Porto Alegre constrói ciclovias, mas cultura ‘carrocêntrica’ ainda predomina

A prefeitura de Porto Alegre marcou o Dia Mundial Sem Carro com o início da obra da ciclovia na avenida Ipiranga

André Carvalho

Foto: Ricardo Giusti/PMPA

Celebrado nesta quinta-feira (22), o Dia Mundial Sem Carro procura levantar a reflexão da sociedade sobre o uso excessivo dos veículos automotores e as consequências para as cidades e para o meio-ambiente. Em Porto Alegre, a data foi marcada com o início da construção da ciclovia na avenida Ipiranga – o prefeito José Fortunati participou de um passeio ciclístico pela manhã. A capital gaúcha terá mais ciclovias, mas ainda as ações voltadas para os automóveis ainda são predominantes.

Além da ciclovia na Ipiranga, que será construída como contrapartida pela rede de supermercados Zaffari e pelo shopping Praia de Belas, a ciclovia no bairro Restinga está praticamente concluída, segundo o diretor-presidente da Empresa Pública de Transportes e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari. Já está em elaboração pelos técnicos da EPTC o projeto de construção de uma ciclovia na avenida Sertório, cuja obra deve começar em 2012.

Outra ciclovia será construída na Edvaldo Pereira Paiva – a avenida Beira-Rio. A ideia da prefeitura com a obra é realizar uma integração dos espaços para ciclistas nas avenidas Diário de Notícias, Edvaldo Pereira Paiva e Ipiranga, o que vai resultar em 17,4 quilômetros de espaços para ciclistas. Estas obras fazem parte do Plano Diretor Cicloviário, que pretende implantar 40 quilômetros de ciclovias até a Copa do Mundo de 2014.

Cultura “carrocêntrica” ainda predomina

Apesar do avanço na construção das ciclovias, especialistas e cicloativistas de Porto Alegre alertam que a cultura do carro ainda é predominante – não só na capital gaúcha – e que a mudança será um processo demorado.

Para o arquiteto e urbanista Ricardo Corrêa, sócio fundador da consultoria TCUrbes e um dos coordenadores do projeto do Plano Diretor Cicloviário (PDC) de Porto Alegre, o trânsito só se tornará um lugar mais respeitável quando houver educação por parte de todos, sejam eles pedestres, ciclistas ou motoristas. “Uma cidade democrática é uma cidade que dá espaço para todos os meios de transporte, e para isso a educação é fundamental e tem que partir dos órgãos de fiscalização”, afirma.

Corrêa sustenta que no Código de Trânsito Brasileiro a prioridade é sempre o pedestre. Depois ciclistas, transportes de carga e descarga e, por fim, os carros de passeio. “As pessoas têm dificuldade em aceitar que as bicicletas também fazem parte do trânsito. É obrigação dos fiscais cuidarem dos ciclistas também, educando-os, explicando como devem andar na cidade”, defende.

Para o cientista político e consultor da ONG Cidade, Sérgio Bairele, enquanto a sociedade viver na lógica do carro, considerando este o principal veículo da pista, nada irá mudar. “O motorista hoje tem o pensamento de que é mais cidadão que os outros por estar no seu automóvel. Com isso, ele acha que está acima da lei e acaba desrespeitando os demais envolvidos no trânsito, como o pedestre e o ciclista”, avalia.

SUL 21

Leia a matéria completa clicando aqui.



Categorias:ciclovias

Tags:, ,

13 respostas

  1. Meus Caros: a ineficiência do sistema de transporte coletivo é dolosa, para obrigar que seja usado carro aumentando o gasto em combustível (leia-se % elevado de impostos), estacionamento e, é claro, para haver mais carros a serem multados!

    Um ex-aluno, Cláudio Rodrigues da Silva, acrescentou:

    “O trânsito na perimetral (a 3ª), posso chama-la de 3ª Perinfernal, pois ali trafegam carros demoníacos sedentos de quebra-quebra e motoristas vampíricos sedentos de sangue pois não respeitam pedestres e outros condutores. Moro próximo à Aparício Borges, que faz parte da Perimetral. Há uma rua chamada São Miguel, que cruza a Aparício. É o maior perigo, ainda mais quando há garotas menores de idade se prostituindo, o que distrai os motoristas e motoristas fazendo manobras radicais para encurtar caminho.
    Trabalho em Canoas, poderia descer do trem na Estação Aeroporto para pegar o T11, que, aparentemente, é a melhor linha para me levar em casa. Mas não o faço, porque:
    – o ônibus anda sempre superlotado;
    -motoristas de ônibus acabam deixando a gente na parada, quando estamos fora do ônibus;
    -motoristas de ônibus acabam deixando a gente noutra parada, quando estamos dentro do ônibus (eles não tem paciência em esperar que a pessoa desça, querem que atropelemos os demais passageiros, e várias vezes tive que gritar para descer!);
    -a tranqueira é tão grande que é mais fácil descer no centro e pegar um ônibus lá (cadê a promessa de que a linha T11 encurtaria caminho e diminuiria o tráfego no centro? ).
    A linha T11 realmente encurta caminho, mas alonga o tempo de permanência no ônibus e na parada. Lá na estação Aeroporto do metrô, já vem carregado, a segunda parada após ter saído do terminal no Aeroporto!”

    A Cultura “carrocêntrica” é parte da acultura da superficialidade – TUDO fomentado pelos politocorruptos para faturarem mais impostos diretos e indiretos e facilitar a dominação, entorpecendo as pessoas com paradoxos. Trabalham feito escravos para comprarem carros moderníssimos, que podem trafegar com segurança a velocidades superiores a de decolagem dos aviões e, contudo, em ruas entupidas, trafegam mais lentamente do que um JEGUE…

    Por isto, muita gente boa está se aglutinando em torno da idéia de ACORDAR!

    Considere-se convocado a participar!

    Compartilhe, converse, espalhe…

    O mais interessante e extraordinário na amizade é que propicia a troca de idéias:

    Quanto as doamos, desinteressadamente, abre espaço, em nossa consciência, permitindo crescerem novas idéias!

    Mais do que uma pretensão em rumo à politização da nossa sociedade, isto é um chamado para deixarmos de sermos idiotas:

    Saiba mais em: http://ning.it/n6hzNd

    Link completo: http://blogln.ning.com/forum/topics/acordar-da-acultura-da-superficialidade-o-ensino-p-blico

    Acordar: Vamos, hoje, começar a construir 1MMM =
    UM Mundo Muito Melhor?
    Abs 🙂

    Curtir

  2. Pergunta aos universitários:

    O que é pior?

    Uma bomba atômica, ou a corrupção?

    Antes de responder, vale a pena conferir:
    http://pt.scribd.com/doc/66401719/

    Curtir

  3. “O motorista hoje tem o pensamento de que é mais cidadão que os outros por estar no seu automóvel. Com isso, ele acha que está acima da lei e acaba desrespeitando os demais envolvidos no trânsito, como o pedestre e o ciclista”

    Educar esse tipo de motorista e os próprios ciclistas é até mais importante que construir ciclovias.

    Curtir

  4. A Cultura “carrocêntrica” é parte da acultura da superficialidade, e é fomentada pelo Governo paraq faturar em impostos direitos e indiretos e entorpecer as pessoas com paradoxos. Tem carros que podem trafegar com segurança a velocidades maiores do que a de decolagem de um avião e, contudo, nas ruas entupidas, trafegam mais devagar do que UM JEGUE…

    Pior, juizite e a corrupção estão conectadas ao décifit de atenção coletiva provocado pelo excesso de (des)informações, e uma teia de paradoxos e de falsas crenças. O pensamento é terceirizado enquanto as sensações momentâneas são exacerbadas, esvaziando a vida de um sentido.
    A maioria da população vive entorpecida pela poderosa, inocultada e inocultável acultura da superficialidade, a qual resultou no que o Professor LÊNIO STRECK denomina “Estagiariocracia”.
    A “Estagiariocracia” integra a cadeia predatória da juizite e corrupção porque anula a principal característica da jurisdição, de ser realizada com isenção!
    Os processo só é analisado pelo estagiário que prepara a decisão, mesmo sendo desfeto ou amigo de alguma das partes! Quem duvida do poder dos estagiários, veja o ponto ao qual chegamos: Como sabem que os juízes assinam sem ler, não cuidam nem dos textos de uma linha como a que anuncia nomear “peito substituto”, no lugar do perito, após o MP comprovar “a liminar postulado(sic) no agravo”.
    Podemos articular um movimento ACORDAR? Pode te interessar, e seria oportuna a tua participação ativa, pessoa que tem focado como um livre pensador bem intencionado.
    O mais interessante e extraordinário na amizade é que propicia a troca de idéias: Porque quanto mais nos libertamos das idéias, doando-as desinteressadamente, maior espaço abre-se, em nossa consciência, para que muito mais idéias novas cresçam e floresçam:
    Mais do que uma pretensão em rumo à politização da nossa sociedade, é um chamado para deixarmos de sermos idiotas:

    Inconfidência Mineira e Revolução Farroupilha armaram-se contra o “Quinto dos Infernos”, imposto que era de APENAS 20%.

    Hoje, a carga tributária chega a ser 4 vezes maior, e o que acontece…?
    http://ning.it/qgGKUu

    Seria cômico, não fosse trágico!
    http://www.padilla.adv.br/processo/morosidade/

    Curtir

  5. Eu tinha criado um baita comentario com varias idéias sobre o assunto, mas o blog ficou fora do ar na hora de comentar
    =//

    Algo sobre ter bicicletarios em escola e incentivar os alunos a irem de bike pra aula, pra ir acostumando a gurizada desde cedo, por que se não essas ciclovias vão ser inuteis, ninguem que vive acostumado com carro vai largar o carro pra andar de bike.
    Mas quem se acostumar pode.

    Outra, é sobre um caso que vi, de um cara que pega bus com aquelas bikes que dobram, chega no centro, monta ela e vai de bike.
    Se eu tivesse grana pra ter uma bike dessas, faria isso certo.

    Curtir

  6. A cultura carrocêntrica vai comeaçar a diminuir apenas em 2 ou 3 décadas, mas o carro para sempre será um modal importante na locomoção da pessoas.

    O seu concorrente direto, ao meu ver, é o transporte público; por isso devemos começar logo a investir na qualificação dos modais de transporte de massa para que em 30 anos ele seja capaz de competir em igualdade de condições com os automóveis, recuperando passageiros que hoje, infelizmente, ainda estão substituindo o transporte coletivo pelo individual.

    Curtir

  7. Ciclovias tem que ter interligação, não adianta ter ciclovias pontuais, quando a terceira perimetral foi construída não foi pensada uma ciclovia? O problema é que no Brasil a bicicleta é vista como apenas um divertimento e um brinquedo quem não lembra da campanha “não esqueça da minha Caloi”?. Passei um tempo na Itália e lá se ve senhoras bem arrumadas andando de bicicleta levando suas bolsas no cestinho do guidon, indo trabalhar e estudar. Mas lá o respeito com o ciclista existe, posso testemunhar pois andei de bicicleta lá, mesmo fora da ciclovia os motoristas dão preferência as bibcicletas, no país do ciclismo isto é uma questão de educação, enquanto isto aqui em Porto Alegre…

    Curtir

    • Pois é, eu vejo o transporte por bicicletas, numa metrópole como Porto Alegre, integrado ao sistema de transporte público.

      Por exemplo, com a construção da linha de metrô para a Zona norte, o trem e as estações, bem como as ruas e avenidas do entorno de cada estação, (eu espero) já deverão vir preparadas para receber ciclistas.

      Com isso o cidadão poderá usar as bicicletas para acessar o metrô. É sabido que uma pessoa está disposta a cominhar 10 a 15 minutos para alcançar o transporte público ou seu lugar de trabalho. As bicicletas podem ampliar a área de ação de uma linha de metrô, aumentando ainda mais sua utilidade e eficiência.

      Curtir

  8. Fortunati foi passear de bicicleta e nem deu importância ao caso do cavalo torturado e morto na zona norte da cidade, pois ele já ocupou os cabides de emprego na secretaria ESPECIAL dos direitos dos animais, ESPECIAL é por que é só para a PANELINHA dele. Os que não conseguiram lugar neste cabide vão se colocados na SECRETARIA DO TRABALHO E EMPREGO, depois ainda querem pegar o pé dos carroceiros. Qe povo dorminho este de Porto Alegre !

    Curtir

  9. É por isso que digo SEMPRE: SAÚDE E EDUCAÇÃO É A BASE DE TUDO!!! Enquanto não se der prioridade a estes 2 fatores, nada mudará!

    Curtir

  10. eu ate começo a andar de bike, mas tenho que arrumar alguem pra empurrar a bike pra mim, por que se tem o carro pra fazer o mais dificil….

    moto não da por que é perigoso, mais que bike… e onibus… depois da velha fdp que quase me derrubou nas escadas, da lotação completa, o calor do verão e aquele povo comendo salgadinho… vixiii…

    Curtir

  11. Sou a favor da construção de ciclovias, quanto mais melhor, mas não tenho medo de dizer que as bicicletas serão sempre um transporte alternativo, o mais alternativo de todos.

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: