a Concepa?

    Alias..nossas rodovias estaduais e federais estao horriveis com essas chuvas..só buraco, enquanto as estradas pedagiadas estao com um asfalto decente..

    Tá uma aventura viajar pelo interior do RS com essas ultimas chuvas

    Curtir

  4. Mais um “pronto antes da Copa”??? bbaaaah tá cada vez mais ridículo ouvir isso.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: