Edital para lotações Restinga e Belém Novo sai em março

Está pronto o projeto básico para a contratação das novas linhas de lotação Restinga e Belém Novo. O documento que será a base do edital de licitação foi entregue na manhã desta terça-feira, 3, pela equipe da empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) ao prefeito José Fortunati. No ato, o prefeito designou técnicos da EPTC e da Secretaria Municipal da Fazenda para trabalharem no edital, com publicação prevista para março.

A nova alternativa de transporte para os moradores das regiões Sul e Extremo-Sul deverá entrar em operação até o final deste ano, após os prazos da licitação e de estruturação da frota pela empresa vencedora. De acordo com Fortunati, a prefeitura está empenhada em oferecer o serviço o mais rapidamente possível. “Trabalhamos com celeridade máxima para oferecer esse serviço muito esperado pela população, respeitando os aspectos legais da contratação”, afirmou o prefeito, destacando a complexidade na elaboração do projeto, por ser inovadora a licitação no transporte seletivo.

O projeto básico define dados como demanda das linhas, tipo de automóvel e proposta inicial de itinerário, que pode ser alterada de acordo com a necessidade. Cerca de 35 veículos atuarão nas duas linhas, ligando bairros como Restinga, Belém Novo, Chapéu do Sol e Ponto Grossa ao Centro da cidade. A linha Restinga passaria pela Juca Batista, Cavalhada e Azenha, enquanto a Belém Novo funcionaria pela Juca Batista, Wenceslau Escobar e Padre Cacique.

O diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Capellari, disse que o projeto demandou profundo estudo técnico, porque não há parâmetros nacionais nesse serviço, considerando que Porto Alegre é pioneira na regulamentação e implantação das lotações. “A proposta tem viabilidade econômica e garante diferenciais de qualidade no serviço, como atendimento durante a madrugada”, enfatizou. Conforme Capellari, a proposta foi construída em diálogo com as associações dos Transportadores de Passageiros por Lotação (ATL) e dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP).

As novas lotações foram criadas a partir de lei proposta pela prefeitura, sancionada pelo prefeito em agosto. O projeto prevê que o novo serviço entre em operação com bilhetagem eletrônica, acessibilidade universal e ar-condicionado em toda a frota. A atividade será classificada como categoria especial de transporte seletivo, com trajetos de extensão igual ou superior a 50 quilômetros. Mesmo com trajetos mais longos por percorrerem bairros afastados do Centro, a lei garante o mesmo valor da passagem praticado na categoria de lotação comum – hoje definido em R$ 4.

Lotações na Capital – O sistema de lotação de Porto Alegre opera atualmente com 403 veículos do tipo microônibus, todos equipados com ar-condicionado, distribuídos em 29 linhas e 18 desmembramentos. A tarifa atual é de R$ 4. A frota transporta diariamente, em média, cerca de 60 mil passageiros.

Prefeitura



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:, ,

3 respostas

  1. Finalmente haverá a implantação de Lotação em Bélem Novo e teremos transporte de qualidade, ufa até que enfim. Ninguém merece pegar o ônibus Bélem Novo lotado até as 21h.

    Curtir

  2. Moro na Zona Sul de Porto Alegre e fico feliz com a implementação das linhas de lotação Restinga e Belém Novo. No dia em que essas linhas começarem a circular, vou abrir um sorrisão!!
    Mas ainda há uma dúvida, se esses cerca de 35 carros serão adicionados à frota de lotações (que tem 403 micro e mini-ônibus) ou se várias outras linhas terão carros a menos, remanejados para as novas linhas. Atualmente é o que acontece quando uma linha de lotação quer adicionar um carro à frota: tem de retirar um carro de outra linha com menor demanda, porque o número máximo estabelecido de seletivos é 403.
    Torço pela primeira hipótese, porque a população de Porto Alegre cresceu significativamente de uns 30 anos para cá, e o serviço de lotações não acompanhou esse crescimento.
    Sendo assim, se o número total de carros pudesse ser ampliado para uns 500 aproximadamente, poderia haver, também, linhas de lotação Transversais, ou seja, sem passar pelo Centro de POA (Terceira Perimetral, Segunda Perimetral, etc.), que ajudariam a desafogar os ônibus que fazem as linhas transversais da Carris (T11, T3, T4 e outras), além de linhas que contemplem vias e localidades não atendidas pelos lotações, tais como: Av. Érico Veríssimo, residencial Costa e Silva (Z.Norte), Assunção e Campo Novo (Z.Sul).

    Curtir

  3. Finalmente teremos a implantação de lotações nestes bairros, isso graças a luta dos moradores em que se constata que houve a pressão e não a participação dos mesmos nas discussões com a ATP e ATL, isso não parece ser democrático.

    Uma vez implantadas, o restante da população que não possuir recursos para andar de lotação ficará esperando um pouco mais pelo ônibus que nunca vem.

    Aliás pelo preço praticado nas lotações que fica em torno de R$ 4,00 reais, fica ainda mais barato andar de carro. Quem irá migrar para esse tipo veículo são os passageiros dos ônibus, estes que podem pagar.

    O tempo dirá, aliás isso se constata em bairros que possuem as lotações, primeiro vem a lotação, depois de um longo tempo, vem o ônibus.

    Enfim, o tempo dirá.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: