Linha Turismo terá paradas pela cidade em 2012

Capital qualifica a linha de ônibus

A partir de 2012, dois novos veículos serão incorporados à frota 

Linha Turismo - Foto: Gilberto Simon - Porto Imagem

A partir do ano que vem, Porto Alegre terá novos ônibus para o city tour Linha Turismo. Ao único veículo de dois andares utilizado atualmente nos roteiros especiais na Capital serão agregados mais dois equipamentos. A aquisição será feita pela Carris, que assinou contrato com a Marcopolo, de Caxias do Sul, vencedora da licitação.

O investimento, de R$ 1, 4 milhão, é o primeiro destinado para ampliar a frota turística especial, que realiza quatro saídas diárias desde 2003.

Atualmente, as rotas percorridas pelo serviço têm duração de uma hora e trinta minutos, com alternativa de visitar o Centro Histórico ou a zona Sul da cidade. Os embarques ocorrem na Travessa do Carmo, sempre às 9h, 10h30min, 13h30min e 15h30min. Mas, segundo o secretário de Turismo de Porto Alegre, Luiz Fernando Moraes, este modelo será reavaliado, buscando oferecer roteiros que permitam pontos de paradas ao longo do trajeto, a exemplo de outras capitais no País e no mundo, onde se compra um passaporte diário, com direito a desembarcar e embarcar em pontos predeterminados.

O secretário frisa que a preocupação maior é que esta oferta não se caracterize como de transporte coletivo. “Essas paradas ainda são objeto de estudo. Elas visam a permitir que os passageiros possam curtir atrativos da rota, com a possibilidade de embarcar novamente no ônibus e prosseguir na viagem”, explica Moraes, ressaltando que outra inovação almejada é ampliar a oferta de horários do city tour.

A compra dos veículos, feita a partir de convênio com a Secretária Municipal do Turismo, prepara a Capital para a chegada de grande número de turistas para a Copa de 2014. Os novos ônibus deverão ser entregues pela fabricante até o início de fevereiro de 2012. Os equipamentos terão climatização e sistema informatizado de áudio para transmitir informações turísticas em quatro idiomas durante os roteiros. Como o veículo atualmente em circulação, os ônibus terão altura de quatro metros, sendo o andar superior aberto, e o piso rebaixado na parte dianteira, com circuito interno de TV, rampa de acesso para cadeirantes, janelas panorâmicas no piso inferior e capacidade para 74 passageiros.

A Linha Turismo da Capital transporta em torno de 5 mil pessoas por mês. Cerca de 50% são turistas. “A adesão dos porto-alegrenses nos passeios é importante, pois é o público local que dá sustentabilidade para o equipamento ficar à disposição dos visitantes”, diz Moraes. Segundo o secretário, há a intenção de aumentar a frota de ônibus desta linha até 2014. Também será implementado sistema informatizado de bilhetagem, com reserva de lugares via internet e pagamento eletrônico das passagens por meio de uma página da web ou nos terminais de autoatendimento, que serão instalados nos Centros de Informação Turística. O valor da passagem é R$ 15,00.

Desde 2005, a linha também realiza passeios gratuitos através de cota social para entidades carentes e escolas públicas, contemplando 19 mil pessoas neste período. Em abril do ano passado, a pasta do Turismo criou, em parceria com a Secretaria de Educação, uma série de passeios antecedidos de palestras sobre turismo para alunos do segundo ciclo da rede municipal. Ao todo, 3,3 mil estudantes já participaram do projeto. “Com os dois novos veículos, iremos ampliar esta oferta”, anuncia Moraes.

Jornal do Comércio



Categorias:TURISMO

Tags:,

9 respostas

  1. Ariel

    Falando em Europa, Portugal, Itália, Grécia, Espanha, como vai o neo-liberalismo por lá. Privatizaram tudo e agora como eles estão?

    Curtir

    • Embora todos estes sejam um pouco mais livres economicamente do que nós, nunca houve liberalismo de verdade por lá.
      .
      Se estão do jeito que estão agora, foi porque gastaram mais do que podiam e agora estão quebrados… e isto nada tem a ver com liberalismo, e sim com má gestão das contas públicas.

      Deu para entender ou vou ter que desenhar?

      Curtir

    • Não Rogério o problema la na Europa foi com os grandes gastos da máquina pública das benesses dadas sem contrapartida. E por falar em ônibus turístico, em Roma também tem várias linhas diferentes fazendo concorrência entre si, acho que lá não pertence a prefeitura.

      Curtir

    • Essa discussão tá bizarra, Porto é uma cidade turística (bem ao contrário de POA), me parece normal que a demanda para linhas de turismo de lá vai ser muito maior.

      Mas em relação aos PIGS europeus, o problema não foi o suposto “neoliberalismo” não. Uma das regras básicas do pensamento neoliberal é não trabalhar com grandes déficits, ou seja, o oposto que a Grécia (por exemplo) fez. Mas tem uma turma aqui no “Braziu” que chama de neoliberal tudo aquilo que não gosta ou não dá certo.. hehe.

      Curtir

      • Sim, mas o fato de lá ser privado colabora com o interesse destas empresas em divulgar o seu serviço. Bastava descer do aeroporto ou estação de trêm que já tinha anúncios e pessoas vendendo passes para os passeios na linha turismo.

        Aqui, por ser público não há quase que divulgação. Mas falando sério agora… pq manter uma linha turismo pública? Se fosse concessão para somente 1 empresa (o que eu sou contra) já faria mais sentido pois ao menos esta teria interesse em divulgar seu produto. E sendo a linha pública deficitária (não sei se é verdade, mas não duvido nem um pouco) faz menos sentido ainda pois é um serviço que pode perfeitamente dar lucro e que não faz sentido existir se não der (o que acho difícil que aconteça).

        Curtir

  2. Ótimo, mas porquê Carris!!! Será que são incapazes de pensar em opções privadas???

    E Porto/Portugal eu me lembro que tinha umas 3 empresas concorrendo entre si pela linha turismo.

    Curtir

    • Adriel.

      A Carris bancou enquanto o serviço se firmava e dava prejuízo, agora que está dando lucro queres entregar para a iniciativa privada?

      Este é o famoso caso: Socializa-se os prejuízos e privatiza-se os lucros.

      Bidú, aí vem aquelas concorrências daquele tipo e se entrega o serviço para os “cumpadres”.

      Curtir

      • Se dava prejuízo… porque então porque mantiveram a linha turismo? Para puxar o saco de gringo as nossas custas?
        Não há coisas mais importante na cidade para gastar o nosso dinheiro a nosso favor?

        E conhecendo os nossos políticos como conheço, aposto que nunca foi livre para nenhuma outra empresa montar esta linha… sempre teve a prefeitura para meter o bedelho e inviabilizar o projeto.

        Em Porto nós éramos bombardiados com anúncio das 2 ou 3 linhas turismo concorrentes desde o 1o momento que colocáva-mos os pés na cidade. Aqui, mal ouvimos falar… vai ver é por isto que não dá lucro!

        Curtir

  3. Ótimo que isso esteja ocorrendo com o turismo. Mas para ver o quê? Nesta cidade o que mais há são oportunidades perdidas.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: