Praça da Alfândega: restauração pronta em 20 dias

As obras na Praça da Alfândega, no Centro de Porto Alegre, estão em sua fase final para abrigar a próxima Feira do Livro

Praça da Alfândega há 2 semanas. Foto: Gilberto Simon - Porto Imagem

As obras de restauração da parte interna da Praça da Alfândega, no Centro Histórico da Capital, deverão ser entregues em 20 dias. Este foi o prazo estabelecido pela coordenadora do Projeto Monumenta Porto Alegre, Briane Bicca, que garante a liberação de parte da área para a realização da tradicional Feira do Livro, que começa no dia 28 de outubro, e segue até 15 de novembro.

Segundo Briane, já foram finalizadas as zonas de passeio, as grades dos jardins e canteiros e a iluminação, restando só completar o ajardinamento dos canteiros, que deverá ser realizado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam). Como a primeira licitação ficou desabilitada, foi feito um contrato emergencial para o plantio de flores e arbustos. “O miolo da praça está praticamente pronto. Já terminamos a pavimentação da parte interna, na avenida Sepúlveda, onde fica a área internacional da Feira, e o assentamento das pedras portuguesas, nos canteiros centrais”, disse Briane. Segundo ela, o local ainda não estará com a fisionomia pronta, mas será possível perceber as alterações.

A Smam informou que só após finalizada a recuperação e pintura das grades nos canteiros poderá iniciar o ajardinamento. Conforme a Secretaria, os trabalhos serão realizados em parte da praça, incluindo os canteiros que ficam em frente ao Margs. Nos locais serão inseridos 17 espécies de plantas ornamentais, tendo como referência o paisagismo original do início do século passado. O gerente do programa estratégico Cidade Integrada e coordenador do Programa Viva o Centro, Glênio Bohrer, explicou que as áreas externas da Praça, que inclui a liberação de tráfego de veículos em vias, como Capitão Montana, Cassiano do Nascimento e Calçadão da Rua da Praia, começará após o término da Feira do Livro. A Praça terá ainda novos banheiros, pequenas lojas, cafeteria, sorveteria e duas novas bancas de revistas. As obras devem terminar no início do segundo semestre de 2012. O valor orçado é de R$ 3 milhões – 30% de contrapartida da prefeitura e 70% do governo federal.

Correio do Povo



Categorias:Parques da Cidade

Tags:

9 respostas

  1. Pra quem reclamou da demora, essa obra não foi uma simples reforma, mas uma restauração que incluiu PESQUISA e escavações arqueológicas. Material arqueológico só aparece depois do inicio das obras, e influencia diretamente nas decisões de projeto que são tomadas antes da execução.

    Curtir

  2. E as fontes? E as fontes? Vão restaurar as fontes ao redor da estátua do General Osório????

    Curtir

  3. Precisaram de TRES anos para fazerem SO isso??……. P***Q**P***UUUUUU….Haja incompetencia!!.

    Curtir

  4. Esses bancos inventados pela SMAM são horríveis! Retiraram os pés dos bancos e colocaram esses blocos de concreto grotescos. Restauram uma praça e colocam essa aberração de mobiliário que deturpa a identidade histórica (antigamente os bancos pelo menos tinham pés – olhem os da redenção no eixo) e que involui dos usados no passado.

    Curtir

  5. Mobus, restauraram a praça toda para ter o mesmo layout que ela teve originalmente. Até tiraram asfalto da rua para colocar paralelepípedo. Com isso em mente, faz todo sentido (neste caso específico) a pedra portuguesa.

    Curtir

    • Concordo com o Felipe X, neste caso está justificado o uso da pedra portuguesa.

      Curtir

      • O meu ponto é que poderiam resgatar o layout usando um material de melhor qualidade. O próprio exemplo dado, da Avenida Sete de Setembro, é emblemático: colocaram o PIOR tipo de paralelepípedo, todo desnivelado, de baixo atrito, em uma via de velocidade média.

        E aí, pra completar o insulto, vão usar no resto da praça a pedra portuguesa, que é o pior inimigo do cadeirante, do ciclista, do patinador, da mulher de salto, do deficiente visual. Em meros meses vai estar todo esburacado e solto, pois este é o comportamento natural do material com o tráfego de pedestres e avanço das raízes da vegetação.

        Se os projetistas tivessem o mínimo de consideração com os usuários da futura praça, teriam especificado o uso de materiais de qualidade. Tanto na travessia da avenida quanto no restante da praça, o material escolhido deveria ser o paralelepípedo retificado, a exemplo das cidades européias. Este material permite perfeitamente desenhos e mosaicos no solo, mantendo a identidade histórica pretendida.

        Do jeito que está, vai ficar bonito na foto e ruim no uso. Arquitetura bem feita leva as duas coisas em conta.

        Curtir

  6. Alguém me explica a opção por pedra portuguesa, em pleno ano de 2011? Elas são um pesadelo de acessibilidade e manutenção! Eu entendo a busca pela preservação da identidade histórica do local, mas com certeza existem soluções atingindo resultado esteticamente semelhante de forma mais funcional.

    Curtir

  7. Aleluia!! Pelo menos isso né…..

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: