Autorizado início da última etapa da obra do aeromóvel

Construção é uma exigência para que Porto Alegre seja cidades-sede da Copa do Mundo de 2014

Previsão é de que as obras estejam finalizadas em 180 dias Crédito: Vinícius Roratto

A direção da Trensurb assinou, nesta segunda-feira, a ordem de início da quarta e última etapa de serviços para a construção do aeromóvel. O empreendimento vai ligar o terminal de passageiros do Aeroporto Internacional Salgado Filho até a Estação Aeroporto, da Trensurb. A obra é uma exigência para que Porto Alegre seja uma das cidades-sede da Copa do Mundo de 2014.

“Com o começo desta etapa, asseguramos a agilidade necessária ao empreendimento e na nossa confiança”, afirmou o presidente da Trensurb, Humberto Kasper. Ele ressaltou que serão construídas duas estações de conexão (embarque e desembarque), totalizando investimento de R$ 2,279 milhões. A previsão é de que as obras estejam finalizadas em 180 dias.

Kasper lembrou que já foram assinados contratos com outras três empresas. A primeira foi responsável por fornecer a tecnologia para desenvolver o aeromóvel e operacionalizá-lo. Isso ocorreu em agosto do ano passado. No final de 2010, foi feita a licitação para a contratação de empresa responsável pela construção da fundação e das elevadas, onde as composições do aeromóvel vão passar. Ao todo, serão utilizados 50 pilares de concreto. O canteiro de obras dessa etapa, que está mais avançada, pode ser visto junto à saída do aeroporto.

A terceira e penúltima fase foi consolidada com a contratação de uma empresa que é a responsável pela fabricação dos veículos. O acerto foi feito no início deste ano. “Existe uma cautela e um cuidado muito grande em relação a esse projeto porque é pioneiro no País. E, de acordo com os bons resultados que apresentará, será uma tecnologia brasileira que poderá ser comercializada no resto do mundo”, explicou Kasper.

O aeromóvel será o primeiro sistema operacional agrupando tecnologias (com o metrô) em funcionamento no País. “É uma vitrine e queremos que seja a melhor, para sermos o exemplo para outros grandes projetos similares em outros estados”, afirmou. Ele destacou ainda que, apesar de a extensão que o aeromóvel percorrerá ser de quase 1 quilômetro, a obra não é simples.

Kasper frisou que, para viabilizar a construção, foi levado em consideração uma série de restrições e normas, como o fato de que o trecho passa entre viadutos, o que obrigou ajustes ao projeto. Outro imprevisto que surgiu até agora foi uma tubulação que precisou ser removida. “A tubulação não aparecia em nenhum material que foi nos repassados. Apesar do imprevisto, conseguimos remover e dar continuidade ao projeto”, explicou.

Correio do Povo



Categorias:Aeromóvel, aeroportos brasileiros

Tags:,

5 respostas

  1. É uma pena ver que os responsáveis não tiveram a ideia de bolar um projeto para a recuperação e expansão da linha do aeromóvel existente na frente do gasômetro, la com certeza ia ter uma utilização mais intensa da população Porto Alegrense.

    Curtir

  2. Sou favorável ao Aeromóvel por ser uma tecnologia limpa, segura, eficiente e genuinamente gaúcha, mas fico com um pé atrás para saber se o Aeromóvel será, também, sustentável no sentido econômico do termo.

    Espero que as projeções feitas pela Trensurb estejam corretas e que o Aeromóvel venha a agregar receitas à Empresa ao invés de representar mais um custo, que no final das contas terá que ser bancado com dinheiro público, correndo-se o risco de virar mais um elefante branco à exemplo da linha piloto que inicia em frente ao Gazômetro. Torço muito para o sucesso deste modal que, provando ser economicamente viável, tem tudo para se tornar uma importante peça na organização sistema de transporte dos grandes centros urbanos.

    Entendo que está pacificada a idéia de que o Aeromóvel, sozinho, não será solução para os problemas de transporte. O Aeromóvel tem uma utilidade restrita, mas que não deve ser desprezada, pois funcionando em conjunto com outros modais, pode agregar muito ao sistema viário, o qualificando ao nível de excelência que todos almejam.

    Além do mais, este Aeromóvel vai além do transporte coletivo. Ele faz parte de um amplo projeto da para dimunuir a dependência de subsídios da União para o funcionamento da Trensurb (vide o projeto do metrô-shopping).

    Se o Governo deixará de investir em corredores de ônibus, bonde histórico, ciclovias, não será por causa do aeromóvel, mas por pura ausência de vontade política, pois dinheiro tem de sobra neste país. Tanto é que dificilmente a União gasta tudo o que foi previsto no orçamento, muito em função da ausência de projetos, muito em função da corrupção que volta e meia impõe a paralização das obras, quando estas não param em virtude de mesquinharias partidárias decorrentes da alternância no poder.

    Critica-se muitas vezes a falta de ousadia dos nossos gestores, mas quando resolvem fazer algo ousado, tabém criticam.

    Curtir

  3. Não é exigencia pra copa, é mais um engana troxa, pra fazer de conta que a cidade fez algo…

    Curtir

  4. Uma pequena observação, para construir uma linha de aeromóvel é necessário R$ 2,279 milhões, para construir uma ciclovia R$ 2 milhões. Um dos dois valores está errado! Qual será?

    Curtir

    • A informação está errada, pois o aeromóvel custará ao todo 30 milhões. Ocorre que este não será um investimento a fundo perdido, mas que irá se pagar ao longo dos anos, se as projeções de demanda e receita se confirmarem, é claro.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: