Ciclovia: Projeto que utiliza plástico reciclável é o vencedor

Troyano é ciclista e diz que pensou em uma solução leve e segura MARCO QUINTANA/JC

O projeto vencedor para implantação do guarda-corpo que irá proteger os futuros usuários da ciclovia da avenida Ipiranga será feito de plástico reciclável. Um concurso foi realizado de forma emergencial após a população de Porto Alegre criticar nas redes sociais a estética da estrutura que estava sendo montada pela prefeitura. A proposta ganhadora foi escolhida de forma unanime por uma comissão técnica coordenada pelo Instituto de Arquitetos do Brasil do Rio Grande do Sul (IAB/RS).

O trabalho, de autoria do arquiteto Rodrigo Troyano, terá um custo de R$ 150,00 o metro. A estimativa de custo para a implantação da proteção é de aproximadamente R$ 1,9 milhão. A previsão é de que os 9,4 quilômetros da ciclovia, já com o guarda-corpo, sejam concluídos até o final deste ano. O custo total da obra, que era estimado em R$ 2,3 milhões, passa a custar cerca de R$ 4 milhões.

De acordo com Troyano, que revela ser ciclista desde 2008, o objetivo do projeto é ser leve no sentido de permitir que os ciclistas, os transeuntes e os motoristas possam enxergar a avenida nos dois sentidos, sem criar um muro, assim como já existe o localizado na avenida Mauá. “Partimos do princípio de que a estrutura deveria ser leve, com poucos elementos, permitindo que pudesse crescer vegetação – uma espécie de trepadeira –, o que tornaria o guarda-corpo mais interessante”, explica o arquiteto, que receberá cerca de R$ 4,5 mil referentes a 40 horas de trabalho.

O primeiro embate de ideias foi criado em relação aos termos técnicos do projeto, conforme observado em pesquisas em blogs de ciclistas. “O elemento mais externo da bicicleta é o guidom, que, caso venha a se chocar em algo vertical, como uma árvore, provocaria a queda imediata. A ideia é afastar o máximo possível essa estrutura leve e com vegetação do ciclista”, argumenta. A partir desse conjunto de conceitos veio o mote principal do projeto. “A gente criou uma almofada com o elemento plástico que afasta o ciclista desse perigo. Antes de colidir com o guarda-corpo, a bicicleta vai bater no anteparo, que será colocado de forma horizontal”, detalha Troyano. O arquiteto vencedor faz questão de destacar a importância do concurso, que, mesmo em um período de férias, com muitos arquitetos viajando, contou com a inscrição de 37 propostas.

O diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, diz que os próximos passos para a implantação da ciclovia é definir alguns ajustes técnicos. “Vamos iniciar a busca dos fornecedores dos materiais. A expectativa é de que o trecho entre as avenidas Erico Verissimo e Azenha – 416 metros – fique pronto até fim de março”, prevê.

O presidente do IAB/RS, Tiago Holzmann, destaca a expressiva participação dos usuários da ciclovia nas decisões do projeto, tornando o processo de escolha mais democrático. “O instituto, juntamente com a EPTC, pode dar publicidade para um trabalho que normalmente é definido dentro de um gabinete”, avalia. A ideia dos membros do IAB/RS é participar em outras obras, como a revitalização do Cais Mauá e a construção do metrô que ligará o Centro à zona Norte.

Deivison Ávila – Jornal do Comércio



Categorias:ciclovias

Tags:, ,

7 respostas

  1. Agora o problema são as árvores da Av. Ipiranga, aliás depois do que fizeram na Praça Otávio Rocha podando a linda árvore que estava lá, tudo é possível.

    Vendo do alto da Praça Otávio Rocha, não observei nada que pudesse justificar a poda da referida árvore, o que fizeram foi trocar a árvore por duas placas da Pref. Mun. anunciando a reforma da Praça.

    Uma coisa que chama a atenção é que no local da poda, procuraram tapar com uma lona preta, o que estariam realizando no local, seria a lona para tapar a injustificável poda.

    Curtir

  2. O projeto de guarda-corpo do arquiteto é muito bom, mas essa ciclovia é que está errada:. Entendam o porquê: http://www.poabikers.com.br/?p=661

    Curtir

    • Tem que derrubar aquelas árvores dali, senão não tem condições!!

      E se vier algum idiota se abraçar na árvore para impedir sua derrubada, tem que derrubar idiota + árvore, tudo junto.

      Aquelas árvores são irregulares. Que se apoie a plantação de árvores adequadas no lugar , ao invés de ficarremendando o que já foi feito errado.

      Curtir

  3. Muito interessante o projeto apresentado, este feito as pressas face a pressão da comunidade de Porto Alegre via rede social pela Internet, se não fosse um ano eleitoral certamente esta discussão não haveria.

    Se isso é um projeto de ciclovia, com todo respeito ao mentor da ideia, mas está longe de ser o ideal, aliás nesta cidade se improvisa o que deveria ser o ideal.

    Teremos com esse projeto uma parede verde para elementos se esconderem e assaltarem os ciclistas, questão de tempo veremos os primeiros casos.

    O projeto se voltou somente para os ciclistas não caírem riacho abaixo, mas esqueceram o outro lado da via dos automóveis que trafegam em alta velocidade pela Av. Ipiranga, sem que haja guarda hall para os automóveis, em que o acidente poderá colocar em risco fatal o ciclista.

    Talvez esteja equivocado, mas o tempo dirá.

    Aliás, quantos carros caíram no Riacho Ipiranga até hoje???????

    Curtir

  4. Podem começar pegando aquela árvore de natal de PET do centro, reciclando e dando finalmente o destino correto!

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: